Pé diabético, um problema a prevenir

Pé diabético, um problema a prevenir

A prevenção e o tratamento atempado são medidas essenciais no dia-a-dia.

Chama-se pé diabético a um conjunto de alterações que podem acontecer nos pés dos doentes com diabetes. Saiba como prevenir esta complicação.

A diabetes é uma doença metabólica, caracterizada por um aumento do nível de açúcar (glicose) no sangue, que pode conduzir a complicações a longo prazo, entre as quais o pé diabético.

Esta é uma situação complexa que pode afetar qualquer pessoa com diabetes.

Num pé diabético, uma ferida tão pequena como uma bolha, causada por um sapato apertado, calos, unhas encravadas ou pequenas fissuras, por exemplo, podem causar sérios danos, evoluindo até a uma gangrena ou mesmo amputação. 

Sendo esta uma das complicações mais frequentes na diabetes, estima-se que 15% dos doentes poderão vir a ter algum problema do pé ao longo da sua vida. Para evitar esta complicação é importante não só um bom controlo da diabetes, mas também uma vigilância regular e uma série de cuidados com os pés. 


Fatores de risco


Pé
Proteja a sua saúde!
Receba conteúdos exclusivos e habilite-se a um check-up completo. Registe-se já!

O pé diabético é mais propenso a infeções. Geralmente, os problemas nos pés dos portadores de diabetes resultam de três fatores, que podem ou não coexistir:


Neuropatia

Destruição dos nervos que chegam aos pés e que provoca uma redução ou mesmo ausência da sensibilidade à dor, toque, frio e calor.

Neste caso, a pessoa com diabetes pode não se dar conta da presença de um pequeno corte, queimadura ou ferida, que pode progredir, originando infeção, ulceração e, em casos extremos, obrigando a uma amputação.


Doença vascular periférica

Vulgarmente chamada de má circulação sanguínea - A diabetes afeta a circulação do sangue nas pequenas artérias, em particular das pernas e dos pés. A má circulação nos membros inferiores atrasa a cicatrização das feridas que facilmente infetam, podendo, em casos muito graves, levar a uma amputação do pé ou uma parte dele. 


Deformação do pé 

O excesso de pressão em determinadas zonas do pé e o uso de calçado inadequado podem causar deformidades dos pés, como joanetes, calos ou dedos em garra. Estes problemas quando, em fricção com o calçado, podem dar origem ao aparecimento de feridas.

 

Sinais e sintomas a não descurar


Os sinais e sintomas mais frequentes no pé do diabético caracterizam-se pelo aparecimento de alterações da temperatura do pé, da cor, da textura da pele e da sensibilidade. Mas não são os únicos. Para além destes, deve estar atento aos seguintes aspectos:

  • A pele dos pés pode ficar muito seca e propensa a sofrer de bolhas, cortes ou queimaduras;

  • As feridas podem levar muito tempo a sarar;

  • Os pés e as pernas podem doer;

  • Ausência ou diminuição de pelos nas pernas e nos pés;

  • Alterações nas unhas e na forma dos pés, bem como na sua estabilidade e equilíbrio.

 

Procure ajuda profissional


Médico pés


Ao primeiro sinal de aparecimento de um problema - calosidade ou outra alteração -, procure ajuda profissional. Se o problema for detetado a tempo, é possível tomar medidas para evitar que se produzam lesões graves. 

Quando se está perante uma lesão já estabelecida, o tratamento assenta na intervenção de uma equipa multidisciplinar composta por enfermeiros, endocrinologistas ou internistas, cirurgiões e podologistas, de forma a tratar o problema com a maior rapidez possível.

 

10 Cuidados ter com os pés 


Os pés do doente diabético requerem uma atenção regular. A sua observação diária é um passo simples mas essencial para prevenir o aparecimento de lesões, bem como a prestação de alguns cuidados diários. Entre eles encontram-se os seguintes:


1. Observe os pés com atenção todos os dias, de preferência num local com muita luminosidade.


2. Lave os pés diariamente com água morna e sabão neutro. Não deixe os pés de molho demasiado tempo, pois pode danificar a pele.


3. Seque muito bem os pés, especialmente entre os dedos, e aplique um creme/loção hidratante, exceto entre os dedos.


4. Corte as unhas de forma reta, sem arredondar os cantos. Se necessário, utilize uma lima de cartão para acertar os cantos da unha ou remover calosidades. Nunca use calicidas. 


5. Não ande descalço em nenhuma circunstância, nem mesmo dentro de casa;


6. As meias devem ser de fibras naturais, algodão preferencialmente, sem costuras e que não sejam muito apertadas na zona da perna.


7. Examine cuidadosamente o interior do calçado antes de o calçar para ver se há corpos estranhos como pedras ou deformações nas palmilhas, que possam ferir os seus pés. 


8. O calçado deve ser confortável, idealmente de biqueira larga e alta, sem costuras no interior, construído em pele com atacadores ou velcro e sola de borracha.


9. Não fume. Fumar prejudica seriamente a circulação sanguínea, o que aumenta o risco de complicações relacionadas com os seus pés.


10. Mantenha a diabetes controlada. Se mantiver os níveis de açúcar no sangue dentro dos valores que o seu médico lhe recomendou, reduzirá o risco de desenvolver complicações.
 

 
Se a saúde é uma prioridade para si, clique aqui.


Veja também: