Psoríase: o que precisa saber

A psoríase é uma doença da pele, causada pela renovação demasiado rápida das células. O resultado são lesões avermelhadas à superfície, com escamas prateadas.

Psoríase: o que precisa saber
A psoríase é uma doença comum da pele.

psoríase apresenta sinais de desconforto que importa aliviar. Com os cuidados diários adequados é possível viver com um maior conforto da sua pele. É uma doença crónica da pele, de natureza autoimune, o que significa que surge quando o sistema imunitário emite sinais anómalos que aceleram o normal ciclo de crescimento das células da pele.

A psoríase é bastante comum e não é contagiosa, ao contrário do que se possa pensar. Este aspeto é importante, porque pode existir o receio de contrair esta doença nadando numa piscina ou contactando com pessoas afetadas e esse receio não tem fundamento e cria constrangimento inevitável no doente.

Embora esta doença se possa manifestar em qualquer idade, a maioria dos casos ocorre entre os 15 e os 30 anos, sendo também comum entre os 50 e os 60 anos de idade.

O que é a psoríase?


psoriase

Regra geral, caracteriza-se pelo aparecimento de lesões vermelhas, espessas e descamativas, normalmente, nos cotovelos, couro cabeludo, joelhos, região lombar. Nos situações mais graves, pode cobrir extensas áreas do corpo.

Também podem surgir nas unhas e, cerca de 10% dos doentes desenvolvem artrite psoriática.

Quais são as causas da psoríase?


stress diario

Ainda não se sabe muito sobre as causas, contudo, a doença pode surgir em qualquer pessoa, porém, tem um padrão genético, ou seja, se o pai e a mãe têm psoríase, as probabilidades de ter a doença aumenta em 40%.

Acredita-se que no nosso sistema imunológico existe uma célula, conhecida como célula T, que percorre todo o corpo humano à procura de elementos como vírus e bactérias, com o intuito de os combater. Assim, se a pessoa tem psoríase, as ditas células T acabam por atacar as células saudáveis da pele, como se fosse para cicatrizar uma ferida ou tratar uma infecção.

No entanto, esta teoria não se encontra cientificamente comprovada e afirmada.

Existem alguns fatores que podem desencadear em psoríase, como:
  • Infeções de garganta e de pele;
  • Lesões na pele, como feridas, queimaduras do sol ou outras, de natureza física, química, elétrica, cirúrgica ou inflamatória;
  • Stress;
  • Variações climáticas;
  • Fumo;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Alterações bioquímicas, ou seja, do metabolismo de algumas substâncias na  pele.

 

Como se manifesta a psoríase?


sintomas psoriase

A pele fica seca, causa comichão e, por vezes, dor.

Estas lesões tanto podem estar limitadas a zonas como o couro cabeludo, as unhas, as plantas das mãos, as palmas dos pés, os joelhos, os cotovelos, as orelhas ou o tronco, como podem estender-se a uma grande área do corpo.

Como se diagnostica a psoríase?


visita ao dermatologista

Existem várias doenças da pele com sinais semelhantes aos da psoríase e, por isso, o diagnóstico deve ser sempre estabelecido pela observação clínica por um dermatologista. Em alguns casos poderá ser necessária a confirmação com biópsia de pele.

Para lá da observação da pele, o dermatologista também procurará conhecer a história familiar do paciente e entender melhor as suas atividades diárias, de modo a despistar os fatores desencadeantes.

Quais são os tipos de psoríase?


Psoriase do couro cabeludo

Esta doença da pele pode manifestar-se no organismo de vários formas, designadamente:

1. Couro cabeludo

É a forma mais frequente e atinge cerca de 80% dos doentes. Pode surgir em qualquer idade, porém,é mais frequente nos adultos com menos de 40 anos. Pode surgir na sequência de outras manifestações da doença.

É também mais sintomática do que outras formas da doença, sendo frequente:

  • sensação de prurido
  • eritema (grandes lesões de pele avermelhada)
  • placas espessas de cor branca-prateada, “escamas” ou “caspa” e descamação
  • extensão das lesões na face, pescoço ou regiões retroauriculares
  • pouco cabelo nas zonas com placas psoriáticas

2. Placas ou psoríase vulgar

São a maioria dos casos e caracterizam-se por lesões com relevo de cor vermelha, cobertas por escama prateada. A dimensão, número e extensão das lesões varia de acordo com a fase da doença de cada doente.

