Como calcular o IMC de crianças e jovens?

O IMC de crianças e jovens constitui uma importante ferramenta para monitorizar o estado nutricional da criança. Aprenda a calcula-lo no nosso artigo.

Como calcular o IMC de crianças e jovens?
Além do cálculo do valor de IMC, é necessário enquadrar o valor nas curvas de percentis.

A monitorização da evolução estatuto-ponderal de uma criança / adolescente é um importante indicador do estado de saúde e bem-estar do mesmo.

Neste sentido, a análise e controlo do IMC de crianças e jovens é um processo essencial.

Com efeito, desvios muito acentuados do padrão de evolução estatuto-ponderal preconizados para a idade e sexo da criança podem ser a primeira manifestação de patologias como doença celíaca, doença inflamatória intestinal, obesidade infantil, entre outras.

O problema do excesso de peso e obesidade em específico, é já encarado como a pandemia do século XXI, sendo transversal a todos os grupos etários e atingindo já números alarmantes.

Neste sentido, importa começar por esclarecer como é calculado o IMC de crianças e jovens, visto que não é feito da mesma forma que nos adultos.

IMC de crianças e jovens: como calcular?


Como é do conhecimento geral, associado à infância, existe uma grande variabilidade de padrões e velocidades de crescimento, o que envolve, aquando da análise do IMC nestas faixas etárias, ter em consideração os percentis da distribuição do IMC em função da idade e do sexo.

Tome nota:
A ligação que existe entre uma mãe e um filho é a mais poderosa! Receba já todas as dicas para si e o seu bebé.

Neste contexto, o IMC de crianças e jovens obtém-se através de uma fórmula que relaciona a altura e o peso, sendo esse resultado depois analisado e enquadrado no respetivo percentil de IMC, de acordo com as curvas de crescimento determinadas pela Direção-Geral de Saúde, no Boletim de Saúde Infantil e Juvenil da criança.

Curvas de Crescimento para enquadramento do IMC de crianças e jovens

Consideradas pela Direção-Geral da Saúde instrumentos fundamentais para monitorizar o estado nutricional e o crescimento de crianças e jovens, as curvas de crescimento ou de percentis têm como função permitir a comparação dos parâmetros de avaliação do crescimento da criança com os respetivos valores de referência.

Existem, atualmente, 4 curvas de percentis: uma para o peso, outra para a estatura, uma para o perímetro cefálico e outra para o IMC.

Cada uma resulta da união de pontos que correspondem aos valores médios de medições rigorosas de milhares de crianças, em várias idades, no âmbito de estudos científicos.

Curvas de Crescimento Utilizadas em Portugal

A construção de curvas de crescimento é um processo moroso, que exige elevados recursos humanos e materiais. Por esta razão, muitos países optam pela utilização de curvas internacionais.

Em Portugal, tal como em mais cerca de 150 países, foram adotadas, em 2013, as curvas de crescimento publicadas pela Organização Mundial de Saúde em 2006.

Na base da elaboração destas curvas esteve um estudo em que foram acompanhados grupos de crianças com nacionalidades diferentes, fruto de gravidez sem problemas e sem doenças de base.

Outra característica importante destas crianças é o facto de terem sido amamentadas em exclusivo pelo menos até aos 6 meses e terem tido uma diversificação alimentar de acordo com as melhores práticas.

Devido a todas estas circunstâncias, considera-se a evolução estatuto-ponderal destas crianças reflete o crescimento ideal com o qual cada criança deve ser comparada ao longo do seu crescimento.

Como devem ser interpretadas as curvas – Percentis

interpretacao curvas de crescimento

O percentil é uma medida estatística que representa cada uma das 100 partes iguais de um conjunto estatístico ordenado.

Por outras palavras, se o seu filho está, por exemplo, no percentil 50 da altura, significa que, em 100 crianças saudáveis com a idade e sexo do seu filho, 50 serão mais altas e 49 serão mais baixas. O mesmo princípio é aplicado aos restantes percentis.

No entanto, mais importante do que a comparação de uma criança com a média estabelecida pela curva, é a proporção entre os valores e a sua evolução.

De facto, observar o valor isoladamente não é suficiente, importa analisar a sua evolução ao longo do tempo e analisar se a evolução está a ser equilibrada, ou seja, se o peso e o comprimento / altura estão a aumentar de forma gradual e proporcional durante todo o processo de crescimento da criança.

Assim, quando uma criança passa um percentil superior ou inferior de forma repentina, poderá ser um sinal de alerta para possíveis casos de desnutrição ou de obesidade infantil.

Desta forma, comparações com outras crianças, mesmo que sejam os irmãos, não serão relevantes, visto que o importante é a curva da própria criança.

No entanto, importa salientar que pode haver variações ao longo do tempo.

Por exemplo, uma criança que tenha uma puberdade mais precoce que o habitual pode começar por se situar no percentil 90 da curva de estatura e, depois, estabilizar, passando para um percentil médio.

Exemplo do Cálculo do IMC de crianças de jovens


calculo imc criancas e jovens

1. Cálculo do IMC

O valor do IMC obtém-se dividindo o peso pelo quadrado da altura.

A título de exemplo, considere-se uma criança com um peso de 30 Kg e uma altura de 1,30m:

IMC= 30 / (1,302) = 17,75 Kg/m2

2. Enquadramento nas curvas de percentis de IMC

Após o cálculo, deve fazer corresponder o valor do IMC (eixo dos Y) à idade da criança (eixo dos X), usando um dos gráficos / curvas abaixo, conforme se trate de rapariga (em rosa) ou rapaz (em azul).

> Consulte as curvas de percentis de IMC aqui.

Se continuarmos com o nosso exemplo, assumindo que a criança em causa é uma rapariga de 10 anos, então basta utilizar o gráfico rosa e fazer corresponder a idade ao valor de IMC (17,75 kg/m2), verificando-se que esta criança se encontra ligeiramente acima da curva correspondente ao percentil 50, que é considerado o “normal” para a sua idade e sexo.

Considera-se:

  • Magreza: IMC para a idade e sexo inferior ao percentil 3;
  • Peso normal: IMC para a idade e sexo situado entre o percentil 3 e o percentil 85;
  • Excesso de peso: IMC para a idade e sexo situado entre o percentil 85 e o percentil 97;
  • Obesidade: IMC para a idade e sexo superior ao percentil 97.

Só assim é possível perceber se o peso está acima, abaixo ou dentro dos valores normais, ajudando a identificar a desnutrição ou obesidade infantil.

Receba aqui as melhores novidades para si e para o seu bebé

Veja também: