Mitos sobre genéricos: conheça os 7 mitos mais comuns

Metade dos medicamentos vendidos nas farmácias já são genéricos. Conheça bem a diferença entre medicamentos e esclareça alguns mitos sobre genéricos.

Mitos sobre genéricos: conheça os 7 mitos mais comuns
Quais as vantagens da toma de medicamentos genéricos?

Para esclarecer os principais mitos sobre genéricos é importante perceber primeiro o que são os medicamentos genéricos.

Um medicamento genérico é um medicamento com a mesma substância ativa, forma farmacêutica, dosagem e com a mesma indicação terapêutica que o medicamento original, de marca, que serviu de referência. Os medicamentos genéricos são identificados pela sigla (MG), inserida na embalagem exterior do medicamento.

7 MITOS SOBRE GENÉRICOS


mitos sobre genericos

1. Os genéricos não têm a mesma qualidade dos medicamentos originais

De acordo com o Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de agosto, a AIM (Autorização de Introdução no Mercado) de medicamentos genéricos está sujeita às mesmas disposições legais dos outros medicamentos, estando dispensada a apresentação de ensaios pré-clínicos e clínicos desde que demonstrada a bioequivalência.

A legislação exige a realização de um teste de bioequivalência antes do registo e da autorização de comercialização para garantir que o medicamento tem as mesmas propriedades farmacocinéticas e farmacodinâmicas do produto original.

Um teste de bioequivalência é um estudo clínico que visa demonstrar que existe a mesma quantidade de substância ativa no organismo humano sempre que a mesma dose de um medicamento é administrada durante um determinado período, sendo o medicamento de referência ou o genérico.

2. A segurança e eficácia dos medicamentos genéricos não é a mesma

Sim, este é um dos mitos sobre genéricos mais comuns. São igualmente seguros! Contêm a mesma substância ativa e a mesma dose que os produtos de referência e são produzidos de acordo com as mesmas normas de qualidade rigorosas, seguindo as mesmas normas de eficácia e segurança esperadas.

À semelhança dos produtos de referência, os genéricos são fabricados em instalações que cumprem as normas das Boas Práticas de Fabrico (BPF) e que são inspecionadas periodicamente pelas autoridades regulamentares. Além disso, depois de um genérico estar disponível no mercado, o fabricante tem de monitorizar o produto no que se refere a quaisquer eventos adversos. Este processo é o mesmo que para os produtos originais.

3. É difícil identificar se é um medicamento genérico ou não

Os genéricos possuem identificação externa nas embalagens. Obrigatoriamente têm a sigla MG (Medicamento Genérico) inserida na embalagem exterior do medicamento.

4. A única diferença entre genéricos e originais é o preço

O preço é mesmo a principal diferença entre os medicamentos genéricos e os originais. No entanto, não podemos dizer que seja a única.

Não podem existir diferenças em termos de qualidade, segurança e eficácia. No entanto, as características farmacêuticas podem diferir em termos de cor, forma ou marcações, desde que não comprometam a qualidade dos produtos. Embora a maior diferença resida no custo do tratamento.

5. Os medicamentos genéricos são sempre mais baratos

Esta é a regra na maioria dos casos, no entanto existem exceções, daí ser um dos mitos sobre genéricos. Informe-se com o seu farmacêutico sobre os genéricos mais baratos disponíveis.

6. Os medicamentos genéricos são mais baratos, logo são piores

São mais baratos pelo facto de usarem princípios ativos já existentes e com provas dadas e, portanto, não necessitam de investir em pesquisa e testes clínicos porque estes já foram realizados pelo laboratório do medicamento de marca. Ou seja, o investimento é menor, logo o preço é menor.

É sempre importante ter em conta que o preço que paga pelos seus medicamentos pode alterar. De 3 em 3 meses os preços dos medicamentos são revistos, o que pode implicar uma alteração na sua comparticipação. Assim, trimestralmente pode haver alteração no preço.

7. Os médicos são obrigados a prescrever os medicamentos gratuitos para os pensionistas

O utente deverá conversar com o médico e solicitar a prescrição de medicamento genérico. Podem existir razões que levem o médico a não prescrever determinado genérico, contudo apenas este profissional poderá justificar a sua decisão. Fale com o seu médico.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

Cofidis