Herpes ocular: o que sabe sobre esta doença?

O herpes ocular é um vírus que afeta homens e mulheres e que se pode manter silencioso durante vários anos. Saiba a que sinais deve estar atento.

 
Herpes ocular: o que sabe sobre esta doença?
Um dos tipos de herpes mais comuns, saiba tudo

Quase todos os leitores, de alguma forma, já ouviram falar de herpes, nomeadamente de herpes ocular. O herpes que se manifesta nos olhos, conhecido com herpes ocular, é uma infeção no olho causada pelo vírus herpes simplex (HSV) tipo I (o mesmo que causa herpes labial, bastante frequente entre a população mundial). Esta infeção causa geralmente comichão, olhos vermelhos e lacrimejantes, confundindo-se na maior parte das vezes com uma conjuntivite.

De uma forma geral, as principais manifestações da doença são unilaterais, ou seja, apenas se manifestam num dos olhos, mas é possível que se estenda também ao outro olho passando a ter o nome de herpes ocular bilateral.

Quando este tipo de herpes surge, é importante que fique atento ao surgimento de alguns sintomas, pois quando não tratado de imediato este vírus pode causar problemas de visão, como visão embaçada ou até mesmo cegueira nos casos mais graves.

Conheça os principais sintomas do herpes ocular bem como as causas e possíveis tratamentos.

Quais são os principais sintomas do herpes ocular?


herpes ocular vermelhidao no olho

Os principais sintomas do herpes ocular confundem-se muitas vezes com uma conjuntivite. Deve estar atento aos seguintes sinais:

  • Sensibilidade à luz;
  • Sensação de ter um corpo estranho no olho;
  • Coceira no olho;
  • Vermelhidão e irritabilidade no olho;
  • Ardor no olho;
  • Presença de bolhas com uma borda vermelha e líquido no rosto;
  • Produção exagerada de lágrimas;
  • Visão turva;
  • Dor no olho constante ou ao coçar;
  • Fotofobia;
  • Surgimento de uma ferida na córnea com possibilidade de febre e mal-estar nas primeiras 48 a 72 horas.

 

Como é feito o tratamento para o herpes ocular?


herpes ocular gotas nos olhos

Antes de mais, assim que surjam os primeiros sintomas é importante que seja visto por um oftalmologista para que este o consiga avaliar, fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento assim que possível. O diagnóstico precoce ajuda a diminuir as complicações que podem vir a surgir nestes casos, como por exemplo e cegueira.

O primeiro ponto a ter em atenção ao fazer o diagnóstico é perceber qual o vírus causador. Se o vírus do herpes tipo I ou se o vírus da varicela, que apresenta sintomas muito semelhantes ao primeiro, mas que necessita de tratamento e cuidados diferentes.

Feito o diagnóstico, o tratamento é iniciado tendo em consideração o aspeto, local e a extensão da lesão, sendo que a maior parte dos pacientes responde bem ao uso de medicamentos antivirais por via oral, transdérmica ou através de colírios. Os antivirais prediletos são o Aciclovir ou o Valaciclovir e como analgésicos a Dipirona ou Acetominofen, que ajudam no alívio rápido da dor.

Como prevenção, o médico muitas vezes receita também pomadas de bacitracina polimixina ou colírios, que ajudam a proteger o olho, evitando assim o aparecimento de infeções secundárias causadas não por vírus, mas por bactérias, quando o olho se encontra mais sensível.

Em casos extremos o tratamento pode também ter que passar por tratamentos cirúrgicos, como um transplante de córnea, no entanto são situações muito raras.

Quais são as principais causas do herpes ocular ?


virus herpes ocular

O vírus do herpes é um vírus muito comum. A maior parte da população já foi infetada, no entanto na maior parte dos casos o vírus permanece latente, ou seja, silencioso.

Mas, a partir do momento que o surto inicial ocorre e que não é tratado, há cerca de 40 ou 50% de probabilidade deste voltar a aparecer e desencadear uma infeção.

No entanto não há um prazo específico para o herpes ocular reaparecer, sendo que poderá demorar semanas ou mesmo vários anos desde a ocorrência inicial.

Numa primeira infeção, são raros os casos em que se verificam manifestações da doença, mas estas surgem com a exposição a certos fatores. Quando o portador do vírus tem uma baixa imunológica, ou em casos de viroses, exposição excessiva ao sol, infeções que levem a episódios de febre, período menstrual no caso das mulheres, traumas, distúrbios pós-cirúrgicos ou stress este fica mais suscetível e a doença manifesta-se.

Pode haver transmissão do herpes ocular?


herpes ocular herpes labial

O herpes ocular é um vírus contagioso e pode ser transmitido através do contacto de uma pessoa infetada (desde que o vírus esteja ativo e não silencioso) com uma não infetada.

O contacto direto com bolhas ou úlceras com líquido nos lábios é uma das principais vias de transmissão, mas também pode ser transmitido através de mãos que tenham estado em contacto com essas feridas, entrando depois em contacto com os olhos.

Também feridas de herpes no rosto, gotículas de saliva ou secreção nasal, são algumas das fontes de transmissão.

Formas de prevenção da herpes ocular


herpes ocular lavar as maos

Sabendo que o herpes ocular é uma doença contagiosa, existem algumas medidas simples que pode tomar no dia-a-dia de forma a prevenir a transmissão deste vírus. São elas:

  • Lavar as mãos frequentemente;
  • Evitar o contacto das mãos com os olhos, especialmente se estiver com herpes noutro local;
  • Evitar o contacto direto com doentes potencialmente infetados com herpes;
  • Evitar utilizar produtos de higiene pessoal e maquilhagem de outras pessoas;
  • Cuidados redobrados no manuseamento e desinfeção de lentes de contacto;
  • Evite situações de stress e tenha hábitos de saúde saudáveis.

 

Veja também:

Farmacêutica Rita Teixeira Farmacêutica Rita Teixeira

Licenciada em Estudos Básicos de Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e a terminar o mestrado em Ciências Farmacêuticas na mesma Universidade. É apaixonada pela escrita, por viagens e pela organização de eventos de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].