Publicidade:

Otohematoma em cães: saiba quais as causas deste problema

O otohematoma em cães é uma situação bastante comum na prática clínica. Saiba quais os fatores que provocam este problema e como prevenir o aparecimento.

Otohematoma em cães: saiba quais as causas deste problema
Ajude o seu melhor amigo

O otohematoma em cães é, por norma, consequência de uma otite crónica, sendo por isso considerado um problema secundário. Pode gerar complicações graves na saúde do cão.

O que é o otohematoma em cães?


otohematoma em caes orelha do cao

Um otohematoma carateriza-se por ser uma acumulação de sangue entre a cartilagem e a pele da orelha, ou seja, é um hematoma na orelha. Ocorre devido ao rompimento dos vasos consequentes a um trauma.

Em situações mais graves o rompimento dos vasos é tão grande que leva à obstrução do canal auditivo, ou noutras situações com o passar do tempo, o conteúdo liquido vai ficando mais duro e espesso, tornando-se mais difícil de ser eliminado.

É mais frequente ocorrer em cães com orelhas caídas como os Cocker spainel, Basset Hound, Beagle, Labrador e Weimaraner, pois também estarão mais propensos a desenvolver otites. Cães com orelhas erguidas é mais raro desenvolverem este problema.

Causas de otohematoma em cães


otohematoma em caes otite nos caes

Várias patologias e fatores podem contribuir para a causa de otohematoma.

1. Otite externa

Por norma, o trauma que causa o otohematoma é devido ao animal coçar com a pata ou abanar muito a cabeça sacudindo as orelhas. Está relacionado com otites crónicas não tratadas e é a causa mais comum de otohematoma em cães.

2. Sarna

A sarna auricular, ou otodécica, causa otite externa e a própria saliva dos ácaros contêm substâncias que podem contribuir para o desenvolvimento desta condição.

3. Trauma na orelha

Pode acontecer também em consequência de um traumatismo em algum objeto, como por exemplo bater com a cabeça num móvel enquanto brinca.

4. Alergias

Um cão com alergias irá manifestar dermatites e otites que causam prurido e podem causar otohematomas.

5. Doenças endócrinas

Hipotiroidismo e hiperadrenocorticismo são duas doenças endócrinas que se relacionam com o aparecimento de otohematomas.

Sinais de otohematoma em cães


otite nos caes cao a cocar a orelha

Uma vez que os otohematomas em cães são consequências, de uma forma geral, de otites, é necessário estar atento a sinais desta patologia, tais como:

  • Inflamação e vermelhidão do ouvido;
  • Dor ou toque na região do ouvido, orelha e alguns casos em toda a cabeça;
  • Mau odor na região do ouvido;
  • Abanar a cabeça;
  • Feridas na zona da cabeça;
  • Coçar os ouvidos com as patas ou arrastando a cabeça no chão, parede ou objetos;
  • Presença de líquido anormal nos ouvidos;
  • Inclinação da cabeça.

Numa fase mais avançada, se a otite não for tratada, e o animal coçar persistentemente o ouvido com as patas, roçando a cabeça em objetos e abanando a cabeça, segue-se o aparecimento do otohematoma.

O otohematoma irá começar por surgir como a acumulação de pouco líquido na orelha. No início pode-se sentir a presença de um líquido, consistência mole. Com o passar do tempo o líquido no interior aumenta de quantidade, tornando a orelha de aspeto inchado, progressivamente, mas com consistência mole. Numa fase mais avançada o conteúdo vai endurecendo.

Quando o otohematoma já está formado pode surgir vermelhidão, dor e desconforto na orelha afetada.

Diagnóstico de otohematoma em cães


otohematoma veterinaria a ver orelha de cao

O diagnóstico é feito pelo médico veterinário no momento da consulta através da observação e exame físico.

Convém que seja também investigada a causa subjacente se houver alguma, como no caso das otites. Para isso pode ser necessário realizar observação do ouvido com otoscópio e citologias para observação do cerúmen ao microscópio.

Tratamento do otohematoma em cães


otohematoma preparacao cirurgia

Os otohematomas em cães são auto-limitantes, ou seja, podem resolver-se espontaneamente. No entanto, uma vez que podem evoluir para casos graves e causar deformações na orelha, deve procurar ajuda médico-veterinária.

Sabe-se que, se tratado numa fase inicial, o otohematoma tem tendência a ter uma resolução mais fácil e de apresentar menos recidivas.
Em primeiro lugar, deve ser identificada a causa primária e tratada. Uma vez que, se não for resolvido o fator que desencadeou o problema, o risco de recidiva é maior.

Posteriormente, o seu médico veterinário irá avaliar a gravidade do hematoma e o seu estado.

Numa fase inicial em que o otohematoma ainda é mole, até aproximadamente 7 dias, é possível fazer punção com uma seringa e agulha, retirando o líquido do interior da orelha. Dependendo do animal pode ser ou não necessário realizar o procedimento sob o efeito de sedação.

De forma a diminuir a inflamação e evitar que se acumule líquido novamente podem ser instalados diretamente no interior da pele da orelha anti-inflamatórios.

Uma única drenagem não costuma ser o suficiente para se resolver, pelo que, dependendo do estado, poderá ser necessário realizar várias punções.

Havendo recidivas ou episódios mais graves é necessário recorrer a cirurgia para fazer drenagem do líquido e impedir recidivas.

Consequências do Otohematoma em cães


Caso não seja tratado, ou tratado numa fase avançada, o otohematoma pode originar deformação e espessamento da orelha irreversíveis.

Em casos mais graves pode ocorrer pericondrite, infeção do pavilhão auricular, que pode causar infeção, fístulas e calcificações da cartilagem levando à obstrução do canal auditivo.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].