Publicidade:

Mericismo: tudo o que precisa de saber sobre este transtorno alimentar

O mericismo, que pode também ser designado de perturbação de ruminação, afeta habitualmente crianças de tenra idade. Saiba mais sobre esta patologia.

Mericismo: tudo o que precisa de saber sobre este transtorno alimentar
É mais frequente em crianças do sexo masculino.

As perturbações da alimentação e da ingestão são uma importante causa de sofrimento psicológico para um grande número de pessoas. Algumas destas perturbações têm ganho grande atenção ao longo dos tempos (anorexia nervosa e bulimia nervosa), mas outras são ainda pouco reconhecidas e compreendidas, como é o caso do mericismo.

Em que consiste o Mericismo ou ruminação?


mericismo bebe a chorar sem comer

O mericismo, também designado por perturbação de ruminação, consiste na regurgitação repetida de alimentos durante um período de pelo menos um mês, depois de um funcionamento normal, sendo que os alimentos regurgitados podem ser novamente mastigados, engolidos ou cuspidos. No mericismo, a regurgitação não é atribuível a uma doença gastrointestinal associada ou a outra condição médica.

É comum que esta patologia tenha início entre os 3 e os 12 meses de idade, podendo ocorrer posteriormente, quer nos meses seguintes, quer na adolescência ou na idade adulta (bastante mais raro).

De forma habitual, o quadro psicopatológico da regurgitação provocada por um esforço manifesto revela-se nos momentos em que a criança está sozinha, uma postura de vazio perante o mundo que a rodeia. Sempre que a criança dá conta que algum adulto se aproxima tende a cessar os comportamentos regurgitação.

Tipicamente o que acontece é que o bebé ou a criança com mericismo coloca os alimentos na boca, mastiga-os, engole-nos e de seguida regurgita-os. Posteriormente, ao voltar a ter o mesmo produto alimentar na boca, repete o mesmo processo.

Assim sendo, a criança guarda na boca a totalidade ou parte dos alimentos, mastigando-os lentamente, enrolando-os e engolindo-os. Contudo, por vezes uma parte dos alimentos é rejeitada, colocando-se o problema da desidratação e da desnutrição.

Este quadro que se caracteriza por mastigar, regurgitar e repetir o comportamento com o mesmo material é sinal de que uma desorganização psicológica está presente, pelo que perante a presença destes sintomas é importante consultar o médico para que o diagnóstico seja formulado e o tratamento iniciado.

Causas e diagnóstico de Mericismo


mericismo crianca triste a mesa

Causas do Mericismo

A causa do mericismo ainda é desconhecida, no entanto, são vários os autores que levantam diversas hipóteses quanto à origem desta patologia alimentar. Alguns estudos revelam que o mericismo pode estar associado a problemas como a falta de estimulação da criança, negligência, depressão infantil, situações de vida stressantes e dificuldades significativas nas relações familiares.

Esta perturbação parece também estar relacionada com a relação de dependência e autonomia entre a criança e quem a alimenta, que com frequência é a mãe. Nestas situações, a comida é encarada como um equivalente simbólico da mãe, e a criança, perante a dificuldade em gerir a ausência emocional da progenitora, traz novamente a comida à boca, mantendo a sensação fisiológica que lhe permite a organização emocional de que necessita.

Os casos de mericismo associados à dependência e carência da mãe não se devem apenas a situações de negligência ou afastamento por parte da mãe. Muitas vezes, este quadro psicopatológico na sequência do regresso da mãe ao trabalho ou após o ingresso da criança na creche.

Noutros casos, o transtorno de ruminação parece apenas dever-se ao facto de este assumir uma função calmante e estimulante, à semelhança de outros comportamentos motores repetitivos apresentados por vezes na infância.

Efeitos secundários ao nível da saúde são a baixa resistência à doença ou atrasos ao nível do desenvolvimento, do crescimento e da aprendizagem.

Como é realizado o diagnóstico do Mericismo?

O diagnóstico desta patologia passa, primeiramente, pelo despiste de causas físicas e anomalias do aparelho digestivo presentes à nascença. Posteriormente a este despiste importa avaliar a presença de outros importantes sinais de alerta, tais como desnutrição, perda de peso e atraso no desenvolvimento.

Por sua vez, os lactantes com esta perturbação exibem, de forma comum, uma postura característica em que as costas se apresentam tensas e arqueadas, com a cabeça fletida para trás, fazendo movimentos de sucção com a língua e obtendo prazer e satisfação com esta atividade. Podem também apresentar maior irritação, bem como ficarem famintos entre os episódios de regurgitação.

Pais: como lidar com este problema


Os pais dos bebés e crianças que sofrem de mericismo podem apresentar grande sofrimento psicológico, na medida em que tendem a vivenciar o comportamento dos seus filhos com elevada frustração, sentimentos de impotência e baixa confiança na capacidade de desempenho das tarefas parentais.

É comum que perante os sintomas dos filhos os pais manifestem zanga, insistência, comportamentos agressivos ou de evitamento, que acabam por contribuir para a manutenção dos comportamentos por parte da criança, ou até mesmo para o seu agravamento. Assim sendo, perante a presença de uma perturbação alimentar, de como é exemplo o mericismo, importa, acima de tudo, procurar ajuda especializada.

Em condições normais, a alimentação do bebé/criança é um momento gratificante para todos os envolvidos, com potencial para influenciar as trocas afetivas entre os membros da família, fortalecendo os vínculos afetivos. Logo, é extremamente importante identificar e tratar as patologias relacionadas com a alimentação, o mais precocemente possível.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!