Dores articulares e Exercício Físico

As dores articulares podem surgir por vários motivos visto que existem mais de 100 tipos de reumatismo articular. O exercício físico poderá ser benéfico para quem sofre deste problema.

Dores articulares e Exercício Físico
Será que pode fazer exercício com dores articulares?

As dores articulares, denominadas de artralgia, são um dos tipos de dor mais frequentes. Aos 65 anos de idade 90% da população mundial tem pelo menos uma articulação com osteoartrose (artrose ou osteoartrite), sendo as principais causas o traumatismo e a inflamação.

As dores articulares podem diminuir a capacidade funcional articular, podendo restringir apenas alguns movimentos ou completa incapacidade.

A artralgia pode ser aguda ou crónica e estar presente tanto numa só articulação (trauma ou osteoartrite) como em várias (ex.: artrite reumatoide). A dor normalmente é silenciosa, podendo resultar em deterioração física, claudicação, restrição de movimentos e perda de força.

Plano de treino grátis
Quer atingir os seus objetivos e não sabe por onde começar? Temos um plano de treino de acordo com o que pretende. Obter o plano aqui.
Existem mais de 100 tipos de doenças reumáticas e estas não sucedem apenas nas pessoas idosas, algumas são mais caracteríscicas de pessoas de idade, mas outras são típicas da infância ou da adolescência.

No entanto, confirma-se uma prevalência superior de dores articulares no sexo feminino, devido a fatores anatómicos e fisiológicos.
 

Fatores que afetam as dores articulares


obesidade
Existem alguns fatores que podem aumentar as dores ou progressão no caso de patologia articular:
 
  • Obesidade, o excesso de peso pode estar associado com o desenvolvimento de osteoartrite nos joelhos e da coluna lombar (a diminuição de 5 kg de peso diminui o risco de desenvolver osteoartrite a 10 anos);
  • Desvios posturais na coluna (alterações das curvaturas lombar e cifótica e escoliose);
  • Desvios de joelho;
  • Carregar cargas elevadas;
  • Execução incorreta de exercício físico;
  • Hereditariedade ou genética;
  • Doenças metabólicas;
  • Disfunções hormonais: pacientes com hipotireoidismo podem sofrer mais osteoartrite;
  • Traumas ou lesões articulares decorrentes de acidentes;
  • Trauma de forte intensidade;
  • Lesões decorrentes de movimentos repetitivos e/ou excessivos;
  • Infecções: nas infecções das articulações ocorre a destruição da cartilagem de forma agressiva, capaz de destruir rapidamente uma articulação;
  • Hipermobilidade: Indivíduos com excesso de mobilidade, devido a maior flexibilidade nas articulações;

Em específico nas mulheres

  • Alterações hormonais;
  • Anatomia (por ter um quadril mais largo);
  • Ativação muscular (as mulheres têm mais dificuldade em ativar a parte posterior da perna);
  • Utilização de tacões altos;


Exercício e dores articulares


É de conhecimento geral de que a prática de exercício físico traz imensos benefícios para a saúde no entanto, o exercício pode provocar artrite pois aumenta o risco de lesão e subsequentemente aumenta o risco de osteoartrite.

No entanto, a atividade física melhora a saúde articular pela promoção da nutrição da cartilagem e perda de peso, o que diminui o risco de osteoartrose do joelho e anca.
 

Cuidados a ter no exercício para indivíduos com dores articulares:

exercicio intenso
 
  • Evitar alongamentos excessivos;
  • Evitar exercícios de intensidade elevada;
  • Evitar actividades repetitivas para as articulações afetadas;
  • Evitar exercícios em pisos duros e irregulares que possam levar a lesões por sobreuso;
  • Evitar exercícios de alto impacto;
  • Desportos de contato são contraindicados;
  • Exercícios podem levar a algum desconforto mas não a dor;
  • A frequência dos exercícios deve contemplar um período de recuperação superior para as articulações afetadas
  • É necessária uma atenção especial às articulações afectadas porque têm uma menor amplitude de movimento, instabilidade, diminuição da força muscular, propiocepção deficiente e aumento de dor;
  • Evitar treinar de manhã, a rigidez matinal é um problema comum, tentar treinar noutro período do dia;
  • Devem-se evitar caminhadas de passo rápido, pois aumentam a pressão nas articulações do joelho.
 