As lesões surgem sobretudo nos cotovelos, couro cabeludo, joelhos e região lombar ma spodem afetar qualquer área do corpo, nomeadamente, extensas áreas do tronco e membros.

3. Psoríase Gutata

A palavra gutata está relacionada com a palavra gota, de origem latina. A psoríase gutata é uma das manifestações da doença, em que a pele apresenta pequenas lesões vermelhas e com forma de gotas que aparecem nos braços, pernas, couro cabeludo e tronco.

Afecta, sobretudo, crianças e jovens, e é menos frequente que as anteriores. Na maioria dos casos, aparece de forma súbita, as lesões são menores (em forma de gota. Pode desaparecer ou evoluir para psoríase vulgar.

4. Psoríase Ungueal

Este tipo de psoríase afeta os dedos e unhas das mãos e dos pés. Faz com que a unha cresça de forma anoral, engrosse, escame e perca a cor. Normalmente, surgem também manchas amareladas. Em alguns casos, a unha acaba por cair.

5. Psoríase Pustulosa

É uma forma rara da doença. Podem aparecer manchas em todas as partes do corpo, ou concentrar-se em áreas menores, como os pés e as mãos.

As manchas desenvolvem-se rapidamente, formando bolhas cheias de pus poucas horas depois de aparecer a vermelhidão. As bolhas secam, normalmente, no espaço de um ou dois dias, mas podem reaparecer durante vários dias ou semanas.

Aliados a estes sintomas, pode ainda causar febre, calafrios, fadiga e comichão intensa.

6. Psoríase Eritrodérmica

É o tipo menos comum da psoríase. As lesões podem ser generalizadas em 75% do corpo, com manchas vermelhas que podem causar comichão ou arder intenso.

Existem vários fatores que podem desencadear este tipo de psoríase, nomeadamente tratamentos intempestivos com o uso ou retiro abrupto de corticoides, infeções, queimaduras graves ou um outro tipo de psoríase mal controlado.

7. Psoríase Artropática

Este tipo de doença pode estar relacionada com qualquer forma clínica de psoríase. Além de apresentar inflamações na pele e descamação, a psoríase artropática também é caraterizada por fortes dores nas articulações.

8. Psoríase Palmo-Plantar

Nestes casos, as lesões aparecem em forma de fissuras nas palmas das mãos e nas solas dos pés.

Como é tratada a psoríase?


pomada

Esta doença não tem cura, contudo é possível tratar os seus sintomas: o tratamento visa interromper o ciclo de renovação acelerada das células e aliviar os sintomas, devolvendo a suavidade à pele.

Cumprir o tratamento é essencial para controlar a doença. Em complemento, há gestos e produtos de que reduzem o desconforto e melhoram a sua aparência contribuindo para a qualidade de vida e bem-estar.

> Saiba mais sobre os tratamentos da psoríase aqui.

Como cuidar para maior conforto?


hidratar a pele

1. Banho diário

Opte por duches rápidos com água morna e com um produto adequado, hipoalergénico e sem sabão. Adicionalmente. na água do banho, pode colocar um óleo, para ajudar a remover as escamas e acalmar a pele.

2. Hidratação da Pele

Aplique um creme hidratante adequado sempre depois do banho e, se possível, mais do que uma vez por dia, especialmente nos dias secos ou frios. Pode também optar por um hidratante com ureia, pois, para além de hidratar a pele, ajuda também a remover as crostas e escamas mais espessas.

3. Use produtos suaves

Sabonetes, desodorizantes e maquilhagem devem ser hipoalergénicos, sem álcool ou perfume.

4. Evite esfregar as lesões

Seque a pele com toques suaves; dobras e recantos da pele devem merecer cuidado especial.

5. Modere a exposição ao sol

A luz solar é benéfica, mas sempre com protetor solar (com fator de proteção de 50+); Exposição solar em excesso pode agravar ou desencadear surtos.

6. Reduza o consumo de álcool e tabaco

7. Evite o stress e ansiedade.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.