Publicidade:

Scottish Terrier: tudo o que precisa de saber sobre esta raça

Com o corpo rente ao chão, o Scottish Terrier, ou Scottie, como é carinhosamente tratado, é uma das raças mais reconhecidas do mundo, tendo sido o preferido de ex-presidentes norte-americanos. Destemido e determinado a ponto de ser teimoso, ou não fosse um Terrier, este cão demonstra, no entanto, uma grande lealdade em casa

 
Scottish Terrier: tudo o que precisa de saber sobre esta raça
Um cão de temperamento forte.

Conhecido em tempos como Die Hard (duro de roer), o Scottish Terrier é um cão que gosta de fazer as coisas à sua maneira, tendendo a ser indiferente e pouco sociável com outros cães e pessoas. Em família, é carinhoso e fiel, mostrando todas as qualidades de um bom cão de companhia.

Muito em função das atividades que desempenhava antigamente, tem uma habilidade nata para escavar e perseguir pequenos animais, principalmente os que outrora seriam as suas presas. Se tiver roedores como hamsters, mantenha-os longe ou apresente-os desde tenra idade.

Características gerais do Scottish Terrier


Grupo: Grupo 3 – Terriers

Finalidade: cão de caça e de companhia

Ambiente ideal: apartamento ou casa com pequeno jardim

País de Origem: Reino Unido (Escócia)

Porte: pequeno

Altura: de 25cm a 28cm

Peso ideal: de 8,5kg a 10,5kg

Cor: preto; trigo; cinza escuro ou qualquer tom de castanho

Esperança Média de Vida: entre 12 a 15 anos

Preço médio: de 450€ a 900€

 

Características específicas do Scottish Terrier


O Scottish Terrier é um bom cão de apartamento, apesar de necessitar de exercícios físicos e mentais diários para extravasar toda a sua energia. Mas cuidado, se existir um jardim, ele vai mostrar todas as suas habilidades de cavador. Muitas corridas também devem ser evitadas, pois as suas pernas curtas ficam cansadas rapidamente.

Não sendo um modelo de obediência, pode desafiar as pessoas se não sentir segurança nas suas ordens, pelo que precisa de um dono firme que o eduque desde cachorro para que não dispute a liderança da casa com ninguém.

Energia
Inteligência
Tolerância ao frio
Tolerância ao calor
Cuidados de higiene
Queda de pelo
Tendência para problemas de saúde
Facilidade de aprendizagem
Socialização com crianças
Socialização com estranhos
Socialização com cães
Socialização com gatos

Fases da vida do Scottish Terrier


Bebé

0 – 12 meses

Adulto

12 meses – 12 anos

Idoso

12 – 15 anos

 

Físico do Scottish Terrier


Scottish Terrier

É um Terrier pequeno e baixo, com pernas atarracadas e curtas. Apesar disso, a sua constituição oferece-lhe agilidade e liberdade de movimentos. A cabeça parece particularmente grande e comprida em comparação com o corpo.

O focinho tem um perfil quadrado depois de penteado, as orelhas são pontiagudas e eretas e a cauda, naturalmente curta e direita. A sua silhueta destaca-se, apresentando uma pelagem que chega até ao chão, mais comprida nas patas, na parte inferior do corpo, na barba e nas sobrancelhas.

Temperamento do Scottish Terrier


Dotado de uma forte personalidade, o Scottish Terrier é, como muitos outros Terriers, independente, orgulhoso e obstinado, tornando-se mais reservado à medida que o tempo passa. A convivência com outros cães pode, por isso, tornar-se difícil. Não são também indicados para famílias com crianças pequenas, pois costumam irritar-se com brincadeiras bruscas e carinho em excesso.

No entanto, o Scottish Terrier é muito devoto e amável com o seu dono. Apesar de não servir como cão de guarda, está sempre alerta e é bastante corajoso.

Problemas de Saúde do Scottish Terrier


Ossos

  • Osteopatia craniomandibular.
  • Luxação patelar.

Músculos

  • Paralisia do Scottish.

Sangue

  • Doença de Von Willebrand

Sistema endócrino

  • Hipotiroidismo.

 

Cuidados a ter com o Scottish Terrier


Pelo

  • Deve ser escovado a cada dois dias para evitar nós e remover os pelos mortos, prestando atenção redobrada em zonas como a barriga ou as pernas. Apare os seus pelo uma vez por mês e leve-o à tosquia completa duas vezes por ano.

Dentes

  • Perante o tédio, o Scottish Terrier tem tendência para roer móveis e objetos, pelo que é importante disponibilizar-lhe sempre brinquedos.

Alimentação

  • Controle as refeições do Scottish Terrier, pois o excesso de peso pode provocar-lhe problemas nas costas.

 

Origem do Scottish Terrier


O seu passado está intimamente ligado ao das outras raças de Terrier escocesas, que foram cruzadas entre si até ao final do século XIX, embora, na altura, fossem consideradas como uma só raça, apelidada de Aberdeen, o nome da cidade onde se desenvolveram. Sendo a caça uma atividade primordial naquela época, o importante era que os cães cumprissem o seu papel de caçadores de pequenos animais, como coelhos, raposas e texugos, seguindo-os até às tocas.

Foi na passagem do século que a raça se tornou independente, começando a aparecer em exposições e dando origem à fundação de vários clubes. Levada depois para os Estados Unidos, ganhou popularidade neste país, sobretudo junto de grandes personalidades da política e do cinema.

Curiosidades sobre o Scottish Terrier


O Scottish Terrier já esteve várias vezes na Casa Branca, tendo sido mascote de dois ex-presidentes dos Estados Unidos: Franklin D. Roosevelt teve dois exemplares da raça (Fala e Meggie) e George W. Bush também (Barney e Miss Beazley). Os Scotties receberam a atenção de muitas figuras públicas, entre as quais estão Humphrey Bogart, Bette Davis, Julie Andrews, Liza Minnelli, Shirley Temple, Rudyard Kipling e a Rainha Victoria de Inglaterra.

Foi um cão de raça Scottish Terrier que inspirou a personagem Joca, do filme de animação da Disney A Dama e o Vagabundo.


Conheça mais raças de cães:

Todas as raças de cães

Todas as
raças de cães

Raças de cães pequenos

Raças de
cães pequenos

Raças de cães médios

Raças de
cães médios

Raças de cães grandes

Raças de
cães grandes

Mafalda Braga Mafalda Braga

Depois da licenciatura em Comunicação Social e Cultural e do mestrado em Media e Jornalismo, tirados na Universidade Católica Portuguesa, fez um estágio na extinta Rádio Clube Português e outro na Revista Máxima, onde ficou a trabalhar durante cinco anos e meio. Passou ainda pela Revista Must, suplemento do Jornal de Negócios, e atualmente é jornalista freelancer. Além desta área, tem uma grande paixão por cinema, viagens, animais e comida, de preferência com muito sol a acompanhar.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].