Publicidade:

Quais as diferenças entre medicamento genérico, similar e de marca?

Fique a conhecer as diferenças entre medicamento genérico, similar e de marca (ou de referência) para melhor decidir na hora de comprar. Informe-se!

 
Quais as diferenças entre medicamento genérico, similar e de marca?
Sabe o porquê das diferenças de preços entre o medicamento genérico e o de marca?

As diferenças entre o medicamento genérico, similar e de marca (ou de referência) são claras. Vejamos de forma clara em que consiste cada um e no que diferem.

EM QUE CONSISTE O MEDICAMENTO DE MARCA (OU DE REFERÊNCIA)?


medicamento generico e de marca

Para a produção do medicamento de referência o laboratório em questão investe anos em investigação. Geralmente são medicamentos com novos princípios ativos ou que são novidades no tratamento de doenças. A eficácia e a segurança têm necessariamente que ser comprovadas junto das entidades competentes.

Por todos os gastos inerentes a todas estas provas e anos de investigação que têm que ser prestados e pelo seu caráter inovador, estes são protegidos por patente durante os primeiros anos (por um período de 10 a 20 anos). Trata-se de uma forma de garantir a exclusividade e recuperar o dinheiro gasto na investigação do novo produto.

Depois da patente terminar, pode ser produzido legalmente o medicamento genérico dos medicamentos inovadores.

EM QUE CONSISTE O MEDICAMENTO GENÉRICO?


medicamento generico na farmacia

O medicamento genérico pode facilmente ser identificado pela sigla MG (Medicamento Genérico), inserida no exterior da embalagem.

Contêm a mesma substância ativa e a mesma dosagem que o medicamento de marca e são produzidos de acordo com as mesmas normas de qualidade rigorosas, seguindo as mesmas normas de eficácia e segurança esperadas.

À semelhança dos produtos de referência, os genéricos são fabricados em instalações que cumprem as normas das Boas Práticas de Fabrico (BPF) e que são inspecionadas periodicamente pelas autoridades regulamentares.

São mais baratos pelo facto de usarem princípios ativos já existentes e com provas dadas e, portanto, não necessitam de investir em pesquisa e testes clínicos porque estes já foram realizados pelo laboratório do medicamento de marca. Ou seja, o investimento é menor, logo o preço é menor.

Além disso, a legislação impõe que, no momento em que o medicamento genérico chega ao mercado, tem de ser pelo menos 50% mais barato que o medicamento de marca que lhe deu origem.

Para cada princípio ativo, existem vários laboratórios a comercializar o medicamento genérico, o que também origina uma maior competitividade de preços.

Vejamos como exemplo o medicamento Brufen® na dosagem de 600mg. Através de uma pesquisa no Infomed, é possível verificar que existem cerca de 20 medicamentos genéricos deste. Esta é uma realidade que afeta a maioria dos medicamentos de marca cujas patentes caíram.

EM QUE CONSISTE O MEDICAMENTO SIMILAR?


medicamento generico e similar

Os medicamentos similares (ou biossimilares, melhor dizendo) são medicamentos, como o próprio nome indica, similares aos seus medicamentos biológicos de referência. São normalmente utilizados na mesma dose para tratar a mesma doença, embora as substâncias ativas possam ser ligeiramente diferentes.

À semelhança dos medicamentos biológicos, os biossimilares têm uma substância ativa obtida ou derivada de um organismo vivo, como por exemplo, a insulina ou a hormona de crescimento.

Difere em relação ao medicamento genérico no facto de que a sua composição poderá não ser completamente idêntica ao medicamento que lhe deu origem, embora cause o mesmo efeito no organismo.

Os medicamentos biossimilares são essencialmente usados a nível hospitalar e já são usados há bastantes anos com segurança na prática clínica da União Europeia.

O utente deverá conversar com o médico e solicitar a prescrição de medicamento genérico. Podem existir razões que levem o médico a não prescrever determinado genérico, contudo apenas este profissional poderá justificar a sua decisão. Fale com o seu médico.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].