Publicidade:

Leucemia: o que se sabe sobre esta doença?

A leucemia é uma doença do sangue, onde existe uma rápida produção de leucócitos anormais. Venha descobrir quais as consequências e os principais sintomas.

 
Leucemia: o que se sabe sobre esta doença?
Uma doença que afeta os glóbulos brancos.

A leucemia é um tipo de cancro maligno que tem início nas células do sangue. Verificam-se alterações nos glóbulos brancos, ou leucócitos, caraterística esta que define esta doença mas cuja causa ainda não é conhecida.

Neste artigo iremos abordar os principais sintomas e fatores de risco associados, bem como algumas formas de tratamento. Assim, pretende-se que seja mais fácil reconhecer um caso destes e lidar com este problema, se já tiver algum conhecimento sobre o que é uma leucemia.

Apesar de não ser possível ainda determinar as causas, e por isso mesmo determinar as melhores formas de prevenção, a investigação contínua e a evolução da ciência permite que adultos e crianças consigam ter uma melhoria da qualidade de vida e uma probabilidade menor de ter consequências mais graves.

O que acontece na leucemia?


leucemia globulos vermelhos e brancos

Num organismo dito normal, que funciona da forma ideal, as células seguem um pequeno ciclo repetitivo. Elas nascem, crescem e dividem-se em células novas que continuam o ciclo anterior. Quando as células se tornam velhas, acabam por morrem naturalmente. Este processo verifica-se em todas as células do nosso corpo.

As células do sangue formam-se na medula óssea, uma substância que existe no interior dos ossos. Antes de se tornarem adultas, têm o nome de células estaminais e quando atingem certa idade, deslocam-se para a corrente sanguínea.

Quando chegam ao sangue, podem ter uma das três funções seguintes e, segundo isso, um nome:

  1. Ajudar a combater infeções – glóbulos brancos ou leucócitos;
  2. Transportar oxigénio para todo o organismo – glóbulos vermelhos ou eritrócitos;
  3. Formação de coágulos que controlam as hemorragias – plaquetas.

Acontece que por vezes o ciclo descrito tem falhas e existe formação de novas células, quando o organismo ainda não precisa delas. É o que ocorre numa leucemia, onde há uma irregularidade na formação das células do sangue, nomeadamente nos glóbulos brancos.

Assim, no início esta formação não é grave uma vez que as outras células já existentes camuflam as células “doentes” que acabaram de se formar. No entanto, chega a uma altura em que as células de leucemia ultrapassam em número os glóbulos brancos saudáveis, os glóbulos vermelhos e as plaquetas, tornando-se impossível o sangue exercer a sua importante função.

Que tipos de leucemia existem?


celula leucemia

Existem diversos tipos de leucemias e nem sempre é fácil distingui-las ou perceber as diferenças entre elas uma vez que o que as distinguem são pormenores clínicos muito específicos.

No entanto, inicialmente podemos dividi-las de acordo com as células estaminais pluripotentes que dão origem a duas linhagens de células: linfoide e mieloide. A primeira dá origem aos linfócitos e plasmócitos, traduzindo-se em leucemias linfoides ou linfoblásticas e a linfomas. Já as mieloides, dão origem a leucemias mieloides.

Além destas caraterísticas, é ainda possível distingui-las de acordo com a sua apresentação clínica. Existem leucemias que progridem e aparecem de forma súbita – leucemias agudas – e outras cujo o seu percurso é lento e gradual – leucemias crónicas.

Resumindo temos então:

  • Leucemia linfoblástica aguda – a leucemia mais comum em crianças;
  • Leucemia mieloide aguda – típica em crianças e adultos;
  • Leucemia linfoide crónica – unicamente em adultos;
  • Leucemia mieloide crónica – unicamente em adultos.

 

Quais os principais sintomas da leucemia?


leucemia medicao da temperatura corporal

Tal como noutras doenças, os sintomas de uma leucemia crónica não são exclusivos, o que acaba por complicar o diagnóstico precoce. De qualquer forma, o facto de possuir alguns dos sintomas que iremos abordar de seguida, não significa que apresente esta doença. Deve, no entanto, visitar o seu médico de forma a fazer os exames apropriados e perceber qual poderá ser a causa do problema.

Numa fase precoce e inicial, esta doença pode não apresentar sintomas, podendo manter-se durante meses ou anos assim. Por isso mesmo, o seu diagnóstico é frequentemente feito numa simples análise de sangue feita pelo doente por mera rotina ou por qualquer outra suspeita que não a leucemia.

Os sintomas associados são:

  • Anemia: acontece devido à diminuição de glóbulos vermelhos no sangue e pode causar sensação de cansaço ou mesmo falta de ar;
  • Hemorragias: o facto de haver um número reduzido de plaquetas em circulação no sangue, leva muitas vezes a feridas e/ou hemorragias gengivais ou na pele e mucosas;
  • Infeções: os linfócitos têm a função de defenderem o organismo de infeções e, quando são substituídos por linfócitos doentes, como nesta doença, estes deixam de realizar a sua tarefa;
  • Aumento dos gânglios linfáticos e do baço;
  • Febre;
  • Transpiração noturna;
  • Perda de peso.

 

4 Fatores de risco mais importantes na leucemia


leucemia casal sexagenario

De todos os fatores de risco já estudados e que se relacionam com esta doença, existem quatro que se tornam mais evidentes quando se fala de um caso de leucemia. São eles:

  1. Idade: ter mais do que 60 anos (dependendo do tipo de leucemia);
  2. Sexo masculino;
  3. Antecedentes familiares: quanto mais diretos, maior o risco;
  4. Doenças auto-imunes: sempre que uma doença produz anticorpos contras glóbulos vermelhos ou plaquetas, aumento o risco de se desenvolver uma leucemia.

 

Como é feito o tratamento em caso de leucemia?


leucemia medico e paciente em tratamento

Não é fácil explicar de uma forma sucinta o tratamento de uma leucemia até porque este vai depender muito do tipo, dos sintomas, da evolução e mesmo do próprio doente. Por isso mesmo, cabe à equipa média escolher o melhor tratamento a seguir.

No entanto, as opções passam pela quimioterapia, imunoterapia com anticorpos monoclonais, radioterapia e, por vezes, transplante de medula.

O objetivo comum é mesmo normalizar as células do sangue e da medula, para que estes comecem a funcionar normalmente e a produzir células normais.

Veja também:

Farmacêutica Rita Teixeira Farmacêutica Rita Teixeira

Licenciada em Estudos Básicos de Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e a terminar o mestrado em Ciências Farmacêuticas na mesma Universidade. É apaixonada pela escrita, por viagens e pela organização de eventos de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].