Publicidade:

Medos na infância: 12 dicas para acabar com eles

Todos sentimos variados medos ao longo da vida. Os medos na infância parecem-nos sempre os mais assustadores e deixam os pais sem saber como ajudar os filhos a enfrentar o que mais temem. Neste artigo vamos detalhar os medos usuais de cada idade e dar algumas dicas sobre como acabar com eles e ajudar acima de tudo os seus filhos.

 
Medos na infância: 12 dicas para acabar com eles
Crescer envolve muitos desafios e enfrentar os medos é um deles.

O medo é uma reação natural a uma ameaça real ou imaginada. Faz parte do normal desenvolvimento humano. Afinal, quem não tem medo? Ninguém! Todos já sentimos medos em várias ocasiões da nossa vida.

Os medos na infância estão relacionados com questões que tipicamente perturbam as crianças em determinadas fases do seu desenvolvimento.

Não devem ser menosprezados e os cuidadores têm a função de garantir que a criança se sente segura e protegida.

Quando os medos surgem fora da idade em que são normais podemos estar perante uma fobia e ser necessária a ajuda de técnicos especialistas em saúde mental.

Os Medos na Infância


Medo no bebé:

medos na infancia e medos do bebe

São exemplos de medos do bebé:

    • Receio perante estímulos sensoriais intensos;
    • Medo do estranho: com poucos dias de vida o bebé olha mais prolongadamente para a mãe do que para uma pessoa estranha; aos 3/4 meses sorri na presença de rostos familiares, mas não na presença de desconhecidos; aos 7 meses fixa atentamente a pessoa estranha, franze as sobrancelhas e pode mesmo gritar ou chorar;
    • Ansiedade de separação no final do primeiro ano de vida: aos 8 meses é normal o bebé ter uma reação de protesto quando é afastado da mãe. Esta situação diminui com o passar do tempo e quando permanece para além dos 2/4 anos pode corresponder a uma perturbação de ansiedade de separação.

Medo em idade pré-escolar e escolar:

medos em idade escolar e pre escolar

São exemplos de medos da criança em idade pré-escolar e escolar:

  • Receio de criaturas com as quais nunca contactou mas que fazem parte do seu imaginário (monstros, fantasmas);
  • Medo em relação a realidades que ainda não consegue compreender (fenómenos ou desastres naturais, fobias a animais).

Medo na pré-adolescência:

medos na pre adolescencia

São exemplos de medos na pré-adolescência:

  • Medos relacionados com a realização e avaliação académica e desportiva: ansiedade aos testes.

 

Como podem os pais saber se o medo do seu filho é saudável?


crianca cheia de medos

Os medos na infância são transitórios, ou seja, desaparecem por si mesmos.

É motivo de alarme apenas quando:

  • Os medos são inapropriados relativamente à idade: aparecem num período de desenvolvimento em que não seria esperado ou se perduram para lá do período normal. Por exemplo, quando uma criança que aos 12 anos ainda necessita de uma luz acesa para dormir;
  • Os medos são excessivos: quando é mais intenso do que é habitual numa criança de determinada idade e provocam grande mal-estar à criança.

 

12 dicas para os pais: como acabar com os medos na infância!


mae a ajudar crianca

Para os pais este é um período de preocupação, já que muitas vezes não se sentem capazes de ajudar os filhos a lidar com os medos.

Mas não desespere! Ponha em prática as seguintes dicas:

  1. Ajude o seu filho a enfrentar os medos: não o deixe sozinho no combate ao medo;
  2. Ajude-o a exprimir o que sente: contactar com sentimentos não exprimidos relacionados com o medo é o primeiro passo; a libertação de sentimentos e pensamentos ocultos promove a diminuição gradual do medo;
  3. Transmita-lhe confiança, carinho e segurança: mostre-lhe que estará sempre por perto para tudo o que precisar;
  4. Caso se trate de uma criança pequena permita que utilize um objeto de conforto: objeto escolhido pela criança para lhe transmitir sensação de paz e segurança nos momentos mais difíceis;
  5. Escute os receios e as emoções: tranquilize-o; garanta-lhe que o vai ajudar a combater os medos; elaborem um plano conjunto de combate ao medo;
  6. Evite filmes, programas de televisão e jogos de computador que possam ser violentos e provocar medo, insegurança ou incompreensão;
  7. Vá fazendo pequeninas aproximações ao medo: acompanhe sempre o filho e elogie todos os passos que conseguir realizar;
  8. Peça ao seu filho para desenhar o seu medo: desenhar a situação ou aquilo de que tem medo;
  9. Podem também encenar situações que provocam o medo: podem utilizar peças de jogos ou bonecos;
  10. Faça exercícios de relaxamento;
  11. Não faça juízos de valor nem comparações com os irmãos, primos ou amigos: respeite a intimidade do seu filho;
  12. Se o medo persistir pode tornar-se numa fobia: considere recorrer a um psicólogo.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].