Publicidade:

Viajar de avião durante a gravidez: precauções a ter

Está a ponderar viajar de avião durante a gravidez? Saiba quais as precauções que deve ter antes, durante e após a viagem de avião.

 
Viajar de avião durante a gravidez: precauções a ter
Sabe até quantas semanas se pode viajar sem riscos?

Uma das preocupações mais comuns das mulheres grávidas é fazer algo que possa prejudicar a saúde do bebé e uma delas diz respeito a viajar de avião durante a gravidez. São várias as dúvidas que existem como, até quantas semanas se pode viajar sem riscos? É melhor viajar de avião ou de carro? O que fazer em voos longos?

Se a gravidez está a decorrer dentro da normalidade, não é contraindicado viajar de avião, apesar de existirem sempre alguns cuidados e requisitos que é necessário cumprir, de forma a não colocar em risco a sua saúde e a do bebé.

Não existe uma altura mais ou menos adequada para viajar de avião, no entanto, e por uma questão de conforto para a grávida, o período ideal está entre as 12 e as 30 semanas. Neste período, os enjoos e a sonolência ainda não são frequentes e a barriga ainda não atingiu o seu volume máximo, permitindo à grávida ter mobilidade e liberdade de movimentos.

Viajar de avião durante a gravidez: até quando o pode fazer?


viajar de avião durante a gravidez

A orientação dos médicos é que só se deve viajar de avião entre o terceiro e o sétimo mês, preferencialmente até à 32ª semana. Antes disso o feto ainda está em formação e, após esse período, há risco de parto prematuro.

Mulheres com gestações múltiplas devem ter cuidado redobrado, sendo que, para estas, recomenda-se não viajar a partir da 28ª semana. Em ambos os casos, as grávidas devem fazer-se acompanhar por declaração médica, atestando o tempo de gestação e também que a sua gravidez não tem complicações. Este documento deve também atestar que a gravidez não a impede de viajar de avião.

Cuidados a ter antes, durante e após a viagem de avião


viajar de avião durante a gravidez

A grávida deve colocar todas as dúvidas que tem ao seu médico e ficar a par de todas as precauções que devem ser tomadas antes, durante e no regresso, de acordo com o destino que elegeu.

Antes da viagem de avião

Antes da viagem propriamente dita, estes são alguns dos cuidados que não deve descurar:

  • O médico pode recomendar que a grávida recorra a uma consulta do viajante, em que serão discutidas todas as medidas a tomar. Existem vacinas, como a da febre-amarela, que são desaconselhadas durante a gravidez;
  • A grávida deve também aconselhar-se junto do médico em relação ao que deve fazer se tiver dores ou hemorragias e pedir orientações sobre os medicamentos indispensáveis para levar na viagem;
  • Deve confirmar junto da companhia aérea que escolheu qual a política da mesma sobre o transporte de grávidas, para confirmar que poderá viajar sem qualquer problema com essa mesma companhia.

Durante a viagem de avião

No decorrer da viagem de avião, não se esqueça de:

  • Informar a tripulação e tentar que seja atribuído um lugar junto às saídas de emergência;
  • Usar o cinto de segurança (que é obrigatório) e colocá-lo por baixo do abdómen na região pélvica de forma a não comprimir o útero;
  • Ter alguns cuidados com a alimentação. Por exemplo, é desaconselhada a ingestão, prévia ou durante o voo, de bebidas gaseificadas e leguminosas que agravam a distensão dos gases a nível dos intestinos, que pode causar incómodo durante o voo;
  • Beber água durante a viagem. Isto porque o ambiente de cabine é mais seco do que em terra, pelo que a grávida deve ingerir água frequentemente durante a viagem;
  • Fazer exercícios ao longo do voo. Para reduzir o risco de trombose venosa, em particular em viagens com duração superior a 3 horas, a grávida deve fazer exercícios no lugar mobilizando os membros inferiores e se possível, utilizar meias de compressão a bordo do avião devido ao elevado risco de trombose;
  • Usar roupa confortável.

Depois da viagem de avião

Na chegada ao destino, deve também ter alguns cuidados, nomeadamente:

  • Se o voo passar por mais de 3 fusos horários, deve tentar adaptar o organismo ao ritmo local, fazendo as refeições à hora do destino, expondo-se à luz solar e fazendo exercício moderado como pequenas caminhadas. Assim, o relógio interno poderá sintonizar-se mais rapidamente;
  • O mais importante é que a viagem siga sempre seu ritmo e não represente risco quer à mãe quer ao bebé.

Veja também:

Fontes

Transportes Aéreos Portugueses (TAP). Disponível em: https://www.flytap.com/pt-pt/necessidades-especiais/gravidas
CUF. (2013). Disponível em: https://www.saudecuf.pt/mais-saude/artigo/gravida-em-viagem-10-conselhos-essenciais

Enfermeira Filipa Pinto Enfermeira Filipa Pinto

Licenciada na Escola de Enfermagem do IPB (Instituto Politécnico de Bragança), tem formação em feridas na APTF (Associação Portuguesa de Feridas); Curso de Hemodiálise, certificado pela SIGO (Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa), na Foramplus; Pós Graduação em Cuidados Paliativos no Instituto Português de Psicologia. Atualmente trabalha na Santa Casa Misericórdia de Vizela, como responsável pela área de Enfermagem no Lar Torres Soares e é formadora convidada na Universidade Senior de Vizela.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].