Publicidade:

Mialgia: o que é e quais as suas principais causas

A mialgia é um problema bastante comum, normalmente associado à prática de exercício físico intenso. Descubra quais as suas causas e formas de tratamento.

 
Mialgia: o que é e quais as suas principais causas
Dores musculares após a prática de exercício físico intenso

Já quase toda a gente sentiu desconforto nos músculos, confundida muitas vezes com dor, em alguma parte do corpo. Essas dores musculares têm o nome técnico de mialgia. E, apesar de terem variadíssimas causas, são normalmente temporárias, o que não implica que não lhes preste atenção.

Por norma, estas dores estão maioritariamente associadas à prática de desporto, tendo o nome de mialgia de esforço, e podem apresentar diferentes graus.

De todas as mialgias conhecidas, 15 a 20% relacionam-se com dores nas regiões do pescoço e ombros, seguidas de joelho e articulações na mandíbula.

Mialgia: o que é?


mialgia

A mialgia é uma patologia que  afeta o tecido muscular esquelético, que corresponde à maior massa do corpo humano, o equivalente a cerca de 45% do peso do corpo.

Quando a musculatura é afetada, pode acontecer que os músculos, tendões ou ligamentos se rompam, especialmente quando são submetidos a um esforço superior à sua força intrínseca e tolerância. Também a má postura e stress são muitas vezes uma alavanca para a mialgia.

Os músculos mais afetados são os menos desenvolvidos e menos exercitados, levando muitas vezes a microlesões nas fibras musculares.

As dores musculares podem ser de intensidade variável, podem surgir em qualquer parte do corpo, de forma localizada ou generalizada e podem ainda manifestar-se por um período específico de tempo (temporárias) ou serem contínuas e persistentes (crónicas).

Mialgia: graus de intensidade

As dores musculares associadas à mialgia têm os seguintes graus de intensidade:

  • Grau I: ligeiras (sensação de desconforto, dor e inchaço);
  • Grau II: moderadas (perda de função e formação de hematoma e equimose);
  • Grau III: graves (rotura completa, dor intensa e hematoma de grande dimensão).

 

Quais as principais causas?


mialgia

De todas as possíveis causas para as dores musculares, as mais comuns são:

  • Exercício físico;
  • Stress;
  • Esforço intenso de um músculo;
  • Lesão ou trauma do músculo.

De todas estas, o exercício é o indicador com maior relevância, e a dor desenvolve-se normalmente 24 horas após o esforço.

No entanto, apesar destas serem as mais comuns, a mialgia pode também ter outras origens, tais como:

  • Doenças auto-imunes;
  • Infeções bacterianas num músculo;
  • Infeções generalizadas como a malária ou, menos grave, a gripe;
  • Utilização de drogas.

 

Mialgia: principais sintomas


Mialgia: mulher com dores nos braços

A mialgia é um problema que pode apresentar diversas formas, e por isso mesmo, diversos sintomas.

O principal sintoma, comum a todas as mialgias, é a dor. As dores começam por poder ser difusas ou localizadas, afetando apenas uma região ou um conjunto de regiões do corpo.

Além da dor, existem outros sintomas que dependem da região e da intensidade da dor. São eles astenia, fadiga, fraqueza muscular, sensação de formigueiro e dormência, problemas musculares, inchaço e vermelhidão.

Em situações mais complicadas, estes sintomas podem mesmo evoluir para dificuldade respiratória, febre, tonturas, enxaqueca, fraqueza muscular extrema e rigidez na zona do pescoço. Qualquer pessoa com um destes sintomas, associado a dor forte, deve ser imediatamente visto por um médico que possa diagnosticar e medicar com brevidade.

Qual o tratamento ideal para uma mialgia?


Mialgia: tratamento com fisioterapeuta

O aparecimento de dor em alguma zona é sinónimo de que algo não está correto com o organismo. Assim, é importante perceber qual a principal causa dessa dor, para se conseguir optar pelo melhor tratamento, que vai depender da gravidade e da causa da lesão. Aqui, a opinião do médico ou fisioterapeuta é essencial, uma vez que só eles têm a capacidade para aliviar e entender o que se passa.

Quando estas ocorrem como consequência de atividade física intensa, provocando lesões no músculo, existem alguns protocolos e algumas dicas específicas, descritas mais à frente neste artigo.

No entanto, quando estas dores são temporárias, devido à contração de grupos vizinhos de músculos ou traumas, o recurso a analgésicos, anti-inflamatórios não esteroides ou relaxantes musculares são uma opção.

Se as dores persistirem por mais de 3 semanas, é necessário recorrer a novo tratamento, apenas prescrito e indicado pelo médico, que pode variar de caso para caso.

Em muitos caos, são necessárias também sessões de fisioterapia e reabilitação física.

Em caso de dor causada por exercício físico


Mialgia: mulher a fazer gelo

Por vezes, quando a mialgia advém de uma prática de exercício físico mais intenso, o corpo denuncia-o com alguns sintomas, como por exemplo dor. Esta pode instalar-se de forma súbita e, nesses casos, é necessário agir da forma correta e rápida.

Assim, de forma a uniformizar o procedimento recorreu-se ao protocolo PRICE, descrito de seguida de acordo com as siglas:

  1. Proteção: imobilizar a área lesionada e protegê-la, muitas vezes sendo necessário recorrer a imobilizadores;
  2. Repouso: repousar, parando imediatamente a atividade física. Este descanso deve ser contínuo, segundo o tempo aconselhado pelo médico ou fisioterapeuta, e por vezes com recurso a canadianas;
  3. Ice (gelo): colocar gelo na região dorida, várias vezes por dia, durante 15 a 20 minutos, aliviando assim o processo inflamatório;
  4. Compressão: comprimir a região de forma a reduzir o edema (podendo recorrer-se à utilização de elásticos ou faixas);
  5. Elevação: elevar a área afetada, de forma a reduzir o inchaço, uma vez que facilita o retorno venoso.

 

Como prevenir a mialgia?


mialgia: prevenir com alongamentos

Para prevenir a mialgia deve ter em consideração os seguintes procedimentos:

  1. Aquecer sempre antes de realizar exercício físico;
  2. Deve fazer treinos respeitando a sua capacidade física, evoluindo com o passar das semanas, dando tempo ao seu corpo para que se adapte. É importante que não queira fazer demasiado antes do seu corpo estar habituado;
  3. Alongar quando terminar o exercício, de forma a evitar distensões musculares;
  4. Inicie os treinos de forma lenta, e vá aumentando a intensidade ao longo do treino.

Veja também:

Fontes

CUF. Lesões musculares e tendões. Disponível em: https://www.saudecuf.pt/desporto/lesoes/lesoes-musculares-e-tendoes
Healthline. Disponível em: https://www.healthline.com/health/muscle-aches#other-causes
Atlas da Saúde. Disponível em: https://www.atlasdasaude.pt/publico/content/mialgia-vs-lombalgia
SPMI. Disponível em: https://www.spmi.pt/21congresso/pdf/Vol22_LivroResumos_XXICongresso.pdf

Farmacêutica Rita Teixeira Farmacêutica Rita Teixeira

Licenciada em Estudos Básicos de Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e a terminar o mestrado em Ciências Farmacêuticas na mesma Universidade. É apaixonada pela escrita, por viagens e pela organização de eventos de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].