Recomendações na prática de exercício físico para quem tem dores articulares


Ao considerar a importância da atividade física num indivíduo com problemas articulares, existem dois aspetos fundamentais a ter em conta:
 
  • Os benefícios do exercício físico são os mesmos para a população em geral, sobretudo do foro cardiovascular;
  • A prática de exercício físico e a sua prescrição vai depender do estadio em que o indivíduo se encontra, tendo em consideração :
    • as articulações afetadas
    • a condição física do indivíduo
    • comorbidades
    • medicação
    • objetivos

​É fundamental a consulta de um médico visto que a gravidade da patologia poderá não permitir a prática de atividade física.

 

7 Princípios gerais da prática de exercício físico em caso de dores articulares


exercicio na agua


1. Exercícios de alto impacto

O treino para promover efeitos cardiovasculares é importante e deve ser exercitado de forma a não prejudicar as articulações afetadas, são desaconselhados exercícios de alto impacto.

 


2. Atividade física que provoque dor

Devem ser evitadas todas as formas de atividade física que provocarem dor ou desconforto durante a sua realização, ou se ficarem sistemáticamente associadas a queixas articulares depois da atividades.
 
 


3. Regra das 2 horas

Aplica-se a regra das 2 horas, se a dor aumentar para além de 2 horas após o exercício, relativamente à dor antes de iniciar o exercício, deve diminuir-se a intensidade ou duração do mesmo, principalmente na articulação afetada.

 


4. Sinais inflamatórios

Devem ser reconhecidos os sinais inflamatórios de uma dor articular (dor surgindo durante a noite ou aumentando com o repouso ou imobilização durante o dia. Dor significativa de manhã ao levantar e melhorando com a mobilização articular progressiva); deve evitar-se a prática de qualquer atividade física de sobrecarga à articulação envolvida.

 


5. Atividade física sem dor

A atividade física deve ser encorajada em fases na qual o individuo não sente dor, ou que tenha problema articular mas se encontre estabilizado.
 
 


6. Treino de força isométrica

Para ganho de força muscular e amplitude de movimento nas articulações afetadas, é aconselhado o treino de força isométrica, em meio aquático com intensidades baixas.

A água é um bom meio também para a realização de trabalho cardiovascular, o efeito da flutuabilidade ajuda à realização de exercícios na amplitude de movimentos ativos e passivos, promovendo a amplitude e a força.

 


7. Fase crónica e aguda

Na fase crónica de artrite é preferível a realização de exercícios isotónicos, e na fase aguda exercícios isométricos de baixa intensidade pois produz menos energia intrarticular.


Em suma


De forma geral, a prática de exercício físico é benéfica para as articulações pois fortalece a musculatura do corpo, aumenta a estabilidade articular, a capacidade física, o equilíbrio e propriocepção, reduzindo a inflamação articular remanescente, logo o exercício físico contribuirá para uma diminuição da progressão das dores articulares e prevenção da sua incapacidade.

O exercício deve ser sempre vocacionado primariamente para a função e não para o treino. Se sofrer com dores nas aticulações, procure um profissional da área e comece a exercitar-se de forma a melhorar a sua qualidade de vida.

Consiga aqui um plano de treinos gratuito de acordo com os seus objetivos e fique em forma!

 

Veja também:

Ler mais
Sara Tomás Sara Tomás

Sara Tomás, Personal Trainer, trabalha atualmente no Health club Welldomus Fitness and Spa. Colabora na Clínica Bússola da Saúde no Marco de Canavezes. Licenciada em Ciências do Desporto na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, pós-graduada em Atividade Física e Saúde pela mesma instituição. Pós graduada em Reabilitação em Medicina do exercício e Desporto pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.