Piolhos ou Pediculose, o medo de muitos pais!

Os piolhos são um inseto que se aloja na cabeça das pessoas (pediculose), principalmente nas crianças em idade escolar, causando um conjunto de desconfortos.

Piolhos ou Pediculose, o medo de muitos pais!
Descubra como tratar a pediculose.

Os piolhos são insetos pequenos, sem asas, que se alimentam de sangue. Um piolho vive em média quatro a seis semanas, período em que põe um total de 100 a 150 ovos (lêndeas).

Estes ovos eclodem, tornam-se maduros e começam o seu ciclo parasitário, perfuram a pele do couro cabeludo e sugam o seu alimento, o sangue, várias vezes ao dia. As lêndeas que permanecem na parte mais comprida dos cabelos, são lêndeas mortas, e as lêndeas vivas ficam cerca de 1 centímetro acima do couro cabeludo.

A pediculose consiste na infestação de piolhos, podendo ser provocada por três espécies de piolhos:

  1. Pediculus humanus capitis, vive habitualmente no couro cabeludo. Este tipo de piolho é a forma mais frequente e aloja-se maioritariamente nas crianças em idade escolar;
  2. Pediculus humanus corporis, alimenta-se no corpo e vive também na roupa. Está relacionado habitualmente com más condições de higiene;
  3. Phthirus pubis infesta as regiões corporais pilosas, principalmente a região da púbis e, ocasionalmente, as sobrancelhas e as pestanas.

 

Piolhos: quais são as forma de contágio?


piolhos

Esta doença é facilmente transmitida através do contato direto entre pessoas, ou seja, através de cabeça com cabeça ou pelo contato indireto, através da utilização de objetos pessoais contaminados (principalmente se forem bonés, travessões, escovas/pentes).

Os piolhos movem-se rapidamente e devido às suas pequenas dimensões e cor, nem sempre se conseguem distinguir no meio dos cabelos da pessoa infetada. Para além disso, os piolhos conseguem mudar de cor consoante a cor do cabelo da pessoa infetada.

Geralmente os sítios onde se verifica uma maior propagação desta doença são nas escolas, infantários e entre familiares.

Piolhos: quais são os sinais de alerta?


menina com comichao

Por vezes poderá demorar 1 a 2 semanas até começar a visualizar sinais de alerta, mas esteja particularmente atento caso verifique:

  • Prurido (comichão) na cabeça. Este é o principal sinal de que poderá estar perante uma pediculose. O prurido é mais frequente na zona da nuca e na região retro-auricular e resulta da reação à saliva do piolho;
  • Sensação de movimento na cabeça;
  • Presença de lêndeas (pequenos pontos brancos colados aos fios de cabelo) ou piolhos na cabeça;
  • Aparecimento de pequenas crostas na cabeça provocadas devido à necessidade de coçar para aliviar esse prurido;
  • Presença de resíduos acastanhados nos lençóis ou almofadas;
  • Perturbações do sono ou de concentração devido ao prurido;
  • Desconforto social e isolamento, podendo levar a absentismo escolar ou laboral;
  • Em último caso, quando a pediculose não é tratada, pode surgir a infeção da pele provocada por bactérias (por exemplo, por Staphylococcus aureus e/ou Streptococcus pyogenes).

 

Piolhos: como se faz o diagnóstico?


diagnostico do couro cabeludo

O diagnóstico é feito através da visualização direta do couro cabeludo da pessoa. Deve iniciar-se o exame pela nuca, abrindo o cabelo com os dedos e identificando regiões vermelhas ou com escoriações, bem como pode visualizar um ou mais piolhos (pequenos insetos).

Para se confirmar o diagnóstico, é fundamental a presença de lêndeas (ovos brancos acastanhados), estas ficam presas aos fios de cabelo e são difíceis de puxar, ao contrário da caspa.

Piolhos: quais os tratamentos possíveis?


tratamento dos piolhos

O tratamento deverá ser feito logo que é feito o diagnóstico a todas as pessoas infetadas, e as que estiveram em contato com ela deverão ser observadas para despiste.

O seu médico deverá prescrever o tratamento indicado ao seu caso, no entanto, existem vários fármacos similares em termos de composição, à venda nas farmácias e parafarmácias. Após escolher o produto, deverá ler a bula e cumprir com todas as indicações do fabricante.

Para que o tratamento seja eficaz, a maioria dos produtos exige duas aplicações do produto:

  1. A primeira aplicação mata essencialmente piolhos adultos e jovens;
  2. A segunda aplicação, deve ser feita 7 a 14 dias após a 1ª aplicação, mata os piolhos que entretanto saíram das lêndeas vivas.

Em alguns casos pode ser necessária a medicação oral, prescrita por médico dermatologista. Se a pessoa afetada possuir um cabelo muito longo (abaixo do ombro), pode ser necessário usar uma segunda embalagem.

O tratamento é indicado para pessoas infestadas, o uso indiscriminado não é recomendado, principalmente em crianças.

Outros cuidados imprescindíveis para que o tratamento seja eficaz, são:

  • Coloque um pano ou toalha nos ombros, idealmente de cor clara e lisa, e passe um pente fino (próprio para o efeito) de forma a remover as lêndeas e os piolhos, mortos ou vivos, idealmente várias vezes por dia;
  • Lave muito bem os objetos de uso pessoal das pessoas infestadas, por exemplo, pentes, escovas. Utilize água a ferver com um desparasitante ou álcool;
  • Lave muito bem chapéus, roupa do corpo, roupa da cama das pessoas infestadas. A lavagem deverá ser feita na máquina de lavar roupa, com uma temperatura mínima de 60ºC;
  • Aspire o chão ou mobília, particularmente nos locais onde a pessoa com piolhos se sentou ou deitou;
  • Informe as pessoas com quem convive a pessoa infetada, principalmente nas escolas ou nos locais de trabalho, para que estes façam tratamento no caso de estarem também infetados.

 

Piolhos: como se pode prevenir?


mae a vigiar cabeca da filha

Prevenir a presença de piolhos no couro cabeludo por ser feita da seguinte forma:

  • Vigie com regularidade as cabeças das pessoas infestadas;
  • Evite usar roupa e outros objetos de uso pessoal de outras pessoas, principalmente de pessoas potencialmente infestadas;
  • Evite o contato entre cabeças;
  • Trate pessoas com pediculose e contactos próximos com infestação ativa. Aqueles que partilham a mesma cama, também deverão efetuar tratamento, mesmo sem infestação;
  • Em crianças que aparecem frequentemente com piolhos, pode ser útil manter os cabelos curtos, ou no caso das crianças com cabelo comprido, devem prendê-los para ir à escola;
  • É fundamental que a escola seja comunicada sempre que alguma criança apresentar o problema. Dessa forma, todos podem ser tratados ao mesmo tempo e o ciclo de recontaminação será interrompido;
  • Atualmente existem produtos, geralmente na forma de spray, que atuam na prevenção, que podem ser usados na ausência de piolhos.

Veja também:

Enfª Bárbara Andrade Enfª Bárbara Andrade

Bárbara Andrade é Enfermeira Especialista em Reabilitação e Formadora em várias entidades. Desta forma, tem como princípios a promoção e a educação para a Saúde nas diferentes faixas etárias. Terminou a Especialidade em Enfermagem de Reabilitação na ESEnfCVPOA e exerce atualmente o cargo de enfermeira no CHEDV - HSS.