Tudo o que precisa saber sobre sexo na gravidez

Logo após descobrir que está grávida, um dos temas mais stressantes é o sexo na gravidez, no entanto pode relaxar, vamos descrever todos os cuidados a ter.

Tudo o que precisa saber sobre sexo na gravidez
Tudo o que precisa saber.

Na grande maioria dos casos não existem limitações na prática de sexo na gravidez, sendo um ato seguro e recomendado, no entanto antes de iniciar a relação sexual, aconselhe-se sempre com o seu médico, de forma a excluir qualquer contra-indicação.

Em determinadas fases da gravidez, pode não se sentir tão disponível para a atividade sexual como seria habitual, quer por sentir limitações físicas devido ao aumento de peso corporal, quer por questões psicológicas (por exemplo, ansiedade).

Alguns casais têm receio de ter sexo na gravidez, especialmente no primeiro trimestre, porque esta é considerada uma fase de risco e têm medo de perder o bebé. No entanto, o seu bebé está bem protegido pelo rolhão mucoso que fecha o colo do útero, pelo saco amniótico e pelos fortes músculos do útero.

Salvo indicações do seu médico, as relações sexuais não estão proibidas porque em nenhuma fase são prejudiciais ao bebé.

Sexo na gravidez: situações em que está contra-indicado


sexo na gravidez de gemeos

No caso de existir alguma das seguintes situações, é necessário a aprovação prévia do seu médico especialista, antes de praticar sexo na gravidez:

  • Placenta prévia;
  • Dores abdominais ou cólicas;
  • Hemorragia vaginal;
  • Descolamento da placenta;
  • História de abortos espontâneos;
  • Ameaça de parto pré-termo (contrações);
  • Doenças sexualmente transmissíveis (implica a utilização obrigatória de preservativo);
  • Perda de líquido amniótico;
  • Gravidez múltipla;
  • Partos anteriores prematuros;
  • Após rutura das membranas (bolsa de água), por aumentar o risco de infeção.

Não se prive de namorar sem primeiro falar com o seu médico!

Sexo na gravidez: As melhores posições sexuais


sexo na gravidez casal feliz

Ao contrário do que pode pensar, a gravidez é a altura perfeita para dar largas à imaginação e aproveitar para sair da caixa e fazer algumas experiências.

No primeiro trimestre a maioria das grávidas é acometida por um aumento da sonolência e cansaço, e toda a ansiedade associada à novidade deste estado de graça pode levar a um decréscimo da líbido da mulher.

A partir do segundo trimestre, a energia volta e a maioria dos desconfortos (náuseas e vómitos) desaparecem e a grávida passa a estar num verdadeiro estado de graça e a sua libido pode aumentar muito.

Evite fazer posições sexuais que impliquem uma grande capacidade de equilíbrio (não se esqueça que com o surgimento da “barriguinha de grávida” o seu centro de gravidade altera-se e o risco de quedas aumenta), tenha cuidado com as acrobacias!

Provavelmente o casal terá de experimentar um pouco para encontrar as posições que melhor se adaptam aos dois, mas muitos casais acabam encarando a gravidez como uma oportunidade de aumentar a criatividade sexual e testar novas posições.

Opte por posições sexuais confortáveis e que lhe provoquem prazer, pelo que se aconselha as seguintes posições durante o sexo na gravidez:

  • Posição de missionário: exceto no terceiro trimestre, que devido ao aumento do volume abdominal, pode-se tornar difícil e desagradável e devido a estar muito tempo de barriga para cima poderá sentir tonturas;
  • Conchinha ou de lado: é uma ótima posição para quando a barriga começa a ser um pequeno entrave. Apoie barriga e joelhos com travesseiros se precisar de mais estabilidade;
  • Mulher por cima: Ideal para quando a barriga está grande, porque não requer enorme flexibilidade com as pernas. Pode ser feita em qualquer período da gestação;
  • De quatro: Ótima posição para aliviar a pressão em cima da barriga e da pélvis. Ideal para grávidas que sofrem com dor pélvica ou lombar;
  • Se a penetração se tornar desconfortável para si ou para o seu parceiro, pode optar por sexo oral ou pela masturbação mútua, tornando a relação mais cómoda;
  • O recurso a um vibrador também não está proibido.

Evite estar muito tempo deitada de costas, prefira posições mais confortáveis, mas que não exerçam pressão nas costas ou no abdómen.

O sexo anal não é muito aconselhado nesta fase porque pode causar algum desconforto e pode ser responsável por infeções por transmissão do ânus para a vagina.

Avise o seu parceiro se alguma coisa incomodar, mesmo que seja algo que vocês sempre faziam juntos. Às vezes é preciso ajustar suas atividades eróticas e tentar outras formas de estimulação que sejam prazerosas para os dois.

Sexo na gravidez: o orgasmo pode induzir o parto?


sexo na gravidez mulher gravida

Algumas grávidas temem que as contrações produzidas pelo orgasmo podem induzir um parto pré-termo, no entanto estas contrações não têm a intensidade o ritmo necessário para que isso aconteça. Mesmo as contrações mais intensas, resultado do orgasmo, no máximo, terminam ao fim de 15 minutos.

Se não houver contra-indicação para tal e se o sexo na gravidez for da vontade de ambos os elementos do casal, então o sexo durante a gestação é bastante positivo, porque para além de contribuir para um relacionamento saudável entre o casal, irá também fazer a mulher sentir-se bonita, desejada e valorizada.

Não se assuste se apresentar uma maior sensibilidade na região genital durante o sexo, pois o aumento do fluxo sanguíneo na região da pélvis pode fazer os órgãos genitais ficarem mais irrigados, o que pode intensificar a sensibilidade e até o orgasmo.

Mas, então, porque é que os médicos recomendam relações sexuais nos últimos dias de gravidez para estimular o parto? A explicação é simples: o seu corpo está preparado para isto e, só na reta final, é que o útero reage às substâncias do esperma.

Veja também:

Enfª Bárbara Andrade Enfª Bárbara Andrade

Bárbara Andrade é Enfermeira Especialista em Reabilitação e Formadora em várias entidades. Desta forma, tem como princípios a promoção e a educação para a Saúde nas diferentes faixas etárias. Terminou a Especialidade em Enfermagem de Reabilitação na ESEnfCVPOA e exerce atualmente o cargo de enfermeira no CHEDV - HSS.