Publicidade:

Medicação para hiperatividade: deve ser opção ou não?

A hiperatividade é uma das perturbações neurodesenvolvimentais mais comuns. A medicação para hiperatividade é o tratamento mais comum, mas será o melhor?

 
Medicação para hiperatividade: deve ser opção ou não?
A hiperatividade é a perturbação mental mais diagnosticada em crianças.

A perturbação de hiperatividade com défice de atenção é o distúrbio neuro-comportamental mais comum na infância e caracteriza-se pela presença de sintomas de hiperatividade, impulsividade e défice de atenção.

O tratamento desta patologia inclui intervenção a nível educacional, psicológico e comportamental, sendo também avaliada a possibilidade de prescrição e implementação de terapêutica farmacológica. Medicação para hiperatividade: sim ou não? Vamos procurar a resposta a esta questão!

Perturbação de hiperatividade com défice de atenção


Medicacao para hiperatividade crianca feliz a brincar

Esta perturbação caracteriza-se pela presença de um padrão persistente de desatenção e hiperatividade-impulsividade, que interfere com o funcionamento diário e com o desenvolvimento.

Alguns dos sintomas de desatenção mais comuns são:

  • Dificuldades em prestar atenção aos pormenores, bem como cometer erros por descuido nas tarefas escolares, no trabalho ou noutras atividades;
  • Dificuldades em manter a atenção no desempenho de tarefas ou atividades;
  • Parecer não ouvir quando se lhe fala diretamente;
  • Não seguir as instruções e não terminar os trabalhos escolares, encargos ou deveres no local de trabalho;
  • Dificuldades em organizar tarefas e atividades;
  • Evitar, não gostar ou estar relutante em envolver-se em tarefas que requeiram esforço mental mantido;
  • Perder objetos necessários para tarefas ou atividades;
  • Distração fácil por estímulos alheios;
  • Esquecer-se com frequência das atividades quotidianas.

Alguns dos sintomas de hiperatividade e impulsividade mais comuns são:

  • Agitar ou bater com as mãos ou os pés ou remexer-se quando sentado;
  • Levantar-se em situações em que se espera que esteja sentado;
  • Correr ou saltar em situações em que é inadequado fazê-lo;
  • Ser incapaz de jogar ou envolver-se com tranquilidade em atividades de lazer;
  • Estar frequentemente em movimento, agindo como se estivesse ligado a um motor;
  • Falar em excesso;
  • Precipitar as respostas antes que as perguntas tenham acabado;
  • Ter dificuldade em esperar pela sua vez;
  • Interromper ou interferir nas atividades dos outros.

 

Medicação para hiperatividade: será uma boa opção?


Medicacao para hiperatividade xarope na colher

Atualmente no nosso país são comercializados e comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde dois estimulantes com indicação para a perturbação de hiperatividade com défice de atenção: o metilfenidato (comparticipado desde 2003) e a atomoxetina (comparticipada desde 2014). O metilfenidato é o psicoestimulante mais consumido no mundo e é o principal medicamento prescrito para o tratamento desta perturbação. Assim sendo, a sua produção e o seu consumo têm vindo a aumentar mundialmente.

A medicação para hiperatividade continua a ser um tema muito controverso e a hipótese de uma eventual medicação excessiva de crianças e adolescentes, bem como do potencial abuso de medicamentos estimulantes é levantada com muita frequência. Mas afinal, medicação para hiperatividade, sim ou não? Vamos descobrir!

Medicação para hiperatividade: sim ou não?

Como vimos anteriormente, tem-se vindo a registar uma tendência crescente de utilização de medicamentos para hiperatividade, não só no nosso país, mas em todo o mundo. Este significativo aumento pode dever-se a variados fatores, nomeadamente a um maior conhecimento acerca da doença e do seu tratamento por parte dos profissionais de saúde e da população em geral.

O tratamento da perturbação de hiperatividade com défice de atenção deve incluir uma intervenção multimodal, supervisionado por um especialista em perturbações do comportamento na infância, que inclua:

  • Aconselhamento e intervenção a nível educacional: por exemplo, apoio educativo individualizado ou apoio educativo especializado);
  • Intervenção psicológica e comportamental: visa a modificação dos comportamentos inadaptados através de esquemas de reforços que incrementam os comportamentos desejáveis e fazem diminuir os indesejáveis, bem como pretende levar crianças e adolescentes a refletir e a controlar melhor o seu comportamento, nomeadamente aprender a aguardar a sua vez e a pensar melhor antes de responder).

É no âmbito da implementação de um programa integrado de tratamento que deve ser avaliada também a possibilidade de prescrição de terapêutica farmacológica que, mais uma vez, deve ser feito sob supervisão de um especialista em perturbações do comportamento na infância.

Quanto à prescrição de terapêutica farmacológica a crianças e adolescentes com perturbação de hiperatividade com défice de atenção, as recomendações de diversas entidades vão no sentido de que esta não deve ser o tratamento de primeira linha a utilizar em todas as situações. Assim sendo, a medicação para hiperatividade em crianças e adolescentes destina-se especialmente àquelas crianças e adolescentes que não responderam de forma adequada ao tratamento psicológico, cujos sintomas sejam moderados ou severos.

Todavia, nos casos em que a avaliação médica conclui que é pertinente iniciar terapêutica farmacológica, esta tende a ser determinante na qualidade de vida de crianças e adolescentes. Mais ainda, a intervenção farmacológica tem o benefício de ser de fácil administração e de atuar rapidamente ao nível das condutas comportamentais mais alteradas.

Em suma…


É frequente que a intervenção ao nível da perturbação de hiperatividade com défice de atenção resulte de uma combinação de intervenções de ordem médica, psicológica e pedagógica.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].