Diferença entre Quark e Skyr: saiba tudo sobre estes dois alimentos

A moda dos alimentos ricos em proteína veio para ficar e com ela trouxe o quark e skyr, mas serão estes alimentos parecidos? Qual deles o melhor a nível nutricional? Descubra.

Diferença entre Quark e Skyr: saiba tudo sobre estes dois alimentos
Serão estes dois alimentos "milagrosos"?

Infelizmente, ou felizmente, vivemos numa sociedade com muita oferta.

Apesar de ser bom haver variedade, a verdade é que tanto produto parecido serve apenas para confundir o consumidor. E muitas vezes essa confusão leva a escolhas menos saudáveis e menos amigas da carteira.

Hoje vamos focar-nos em dois produtos: quark e skyr.

O quark que já teve os seus momentos de glória, e o skyr, que apareceu como salvador da pátria por conter uma boa quantidade de proteína… e parece que ultimamente tudo o que tem proteína é bom.

O que é o quark e o que é o skyr?


Quark

quark

Segundo a FVP Foods, o preparo tradicional do quark “consiste em aquecer-se leite azedado (acidificação por fermentação láctica) até que se chegue ao nível desejado de “coagulação” (desnaturação) das proteínas. A substância resultante deste processo é então torcida para eliminar os líquidos.”

“Esse tipo de queijo possui mais de 73% de água na matéria não gorda, por isto é considerado um queijo cremoso, embora em alguns países ele seja tradicionalmente considerado um tipo de laticínio fermentado.”
“O quark tradicional é feito sem coalho, mas em algumas receitas contemporâneas o coalho é adicionado. É um queijo suave, branco, que não é envelhecido e geralmente também não é acrescido de sal de cozinha.”

> Saiba mais aqui sobre o queijo quark.

Skyr

skyr

Por outro lado, o skyr tradicional é feito a partir do aquecimento de leite magro até ficar à superfície a caseína e a gordura. Depois adiciona-se skyr antigo para iniciar a fermentação e, se a textura não estiver espessa o suficiente, junta-se ainda coalho animal. O leite é depois coado, eliminando-se a parte líquida. Obtém-se então um produto azedo e espesso, em tudo parecido ao quark.

> Saiba mais aqui sobre o skyr.

Então qual é a diferença?


Apesar de ambos serem queijo (sim, surpresa, o skyr não é iogurte) e de serem muito semelhantes ao nível da produção, há alguns aspetos que os diferenciam:

  • O skyr é feito a partir de leite magro, o quark pode ser ou não;
  • O skyr tradicional é bacteriologicamente mais rico, uma vez que é usado skyr antigo, mas o skyr industrial e o quark têm culturas específicas adicionadas na sua fermentação;
  • O skyr é um produto mais concentrado que o quark, sendo usada uma quantidade exagerada de leite para o produzir (não tão sustentável).

E a nível nutricional?

Usando 3 marcas à venda em Portugal, o skyr natural contém, em média (por 100g):

  • 62.6 kcal;
  • 10.2g proteína;
  • 4.3g hidratos de carbono;
  • 0.46g lípidos.

O quark contém, em média (por 100g):

  • 62 kcal;
  • 11.0g proteína
  • 3.2g hidratos de carbono
  • 0.26g de lípidos

Muito semelhantes, portanto, sendo que o quark parece ter mais proteína, menos gordura e menos hidratos de carbono, que são as alegações que supostamente tornam o skyr tão impressionante.

Dá que pensar!

E em termos de preço?

Como as embalagens têm diferentes quantidades, vamos ver a média de preços por 100g:

  • Quark: 0.29€
  • Skyr: 0.69€

Para além de ser mais interessante a nível nutricional, o quark ainda é mais barato.

Considerações finais


Não se deixem influenciar por um produto, apenas por ele ser amplamente promovido nas redes sociais. Pesquisem, comparem, e só então façam a vossa escolha (sensata).

Mais ainda, não adicionem pura e simplesmente um produto à vossa alimentação. Qualquer um destes alimentos aqui discutidos contém o triplo da proteína de um iogurte normal, por isso não devem simplesmente trocar um pelo outro sem fazer alguns ajustes na vossa alimentação.
Além disso, a maioria dos portugueses é sedentária e o último Inquérito Alimentar Nacional revelou que os portuguesas consomem mais do dobro da proteína estipulada pela OMS (2.1g/kg de peso/ dia em vez de 0.8g/kg peso/dia).

Não é que isto traga problemas a nível renal, mas secalhar estes produtos ricos em proteína são mais interessantes para os desportistas, que têm as necessidades proteicas acrescidas.

E mesmo nesses é preciso saber quando consumir, porque a proteína em maior quantidade nos queijos é a caseína (de absorção lenta), não é proteína do soro do leite (de absorção rápida). Ou seja, lá por terem muita proteína, podem não ser a escolha mais acertada no pós-treino.

Por último, façam as melhores escolhas em função da vossa situação! Não façam porque os outros fazem.

Veja também:

Nutricionista Ana Monteiro Nutricionista Ana Monteiro

Ana Isabel Monteiro é nutricionista, atleta e autora do blog Laranja-lima. Trabalha atualmente na Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão (Gabinete de Saúde Pública e Casa da Juventude), tendo colaborado anteriormente no projeto Dragon Force e no Centro Social de Paramos. É licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas (C.P.2815N) desde Abril de 2016.