7 cuidados a ter para levar o cão à praia

Levar o cão à praia pode ser muito convidativo na época do verão. No entanto, deve lembrar-se dos cuidados a ter com o seu patudo antes do passeio.

Powered by: Vetecare
7 cuidados a ter para levar o cão à praia
Apenas algumas praias permitem animais

Para levar o cão à praia deve ter em consideração alguns cuidados, de forma a garantir o bem-estar do seu melhor amigo. Apesar de ser muito bom levar o seu cão como companhia para um dia bem passado ao sol, deve saber que estes são muito sensíveis ao calor e outros perigos que existem perto do mar.

7 cuidados a ter para levar o cão à praia


1. Fazer um check-up

levar o cao a praia medica veterinaria a observar cao

Para garantir que está tudo bem de saúde com o seu cão antes de o levar à praia, é recomendável que o leve a uma consulta com o seu médico veterinário. Nessa consulta pode aproveitar para verificar se existe alguma desparasitação ou vacinação em atraso e colocar em dia esses cuidados profiláticos.

Existem várias condições que só o médico veterinário poderá diagnosticar e tratar atempadamente. Para evitar gastos maiores em consultas de diagnóstico e possíveis exames, saiba que o plano de saúde animal Vetecare vai ajudá-lo a poupar. Desde 13€ por mês para 1 ou 2 animais de companhia tem acesso a uma vasta rede de profissionais que podem ajudar o seu patudo.

No caso de cães com determinadas doenças, idosos ou cachorros com menos de 4 meses de idade não é aconselhável irem à praia. Portanto, deve aproveitar a consulta com o seu médico veterinário para questionar acerca da possibilidade de levar o cão à praia.

2. Garantir que a praia que frequenta permite cães

Os cães podem ir à praia sim, no entanto nem a todas. A lei 159/2012 de 24 de Julho regula a elaboração e a implementação dos planos de ordenamento da orla costeira e estabelece o regime sancionatório aplicável às infrações praticadas na orla costeira, no que respeita ao acesso, circulação e permanência indevida em zonas interditas e respetiva sinalização.

Em qualquer praia não concessionada marítima, fluvial ou lacustre, é permitido levar o cão à praia, desde que não haja sinalização para a indicar o contrário. No entanto, em praias concessionadas durante a época balnear, a maioria das praias não permite cães, e passear com cães nessas praias pode dar direito a multas.

Pode consultar no site da agência portuguesa do ambiente quais as praias que permitem cães.

3. Escolher um local com sombra

Os cães são muito sensíveis ao calor, especialmente as raças de pelo comprido e braquicéfalos. Sempre que leva o seu cão para a praia deve evitar as horas de maior calor e garantir que existem sombras onde o cão irá permanecer.

Nunca deixe o cão ao sol pois, pode queimar a sua pele gravemente e pode inclusive ocorrer um golpe de calor levando o cão a um aquecimento térmico grave que leva à morte.

Caso não consiga garantir que a praia tem locais com sombra, deve levar um guarda-sol. Muitas vezes o guarda-sol pode não ser o suficiente e é necessário levar uma tenda para o cão se abrigar. Fazer covas na areia e permanecer na areia molhada também é melhor para manter o animal mais fresco.

4. Água sempre à disposição

levar o cao a praia cao a beber agua fresca

Ainda que à sombra, o calor pode levar a desidratação e golpes de calor. Portanto, opte por ter sempre água própria para consumo à disposição. Evite também que beba a água do mar ou rio.

Deve levar uma gamela e água fresca, e mudar várias vezes a água que fica na gamela para a manter o mais fresca possível. Pode optar por levar algumas pedras de gelo para arrefecer a água.

5. Esteja atento a sinais de sobreaquecimento

Ainda que com todos os cuidados para garantir que o cão se mantém a uma temperatura fresca, o cão pode desenvolver sinais de sobreaquecimento, que podem levar a um golpe de calor.

Os principais sinais são:

  • Respiração rápida e ofegante;
  • Vómitos;
  • Diarreia;
  • Temperatura corporal acima dos 40-41ºC;
  • Corpo quente;
  • Descoordenação;
  • Perda de consciência/ desmaio.

Se levar o cão à praia e ele demonstrar algum destes sintomas, saiba que pode estar a desenvolver um golpe de calor, tratando-se de uma emergência médica. Deve tentar arrefece-lo com toalhas molhadas e levá-lo de imediato ao veterinário.

6. Atenção à temperatura da areia

Se a areia nos queima os pés, a eles também queima as almofadas plantares. Em horas de maior calor é importante estar atento à temperatura da areia e evitar andar na areia seca, pois pode levar a queimaduras graves nas almofadinhas.

7. Perceba se o cão gosta de praia

levar o cao a praia cao deitado na areia

Os tutores podem adorar ter a companhia do seu patudo, no entanto para o cão, ir à praia pode ser um grande stress. É importante perceber se o seu cão aprecia a visita à praia, pois caso contrário, um passeio que devia ser algo positivo pode passar a ser traumático.

Alguns cães gostam de brincar na areia, mas têm medo da água e molharem-se pode ser um grande castigo para eles. Se o seu cão não gosta de se molhar, não insista pois pode provocar ainda mais receio.

Outros cães, adoram nadar, e nesse caso deve ter o cuidado de o vigiar enquanto está dentro de água, pois podem ser arrastados pelas correntes.

Se o cão for à água não se esqueça de o secar com uma toalha e quando chegar a casa lavá-lo para evitar problemas de pele, tanto da água como areia.

Veja também:

Fontes

1. Decreto Lei nº 159/2012 de 24 de Julho. Diário da República nº 142 – 1ª Série. Disponível em:
https://dre.pt/application/conteudo/179368

2. Agência Portuguesa do Ambiente. Disponível em:
https://apambiente.pt/

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.