Publicidade:

Transporte de doentes: quanto custa uma ida ao hospital?

É em Lisboa, Porto e Setúbal que o transporte de doentes assume preços mais elevados. Se não estiver abrangido pela comparticipação do SNS, descubra quanto vai pagar.

Transporte de doentes: quanto custa uma ida ao hospital?
Se não for comparticipada, a requisição de ambulância pode ser dispendiosa

O transporte de doentes é considerada uma atividade da prestação de cuidados de saúde, cuja disciplina e fiscalização cabe ao Ministério da Saúde.

Como tal, importa garantir a existência de padrões de qualidade e assegurar que sejam cumpridas as regras e procedimentos em todas as regiões administrativas de saúde. Só assim se garante a igualdade de todos os cidadãos no acesso aos cuidados de saúde e a equidade na distribuição de recursos, logo, também, a sustentabilidade financeira do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O transporte de doentes urgentes (em situação clínica com potencial de falência de funções vitais) ou emergentes (em situação clínica com risco instalado, ou iminente, de falência de funções vitais) é da responsabilidade do INEM.

Contudo, no caso do transporte de doentes não urgentes, a despesa fica do lado do paciente, podendo ter ou não comparticipação por parte do SNS.

Se precisar de se deslocar ao hospital para fazer algum exame ou diariamente para a clínica de fisioterapia, saiba quanto isso lhe poderá custar.

Requisitos do transporte de doentes


No que aos veículos diz respeito:

  • Devem respeitar as tipologias, as características gerais, técnicas e sanitárias, e possuir os equipamentos necessários;
  • Devem possuir o certificado de vistoria, a conceder pelo INEM, na sequência de processo de concessão;
  • Devem possuir a licença de transporte de doentes, emitida pelo Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT, I.P.), na sequência da concessão do certificado de vistoria.

No que à tripulação diz respeito:

  • A tripulação do veículo dedicado ao transporte de doentes é constituída por um elemento, simultaneamente condutor, com formação mínima em Suporte Básico de Vida;
  • A tripulação das ambulâncias do tipo A (transporte de doentes não urgentes) é constituída por dois elementos, habilitados com o curso de Tripulante de Ambulância de Transporte ou equivalente, homologado pelo INEM, sendo um simultaneamente o condutor;
  • A tripulação das ambulâncias do tipo B (transporte de doentes urgentes e emergentes) é constituída por dois elementos, sendo um simultaneamente o condutor com a formação mínima de tripulante de ambulância de transporte ou equivalente, homologado pelo INEM, e outro com formação mínima de Tripulante de Ambulância de socorro ou equivalente, homologado pelo INEM;
  • A tripulação das ambulâncias do tipo C (destinadas ao transporte de doentes em maca, mas que necessitem de assistência durante o transporte, permitindo estabilizar o doente e efetuar o suporte básico de vida) é constituída por três elementos:
    • Um médico com formação específica em técnicas de Suporte Avançado de Vida;
    • Um enfermeiro com formação específica em técnicas de Suporte Imediato de Vida;
    • Um elemento com formação mínima de Tripulante de Ambulância de Transporte ou equivalente, homologado pelo INEM, sendo simultaneamente o condutor;

Preço do transporte de doentes


Caso necessite de um transporte para um doente não urgente, pode recorrer aos bombeiros, à Cruz Vermelha e a operadores privados autorizados a transportar doentes. Convém pedir orçamento para a viagem e comparar preços de várias entidades.

Dado que não existem critérios legais para o cálculo dos custos do transporte de doentes, cada entidade faz a cobrança ao quilómetro mediante os valores que quiser.

Por isso, antes de contratar o serviço:

  • Verifique quais as empresas, associações de bombeiros ou humanitárias mais próximas do local onde se inicia a viagem e peça-lhes um orçamento;
  • Se é sócio da associação de bombeiros ou da Cruz Vermelha da sua região, contacte-os – a maioria faz descontos que podem tornar o preço do transporte bem mais acessível;
  • Indique o local exato da partida e da chegada e, se possível, o tempo de espera previsto;
  • Peça um orçamento detalhado por escrito. Pergunte se cobram taxa de saída, qual o preço por quilómetro e por hora de espera. Se precisar de serviços extra, como a aplicação de oxigénio, ou quiser ser acompanhado, por exemplo, por um familiar, pergunte se têm custos adicionais;
  • Sempre que possível, reserve o serviço com alguns dias de antecedência, para ter a certeza de que terá vaga no dia e na hora pretendidos;
  • Peça fatura e inclua a despesa na declaração de IRS, no campo relativo às despesas de saúde com 5% de IVA;
  • Caso surja algum problema, pode apresentar queixa ao Instituto Nacional de Emergência Médica, a entidade fiscalizadora da atividade.

Preços mínimos e máximos do transporte de doentes por distrito


  • Aveiro: de 0,50€ a 0,78€ / km;
  • Beja: de 0,42€ a 0,60€ / km;
  • Braga: de 0,51€ a 0,92€ / km;
  • Bragança: de 0,51€ a 0,80€ / km;
  • Castelo Branco: de 0,45€ a 0,51€ / km;
  • Coimbra: 0,51€ / km;
  • Évora: de 0,51€ a 0,62€ / km;
  • Faro: de 0,51€ a 0,81€ / km;
  • Guarda: de 0,41€ a 0,55€ / km;
  • Leiria: de 0,50€ a 0,70€ / km;
  • Lisboa: de 0,40€ a 1€ / km;
  • Portalegre: de 0,48€ a 0,56€ / km;
  • Porto: de 0,48€ a 1€ / km;
  • Santarém: de 0,67€ a 0,80€ / km;
  • Setúbal: de 0,55€ a 1€ / km;
  • Viana do Castelo: de 0,45€ a 0,60€ / km;
  • Vila Real: de 0,51€ a 0,63€ / km;
  • Viseu: de 0,51€ a 0,70€ / km;

Estes são os preços para o público em geral. Contudo, os bombeiros e as associações humanitárias habitualmente fazem descontos aos seus associados.

Veja também:

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].