Parto na água: vantagens e desvantagens

Parto na água: vantagens e desvantagens

Tudo o que precisa saber.

A gravidez e o parto são, provavelmente, as duas experiências mais arrebatadoras que a mulher tem na sua vida. 

O parto na água não é uma novidade já que existem relatos que os príncipes e princesas, na Grécia Antiga, nasciam em banheiras, assim como, os aborígenes na Austrália e também os povos de algumas ilhas do sul do Japão realizavam partos dentro de água. Porém, com registos médicos, o primeiro parto dentro de água foi realizado em França, em 1805, quando um médico, já desesperado com um trabalho de parto que durava há dois dias, seguiu os conselhos de uma parteira local e colocou a paciente numa banheira que, pouco tempo depois, acabou por dar à luz um bebé saudável. 

Tome nota:
A ligação que existe entre uma mãe e um filho é a mais poderosa! Receba já todas as dicas para si e o seu bebé.

COMO FUNCIONA O PARTO NA ÁGUA

O parto na água é um parto natural em que se utiliza a água como forma de relaxamento da mãe. O bebé pode ou não nascer dentro de água mas é necessário que, até ao período expulsivo, a mãe esteja dentro de uma piscina, submersa até ao nível dos seios. O pai, ou acompanhante da grávida, também podem entrar na piscina para apoiar a mãe, permitindo uma ligação ainda mais forte com o momento.

A água quente, a uma temperatura entre os 35 e os 37 graus, favorece a irrigação sanguínea, induz uma redução da pressão arterial e contribui para o relaxamento da estrutura muscular, fatores que contribuem para atenuar as dores associados ao parto e reduzir a necessidade de anestesia.

Não existem evidências nem indícios que um parto na água tenha maiores riscos em comparação com um parto normal para a mãe ou bebé. 
 

Vantagens do parto na água

  • Dentro de água, a mãe fica mais leve sendo mais fácil encontrar posições cómodas, menos dolorosas e mais eficientes durante o parto
  • A mãe, por estar mais relaxada pelo efeito da água, sente menos dor
  • A mãe, pelo efeito da água, experimenta uma menor pressão no útero e no abdómen durante o processo das contrações, ou seja, as contrações são menos intensas
  • A transição da placenta para o exterior é mais suave o bebé estagia por breves segundos na água, num ambiente mais próximo daquele em que estava no interior da placenta
  • Normalmente, os partos na água são mais rápidos e com menores complicações, o que favorece uma mais rápida recuperação da mãe


Desvantagens do parto na água

  • O parto na água pode ser perigoso, nos casos em que seja necessário a realização de situações de emergência durante o parto, pelo simples facto de a mãe estar dentro de água e não numa cama do hospital.
  • Na esmagadora maioria dos casos, não há risco de afogamento uma vez que, nos primeiros momentos em contacto com o ar exterior, a criança não utiliza o sistema respiratório continuando a respirar através do cordão umbilical. No entanto, existe sempre o risco de falha do mecanismo que impede o funcionamento do sistema respiratório, o que provoca aspiração da água.  


Quando é que não é aconselhável o parto na água

  • Gravidez de alto risco
  • Partos prematuros, com menos de 37 semanas de gestação
  • Em caso de gémeos
  • Bebés em posições anómalas dentro do ventre materno
  • Mães com antecedentes de hemorragias
  • Mães diabéticas
  • Grávida com sinas de febre e/ou infeções não tratadas
  • Grávida com parto anterior realizado por cesariana
  • Rutura prematura da placenta
  • Experiências anteriores de partos complicados, resultantes, por exemplo, de bebés muito grandes, com peso superior a 4000 g ou bacia materna estreita.


Epidural no parto na água

Num parto na água não é possível administrar epidural porque entorpece as pernas não sendo possível à grávida suportar o seu próprio peso, movimentar-se, entrar ou sair da piscina. Além disso, no caso de analgesia epidural, a mãe terá que estar ligada a monitores, é necessária a colocação de cateter para o soro e algalia o que seria incompatível com um parto na água. Porém, a todo o momento pode alterar a sua escolha e optar pela epidural.

Por fim, apesar das evidentes vantagens do parto na água e dos muitos estudos científicos que as comprovam, em Portugal, tanto quanto nos foi possível apurar, ainda não é possível realizar partos na água pelo Serviço Nacional de Saúde. No sector privado, é possível na Clínica de Santo António da Reboleira, em Lisboa, e na Ordem da Lapa, no Porto.

Deixamos aqui um vídeo de um parto muito emocionante dentro de água!



Veja também:

Artigos em Destaque