A dieta do grupo sanguíneo faz sentido?

Todos os dias surgem novas dietas e a do grupo sanguíneo é uma das que dado o que falar. Se quer saber porquê, comprove todos os factos neste artigo.

A dieta do grupo sanguíneo faz sentido?
Descubra aqui do que se trata e quais os factos que a sustentam

Quando se fala em dieta do grupo sanguíneo, quase podemos sentir a sobrancelha a levantar e o sorriso a aparecer na face das pessoas. E não é de estranhar: todos os dias surgem novas modas, e quando se fala de dietas, então, todos parecem ter uma solução milagrosa. No entanto, de vez em quando surge uma que apresenta resultados positivos, sem prejudicar a saúde de quem a segue. A dieta adaptada a cada grupo sanguíneo parece ser uma delas. Agora, interessa é perceber porquê e se vale a pena adotá-la.
 

O QUE É A DIETA DO GRUPO SANGUÍNEO
 

Consulta Gratuita de Nutrição
Faça a sua consulta gratuita de nutrição. Fale já com a nutricionista online!
A dieta do grupo sanguíneo foi desenvolvida e proposta por P.J. D’Adamo, autor de vários livros sobre o assunto, e o seu principal defensor. Este argumenta o seguinte:
  • Grupo sanguíneo O – segundo o autor, é o mais ancestral da humanidade, pelo que as pessoas que o possuem deveriam optar por ingerir uma maior quantidade de proteínas animais e produtos hortícolas;
  • Grupo sanguíneo A – acreditando que este grupo sanguíneo se desenvolveu em locais com menos proteína animal, o autor defende que a escolha destes indivíduos deveria passar por uma dieta vegetariana;
  • Grupo sanguíneo B – segundo a teoria de que teria sido desenvolvido sobretudo por tribos nómadas, as pessoas que integram este grupo seriam as únicas a poder ingerir laticínios, acompanhados por produtos hortícolas e grande diversidade de frutas.
 

FACTOS  SOBRE OS GRUPOS SANGUÍNEOS QUE PARECEM VALIDAR ESTA DIETA
 

  • O grupo sanguíneo de cada pessoa é determinada pelos antigénios presentes na superfície dos glóbulos vermelhos – neste momento, existem fortes suspeitas de uma relação entre determinados antigénios (nomeadamente o A, B e H) e a saúde de cada pessoa, estando mesmo em curso vários estudos que procuram determinar o nível exato desta influência.
  • Atualmente, existem já provas de que existe uma correlação direta entre os grupos sanguíneos e determinadas doenças. Ex.:
.Grupos sanguíneos A, B e AB – as pessoas que pertencem a estes grupos têm taxas de doenças e mortalidade cardiovasculares mais elevadas;
.Grupos sanguíneos A, B e AB - também parece haver uma relação direta entre estes grupos e a propensão para os cancros de pâncreas e do estômago; 
.Grupo sanguíneo A - no que toca ao cancro gástrico, este é o grupo sanguíneo que apresenta maior risco.
 

VALE A PENA ADOTAR A DIETA DO GRUPO SANGUÍNEO?


Vamos analisar os factos, de uma forma simples e pragmática:
  • É fácil de perceber que as orientações nutricionais defendidas fazem sentido (como por exemoplo, a redução da proteína animal na dieta das pessoas propensas a sofrer de cancro gástrico).
  • No entanto, a argumentação e as hipóteses em que se apoia são, no mínimo, questionáveis, uma vez que não existem provas irrefutáveis e consensualmente aceites de quando e onde se desenvolveram os grupos sanguíneos.
  • Por outro lado, quando se analisou o impacto destas sugestões nutricionais nos indicadores metabólicos de cada indivíduo, o que se comprovou foi apenas uma melhoria dos mesmos, e não uma associação direta a qualquer um dos grupos sanguíneos. Ou seja, nada de novo visto que as orientações da dieta do grupo sanguíneo já são, por si só, são saudáveis.
  • Resumindo: não existem provas científicas que suportem esta teoria. Independentemente do grupo sanguíneo de cada um, a prioridade vai no sentido de evitar todo o tipo de doenças e de ter um estilo de vida saudável. Isto passa por praticar exercício físico regularmente, recusa do tabaco e abuso do álcool e, obviamente, uma dieta variada e equilibrada.


Para concluir, podemos dizer que se desejar adotar a dieta do grupo sanguíneo, pode fazê-lo. O facto de aderir a uma dieta saudável é sempre positivo mas, quanto à dieta em si, teremos de aguardar para que haja uma relação comprovada entre os fatores sanguíneo vs alimentar.

 

Veja também:

 

Ler mais