5 Perigos dos ossos de couro: saiba quais são

Alguns brinquedos podem ser bastante perigosos embora não o pareçam. Conheça os perigos dos ossos de couro para os cães e proteja a saúde do seu cão.

5 Perigos dos ossos de couro: saiba quais são
Os ossos de couro podem provocar danos no organismo do animal.

Existem alguns brinquedos perigosos para os nossos cães, e os ossos de couro são um deles. Saiba quais os mais adequados e seguros para o seu cão e conheça os perigos dos ossos de couro.

Perigo dos ossos de couro: como são feitos estes ossos?


perigos dos ossos de couro osso sobre fundo branco

Os ossos são feitos a partir do couro, ou seja a partir da pele dos animais do matadouro. Numa fase inicial são tratados com alguns produtos químicos para limpar a pele, eliminado o restos dos pelos e gordura presentes.

Numa segunda fase as camadas do couro são divididas consoante as diversas utilidades, e através da utilização de outros produtos químicos e eliminado o mau cheiro do couro, normalmente com soluções de peróxido de hidrogénio (água oxigenada) e lixívia, pois ajudam a branquear.

Na última fase o osso é pintado com corantes artificias e para dar resistência ao osso são adicionados químicos como mercúrio, chumbo e arsénio.

5 Perigos dos ossos de couro


perigos dos ossos de couro cao doente

1. Obstruções

Numa fase inicial os ossos vêm embalados e duros, mas com o tempo e expostos ao ar perdem a sua consistência dura e passam a ficar moles e gelatinosos.

Esta consistência pode fazer com que fiquem aderidos ao esófago ou intestino sendo necessária a sua extração através de procedimento cirúrgico.

2. Engasgo ou asfixia

Também pela sua consistência gelatinosa e pelo facto de ficar mole e se desfazer, caso o cão consiga retirar um grande pedaço, pode haver o risco de asfixia.

3. Alergias

Devido aos produtos químicos que compõem o produto, ao engolir o produto, o cão pode desenvolver alergia. Nem todos os cães que ingerirem o produto irão manifestar alergias, pois cada organismo é único e depende da sensibilidade de cada um, no então, é possível que aconteça.

4. Diarreia

Também devido aos produtos químicos utilizados os cães podem sofrer de irritação no sistema digestivo, incluindo esófago, estômago e intestino, podendo surgir diarreia, vómitos e gastrites (inflamação da parede do estômago).

5. Intoxicação

Em casos mais extremos, cães mais pequenos e sensíveis, dependendo da quantidade ingerida, podem desenvolver sinais de intoxicação causada pelos produtos químicos.

Perigos dos ossos de couro: como evitar problemas?


Os ossos de couro são perigosos devido à sua consistência e composição, no entanto são bastante apetecíveis para os cães, regra geral. O que pode fazer para que o cão possa continuar a brincar e a roer?

Vigilância

perigos dos ossos de couro cao a roer osso

Se o seu cão brinca e ingere com frequência estes ossos e nunca houve nenhum problema, pelo menos vigie-o enquanto rói este tipo de osso. O risco de asfixia pode sempre acontecer e vigiar o cão pode ser crucial caso se engasgue com o osso.

Caso repare que o cão está a ingerir o osso, caso este se parta em pedaços o melhor será retirar mesmo o brinquedo para evitar acidentes.

Dar outros brinquedos para roer

perigos dos ossos de couro cao bebe com brinquedo

A alternativa mais segura será arranjar outros brinquedos igualmente atrativos para o cão para roer. Dessa forma, pode deixar o cão brincar à vontade, sem preocupações e sem riscos.

Perigos dos ossos de couro: brinquedos alternativos


Ossos de couro são bons para entreter o cão durante algum tempo e também aliados na limpeza dos dentes. Que alternativas existem para proporcionarmos ao cão momentos de diversão e lazer a roer?

1. Ossos de borracha

perigos dos ossos de couro osso de borracha

Os ossos de borracha podem ser uma alternativa aos ossos de couro, especialmente aqueles que possuem “dentes”, pequenas saliências, que ajudam a limpar os dentes do cão enquanto rói.

2. Ossos naturais crus

perigos dos ossos de couro ossos naturais

Estes ossos podem ser uma boa opção para substituir os ossos de couro. Nunca devem ser dados ossos cozinhados nem ossos demasiado pequenos, por exemplo ossos de frango ou de galinha.

Os ossos quando cozinhados fica mais moles e portanto mais fáceis de partir e fazer estragos. O indicado é comprar os ossos num local de confiança, optar por ossos grandes e fortes que não se partam facilmente e nunca os cozinhar antes de os dar ao cão.

Em todo o caso, também requer que o cão esteja vigiado quando está a roer.

3. Ossos de nylon

perigos dos ossos de couro ossos de nylon

São ossos feitos de um material seguro, muitas vezes aromatizados para serem mais saborosos e apetecíveis para os cães. Fortalece os músculos dos maxilares e previne a acumulação de tártaro nos dentes enquanto o cão passa um tempo de lazer a brincar e a roer em segurança.

Perigos dos ossos de couro: outros brinquedos perigosos


perigos dos ossos de couro cao com peluche na boca

Não só os ossos de couro são perigosos e pouco seguros para o seu cão. Também existem outros brinquedos ou objetos que utilizamos para divertimento do cão que podem ser prejudicais à sua saúde.

1 Ossos de frango

Ossos de frango ou pequenos podem-se estilhaçar enquanto o cão os rói e funcionar como laminas se os engolirem. Podem ferir a boca, esófago, estômago e intestino, provocando danos graves como obstruções e lacerações.

2. Brinquedos de corda

Os brinquedos de corda podem ser perigosos se os cães engolirem a corda. A corda é um material grosso que pode causar obstruções.

3. Peluches

Os peluches também podem ser perigosos se os cães engolirem a parte do tecido.

 

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].