Publicidade:

Sinais vermelhos na pele: quando são motivo de preocupação?

Os sinais vermelhos na pele não devem suscitar preocupação na pessoa portadora, uma vez que na maioria dos casos verifica-se que são tumores benignos.

 
Sinais vermelhos na pele: quando são motivo de preocupação?
Saiba reconhecer se são um perigo para a sua saúde.

Os sinais vermelhos na pele ou também conhecidos por “nevus rubi”, não são automaticamente sinónimo de preocupação, ou seja, a maioria são considerados benignos e não uma forma de cancro da pele, permanecendo com o seu tamanho estável.

Esta condição é conhecida como hemangioma capilar adquirida, isto é, se o seu pai ou mãe têm muitos sinais vermelhos, é provável que você também os venha a ter no futuro, no entanto, este tipo de sinais são uma resposta do corpo a fatores internos (genética, hormonas, etc.) ou externos (como por exemplo, exposição solar incorreta, má alimentação etc.).

Apesar de geralmente não serem cancerígenos, não se deve facilitar no que toca à exposição solar, devendo ser aplicado protetor solar com fator de proteção solar (FSP) superior a 30 a cada 3 horas e, evitar a exposição nas horas mais quentes do dia, não esquecendo que deve vigiá-los ou submetê-los a exames médicos periódicos.

Sinais vermelhos na pele: grupos de risco


sinais vermelhos na pele medica a observar

 Este tipo de sinal surge frequentemente com o avançar da idade, sendo mais frequente em pessoas adultas (a partir dos 45 anos) e idosas, devido ao processo natural do envelhecimento, mas também podem ocorrer mais precocemente (na infância ou adolescência) devido a fatores hereditários.

As pessoas de pele com tonalidade clara e as gestantes ou mulheres na menopausa (devido às alterações hormonais), são também grupos de risco, no entanto, podem surgir noutras etnias.

Sinais vermelhos na pele: localização mais frequente


sinais vermelhos na pele hemangiomas

Os sinais vermelhos na pele surgem de um dia para o outro, no entanto, não desaparecem com facilidade. Os locais mais frequentes do seu aparecimento são, geralmente, no rosto, pescoço, peito e braços.

Estes sinais consistem em acumulações de células melanócitas, dilatações capilares de pequenas dimensões (geralmente situam-se entre 1 a 4 milímetros), similares às varizes, provocadas por falhas no sistema vascular.

Esses sinais podem estar distribuídos em torno do corpo ou concentrados apenas numa área específica.

Sinais vermelhos na pele: tratamento


sinais vermelhos na pele medico a sinalizar sinal

Este tipo de sinal não regride, ou seja, só pode ser retirado com algum tipo de tratamento, e apresenta uma evolução lenta.

 O tratamento é feito normalmente para fim estético ou preventivo, uma vez que não são prejudiciais ao bem-estar físico, podendo ser feito cirurgicamente (geralmente com laser ou com um bisturi elétrico), crioterapia (colocação de um spray de nitrogénio líquido sobre o sinal) ou escleroterapia (introdução de uma substância no vaso sanguíneo para eliminá-lo).

Não se deve desvalorizar a importância do tratamento deste tipo de sinal na pessoa portadora, pois como apresentam uma cor chamativa, podem contribuir para uma baixa auto-estima.

Sinais vermelhos na pele: como prevenir?


sinais vermelhos na pele protetor solar

Como forma de prevenção do aparecimento deste tipo de sinais:

  • Evite exposição solar nos picos de calor e utilize sempre protetor solar adequado ao seu tipo de pele, evitando o envelhecimento precoce da pele;
  • Ingira elevadas quantidades de água, no mínimo 2 litros por dia, de forma a ajudar na eliminação das toxinas do seu corpo;
  • Faça uma alimentação saudável e equilibrada, ingerindo alimentos antioxidantes (por exemplo, os frutos vermelhos);
  • Evite ingerir álcool, drogas e tabaco, de forma a evitar disfunção do fígado.

 

Sinais vermelhos na pele: dicas importantes


sinais vemelhos na pele analisar sinal

Para além da prevenção, é importante que siga estas dicas que se tornam bastante importantes no antes e durante o aparecimento deste tipo de sinais:

  • Se os sinais lhe causarem prurido (comichão) ou hemorragia, deverá recorrer a um médico de imediato, preferencialmente um Dermatologista;
  • Faça exames regulares para ir vigiando a sua evolução;
  • Se visualizar alguma alteração no sinal, como por exemplo, assimetria (lesões assimétricas são mais preocupantes que as regulares), bordas irregulares, se o nervo tiver duas ou mais cores ou apresentar uma dimensão da lesão superior a 6 mm, entram na classificação de lesão a ser monitorada por um dermatologista;
  • Nunca deve tentar eliminá-los em casa ou de forma caseira usando remédios naturais, pois o resultado pode ser bastante prejudicial para si.

Veja também:

Enfª Bárbara Andrade Enfª Bárbara Andrade

Bárbara Andrade é Enfermeira Especialista em Reabilitação e Formadora em várias entidades. Desta forma, tem como princípios a promoção e a educação para a Saúde nas diferentes faixas etárias. Terminou a Especialidade em Enfermagem de Reabilitação na ESEnfCVPOA e exerce atualmente o cargo de enfermeira no CHEDV - HSS.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].