Publicidade:

Saiba o que pode fazer quando o seu cão está triste

O seu cão está triste? Tal como as pessoas os cães também ficam tristes e cabe aos seus tutores procurarem maneiras de os fazerem sentir mais felizes.

Saiba o que pode fazer quando o seu cão está triste
Os cães também podem ficar tristes

Se o seu cão está triste a primeira coisa a fazer é tentar perceber a causa dessa situação. Deve ter em consideração se alguma coisa mudou na rotina ou vida do animal, por vezes até o maior pormenor pode fazer a diferença.

Por que é que o seu cão está triste?


o seu cao esta triste cao sozinho em casa

Os cães podem ficar tristes por várias razões, e para tentar descobrir o que se passa com o seu cão deve falar com todos os membros da família de forma a tentar recolher informação acerca do que se passou ou se ocorreu algum episódio em que o cão se demonstrou com medo ou ansioso.

Algumas das razões para o cão ficar triste podem ser:

  • Ficar muito tempo sozinho em casa;
  • Tédio, ou seja, passar muito tempo sem entretenimento;
  • Falta de atenção ou menor atenção por parte dos tutores;
  • Algum membro da família sair de casa, definitivamente ou de férias;
  • Algum companheiro felino ou canino ter saído de casa;
  • Falta de liberdade, ou seja, se dantes costumava ficar solto ou com acesso a toda a casa e ultimamente tem ficado preso;
  • Diminuição do número de passeios ou do tempo de duração dos passeios;
  • Pode estar doente, o que muitas vezes aparenta ao tutor que o cão está triste, uma vez que está mais isolado e não quer fazer tantas atividades.

A tristeza no cão também pode estar relacionada com outros sentimentos como por exemplo stress, ansiedade ou medo. Isto pode também ter várias causas.

Se o seu cão está triste, deve consultar o seu medico veterinário e explicar-lhe os sinais que o animal apresenta, pois só um profissional habilitado poderá aconselhá-lo acerca do que fazer e se será melhor o cão ser ou não avaliado, pois existe sempre a possibilidade de o cão estar doente.

Sinais de que o seu cão está triste


o seu cao esta triste cao deitado com manta

Se o seu cão está triste vai manifestar alguns sinais que o tutor deve saber interpretar, como por exemplo:

  • Isolamento;
  • Alterações comportamentais, como agressividade;
  • Auto-mutilação podendo morder-se e lamber em excesso;
  • Perda ou diminuição de apetite;
  • Deixar de querer brincar;
  • Estar menos interativo com os tutores.
  • Todos estes sinais podem significar que o seu cão está triste, no entanto podem também ser sinais de doenças.

 

O que fazer se o seu cão está triste?


o seu cao esta triste dona a brincar com cao em casa

Se depois de interpretar todos os sinais acha que o seu cão está triste, a primeira coisa a fazer é consultar o seu médico veterinário. Depois de uma avaliação física e descartar causas patológicas, em conjunto com o seu médico veterinário pode tentar perceber a causa da tristeza do cão.

Se for possível perceber a causa da tristeza o ideal é tentar alterar esse comportamento ou situação que está a causar tristeza ao cão, e se for necessário reintroduzi-la gradualmente com acompanhamento médico veterinário e treino. Caso seja possível reverter a situação.

Caso não seja possível reverter a situação, como por exemplo um dos tutores falecer ou mudar-se definitivamente para o estrangeiro, o ideal é procurar ajuda médico-veterinária, pois em determinados casos pode ser necessário recorrer ao uso de medicamentos como ansiolíticos, sempre sob prescrição médico-veterinária.

Para tornar a vida do seu cão mais feliz, deve também ter em consideração outros fatores como a sua alimentação e a atividades que pode realizar com ele.

1. Alimentação

A alimentação é importante pois défices nutricionais podem levar o animal a ficar mais depressivo e com alterações mentais. Informe-se com o seu médico veterinário acerca da alimentação do seu cão e saiba qual o alimento mais adequado para ele individualmente.

Opte por alimentos específicos para cães e de preferência de gama premium. Se o seu cão estiver tão triste que deixou de comer pode incentivá-lo a comer misturando alimento húmido, que por norma é mais apetecível para os cães.

2. Brincadeiras

Os cães adoram brincar, e se de repetente deixar de ter tempo para o fazer o cão pode ficar triste. Se o seu cão está triste tente dar-lhe mais atenção brincando com ele. As brincadeiras podem ser em casa ou no exterior, utilizando brinquedos.

3. Enriquecimento ambiental

Falta de enriquecimento ambiental provoca tédio o que pode levar a que o seu cão fique triste. Se o seu cão está triste torne o ambiente em que se encontra mais interessante, especialmente se passa muito tempo sozinho.

Pode optar por esconder comida pela casa, fazendo com que o cão tenha que farejar até encontrar e comer, ou brinquedos interativos que o fazem ficar entretidos durante muito tempo.

4. Passeios

Os passeios são muito importantes para os cães, não só porque necessitam dos passeios para fazer as suas necessidades, e a privação dos mesmos pode gerar ansiedade e angústia, mas também porque os cães precisam de fazer exercício físico.

5. Companhia

Se o seu cão estiver triste pode experimentar oferecer-lhe companhia, se não houver possibilidade de companhia humana, pode pensar num companheiro de quatro patas.

No entanto, em determinadas situações de stress, ansiedade e medo introduzir um novo animal pode gerar ainda mais tristeza no cão. Assim, antes de optar por esta possibilidade informe-se com o seu médico veterinário.

6. Feromonas

As feromonas são substâncias químicas utilizadas pelos indivíduos para comunicarem entre a mesma espécie, transmitindo várias mensagens.

Existem agora feromonas sintéticas químicas que mimetizam o efeito das naturais, sendo capazes de transmitir uma mensagem de calma e alegria ao cão.

Veja também:

Fonte

1. Croney, Candace. et al. (2016). Implementing Environmental Enrichment for Dogs. Disponível em:
https://extension.purdue.edu/extmedia/VA/VA-13-W.pdf

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].