Asma: principais causas e tratamentos

Asma: principais causas e tratamentos

Saiba como prevenir e cuidar dos sintomas.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, no mundo, cerca 235 milhões de pessoas, sofrem de asma. 

A asma é uma condição crónica que afeta as vias respiratórias, inflamando-as e estreitando-as. Quando inflamadas, as vias respiratórias ficam muito sensíveis e reagem rapidamente a estímulos como o pó. Quando isto acontece, como defesa, as vias respiratórias incham e estreitam ainda mais, produzem  mais muco e os músculos contraem, tornando difícil a circulação do ar para os pulmões.
 

Proteja a sua saúde!
Receba conteúdos exclusivos e habilite-se a um check-up completo. Registe-se já!

O que causa asma?


A causa da asma não é conhecida, mas pensa-se que seja devido a uma combinação de fatores genéticos e ambientais. As pessoas com asma podem ter fatores genéticos de risco que os tornam mais suscetíveis à doença. Podem também ser sensíveis a alguns fatores ambientais, como exposição a alérgenos ou pode estar relacionado com infeções virais na infância. Porém, a asma resulta de uma reação a estímulos que podem ser: 
  • fumo do tabaco
  • ácaros do pó
  • poluição do ar
  • pólen
  • mofo
  • infeções respiratórias
  • atividade física
  • ar frio 
  • reações alérgicas a certos alimentos.
 

Quais são os sintomas da asma?


A reação das vias respiratórias aos estímulos resulta numa crise de asma. Os sintomas de um ataque de asma incluem: tosse, aperto no peito, pieira e dificuldade em respirar. Em alguns casos,  apenas tem leves sintomas ou só rege quando fazem exercício físico. Outras pessoas são mais atacadas, têm sintomas frequentes e podem precisar de tratamento com medicação.
 

O diagnóstico da asma


A asma revela-se de maneiras diferentes em pessoas diferentes. Por vezes descobrem que têm asma, porque têm uma tosse persistente ou uma pieira e falta de ar que não vai embora, levando-os ao médico.

Por vezes, os sintomas são ignorados porque são confundidos com constipações frequentes ou outras infeções respiratórias. Um paciente que fica muitas vezes doente, com constipações constantes, deve despistar a possibilidade de ter asma. Pessoas que sofram de obesidade, refluxo gástrico ou alergias podem ser erradamente diagnosticadas com asma por apresentarem sintomas semelhantes.

Para diagnosticar a asma, os médicos realizam um teste de função pulmonar chamada espirometria, para ver se há um problema com a forma como os pulmões funcionam. Este teste mede a quantidade de ar que são capazes de expelir e com que rapidez o fazem isso.
 

O tratamento da asma


Não há cura para a asma. As pessoas que sofrem de sintomas de asma devem falar com o seu médico para encontrar a melhor forma de gerir os sintomas, prevenindo os estímulos que desencadeiam as crises e através de medicamentos para tratar os sintomas.

Existem dois tipos de medicamentos para tratar a asma: imediato e a longo prazo. Os medicamentos de alívio rápido proporcionam alívio de sintomas agudos de asma. Esta medicação ajuda a relaxar os músculos, permitindo que o ar circule. As pessoas que têm asma devem ter sempre consigo um inalador com a medicação.

A medicação a longo prazo é normalmente tomada diariamente para ajudar a prevenir os sintomas de asma, reduzindo a inflamação das vias, tornando-as menos sensíveis. Se parar a medicação, os problemas voltam. É importante visitar o médico com regularidade para perceber se a medicação está bem ou precisa de ser ajustada.



Veja também: