Dificuldade de cicatrização de feridas aumenta com a idade

A dificuldade de cicatrização de feridas em pessoas idosas é uma situação que merece especial atenção, pois diversas complicações decorrem deste problema.

Dificuldade de cicatrização de feridas aumenta com a idade
Não deve ignorar uma ferida, sobretudo na terceira idade.

A dificuldade de cicatrização de feridas com o passar dos anos é um problema que se encontra claramente documentado. Embora os idosos possam curar a maioria das feridas, eles têm um processo de cicatrização mais lento e todas as fases de cicatrização encontram-se afetadas.

Dificuldade de cicatrização nos idosos: porquê?


O envelhecimento traduz-se notoriamente em determinadas mudanças no organismo. A pele também sente este processo, sobretudo através da perda de colagénio. Consequentemente, a pele vai perdendo a sua elasticidade; as glândulas sebáceas também diminuem a produção de sebo, substância rica em lípidos e responsável por lubrificar e impermeabilizar a pele; e as glândulas sudoríparas sofrem uma queda. Todos estes fatores irão fragilizar os vasos sanguíneos, o que irá prejudicar a resposta imunitária e favorecer a ocorrência de infeções.

Portanto, o aparecimento de feridas e lesões na pele das pessoas mais velhas é bastante comum. Angiomas ou manchas vermelhas, quistos sebáceos, erupções cutâneas, eczemas, manchas, bolhas, urticária, comichão, nódulos, são alguns exemplos de manifestações a que os idosos se encontram suscetíveis. Tendo em conta a dificuldade de cicatrização de feridas torna-se fundamental vigiar de perto a pele dos idosos.

Cuidados para prevenir lesões em idosos

Uma vez que a pele se encontra fragilizada é importante prevenir estas lesões adotando alguns cuidados básicos. Estes incluem, por exemplo:

Plano de Saúde Grátis
Cuide da sua saúde. Obtenha consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médicas gratuitas.Peça aqui o seu plano grátis.

  • Manter a pele sempre hidratada;
  • Evitar vários banhos durante o dia, sobretudo com água quente pois isso irá favorecer ainda mais a desidratação da pele;
  • Tomar banho de água morna e utilizar um sabonete neutro;
  • Usar diariamente o protetor solar;
  • Evitar posições que coloquem demasiada pressão nas saliências ósseas do corpo, de forma a evitar o aparecimento de úlceras de pressão;
  • Evitar objetos espalhados pela casa que possam causar traumas na pele.

A dificuldade de cicatrização de feridas é um problema sério, pois quando não é devidamente gerido a ferida pode infecionar acarretando graves problemas para a saúde. Até há bem pouco tempo os investigadores não sabiam o que na realidade provoca este atraso na cicatrização, mas um estudo recente levado a cabo na universidade de Rockefeller, em Nova York, veio revelar novos aspetos.

Sobre a cicatrização


dificuldade de cicatrizacao de feridas

A pele é um órgão essencial para o bom funcionamento do organismo, pois constitui a primeira barreira protetora. Assim é essencial que a reparação das feridas ocorra o mais rápido possível.

A cicatrização é um processo complexo que compreende várias fases. Após a fase inflamatória inicial segue-se uma fase de proliferação das células com o objetivo de formar uma “crosta”. Posteriormente ocorre a fase de remodelamento da pele. Os queratinócitos (células encontradas na epiderme) foram particularmente importantes neste estudo. Normalmente, estas células entram no local da ferida para preencher o espaço sob a crosta.

Este estudo consistiu essencialmente na comparação do processo de cicatrização entre ratos domésticos de 2 meses de idade e 24 meses de idade (o que nos seres humanos equivale aproximadamente a 20 e 70 anos). Descobriu-se que a chegada de queratinócitos era mais lenta nos ratos mais velhos, o que comprometia o fechar da ferida.

Possibilidades de novos tratamentos


investigadores a procura de tratamento

Consecutivamente os investigadores focaram também a sua atenção numa proteína que é libertada por células do sistema imunitário após uma lesão. Resolveram testar o efeito da aplicação desta proteína na pele dos ratos de ambas as idades. Foi então possível observar que existiu um deslocamento considerável de queratinócitos para o local da ferida, em especial nos ratos mais velhos.

Os investigadores esperam que estas novas descobertas possam ser aplicadas no desenvolvimento de novos tratamentos que possam prevenir a dificuldade de cicatrização de feridas.

Cuide da sua saúde. Consiga aqui consultas de clínica geral, medicina dentária e especialidade médica gratuitas!

Veja também:

Ler mais
Ana Vicente Ana Vicente

Ana Vicente é fisioterapeuta, instrutora de pilates clínico e pós graduada em terapia assistida por animais no papel. Na realidade é apaixonada por pessoas, animais, palavras e pelas maravilhas da natureza. Motivada a deixar uma marca positiva no seu mundo e no dos outros, compromete-se a contribuir para o conhecimento e bem-estar das pessoas.