Terapia de casal: uma forma da sua relação funcionar

As crises passageiras são comuns nos relacionamentos amorosos mas podem degradar a relação e coloca-la algumas vezes em causa. Fazer terapia de casal pode ajudar!

Terapia de casal: uma forma da sua relação funcionar
O cliente não é nenhum dos elementos do casal, mas sim a relação em si.

Apaixonou-se e a relação iniciou da melhor maneira mas as exigências da convivência diária a dois, os erros acumulados e a falta de comunicação tomaram conta da relação? Não se preocupe, não é caso único! Todos cometemos erros e, manter relações amorosas duradouras, felizes e saudáveis nem sempre é tão simples quanto parece, mas o segredo está na nossa capacidade de aceitação dos erros, na capacidade de saber ouvir e de mudar. Em alguns casos a terapia de casal pode mesmo ser a solução ideal.

Compreender a terapia de casal


terapia de casal

As primeiras investigações no domínio das relações conjugais e da terapia de casal focavam essencialmente as diferenças individuais dos elementos do casal, sugerindo que a qualidade da relação amorosa era exclusivamente influenciada por essas características da personalidade.

Apimente a sua relação!
Dê o boost que precisa à sua relação com o estimulante sexual certo. Encontre aqui!

Posteriormente, os investigadores começaram a chegar à conclusão de que há características específicas e únicas que emergem durante a interação de um casal em particular, e que a análise dessas características é fundamental para a compreensão das relações conjugais. Com base nesta perspetiva, vários modelos de terapia de casal têm vindo a ser desenvolvidos com o objetivo capacitar os casais com competências que lhes permitam adotar comportamentos, padrões de comunicação e estratégias de resolução de problemas mais eficazes.

Na terapia de casal é analisada a interação e o contributo de diversos fatores para a dinâmica de casal, nomeadamente: características individuais; comportamentos problemáticos; capacidade de negociação e resolução de conflitos; sentimento de rejeição por parte do outro; desejo de uma maior proximidade e intimidade com o companheiro; não responsividade de um dos elementos do casal perante as necessidades de conforto e segurança do outro.

Como funciona a terapia de casal?


Reforçar os laços e a intimidade a dois é uma tarefa exigente, que muitas vezes envolve ultrapassar mágoas passadas, constrangimentos e inseguranças. A grande maioria dos casais reconhece que os problemas existem mas não são capazes de os ultrapassar sem ajuda especializada. É nestes casos que a terapia de casal ganha importância. No entanto, iniciar terapia de casal habitualmente é um passo difícil de tomar, já que implica admitir perante outras pessoas que a relação não é nem está perfeita.

A terapia de casal é dirigida por um profissional qualificado, que proporciona aos casais a oportunidade de resolver os seus problemas mais difíceis e emocionalmente mais desafiantes. A maioria das sessões ocorre com a presença de ambos os elementos do casal, mas também podem ser realizadas sessões individuais.

O terapeuta ajuda a identificar as questões de conflito dentro do relacionamento, bem como apoia na decisão das mudanças necessárias para que ambos os elementos do casal se sintam satisfeitos com o relacionamento. Sempre que possível é construída uma nova dinâmica conjugal que assegura a continuidade do casamento. Outras vezes, o casal descobre que a manutenção da relação não é o mais benéfico.

5 dicas úteis para a resolução de conflitos entre o casal


casal feliz

1 – Não atirar as culpas um ao outro! É fácil identificar traços negativos no parceiro e temos tendência a focar-nos nas características mais negativas do outro. Culpar o outro não resolve os problemas e nem sempre é só um dos elementos do casal que contribui para o problema da relação.

2 – Observar antes de reagir! Quando os conflitos são parte da rotina de um casal é natural que reajam de forma automática. É preciso aprender a afastar-se do conflito, parar para respirar e pensar, e não assumir automaticamente uma postura destrutiva.

3 – Aprender a identificar os padrões das discussões! Frequentemente as discussões têm na sua raiz sentimentos de mágoa ou abandono passados. Ao perceber os padrões que nos fazem sentir ansiosos ou zangados será mais fácil lidar com essas emoções de forma saudável sem desencadear uma crise na relação.

4 – Procurar a empatia! Todos trazemos bagagem de relações anteriores e a pessoa que está connosco não é diferente. Se conseguirem perceber e compreender de que forma se sentem, mais facilmente vão empatizar com as inseguranças um do outro.

5 – Comunicar, comunicar, comunicar! Respeitem a forma de pensar um do outro e conversem. Conheçam-se bem e aprendam a superar os obstáculos a dois.

A sua relação já não é o que era? Escolha aqui o estimulante sexual à sua medida e sinta a diferença!

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!