Publicidade:

Gripe canina: saiba mais sobre esta infeção respiratória

A gripe canina é uma infeção respiratória contagiosa, mas raramente causa problemas graves nos animais. Conheça alguns sinais e saiba como preveni-la.

 
Gripe canina: saiba mais sobre esta infeção respiratória
Saiba mais sobre esta infeção que ocorre em grupos de cães.

A gripe canina é uma infeção do sistema respiratório dos cães, à semelhança do que acontece na gripe dos humanos. É bastante contagiosa, pelo que se transmite facilmente de um cão para outro, e não tem nenhuma época do ano em que seja mais prevalente.

O vírus foi inicialmente identificado em 2004 na Florida em galgos de corrida, e pensa-se que a estirpe canina terá tido origem na estirpe que afetava cavalos.

Gripe canina: fatores importantes


Etiologia e transmissão

gripe canina e virus da gripe

A gripe canina é causada pelo vírus da influenza canino, similar ao das pessoas. Este vírus tem duas estirpes conhecidas por afetar canídeos: a H3N8 e a H3N2. Não é conhecida a sua transmissão aos humanos.

Devido ao facto de ser uma infeção altamente contagiosa, os grandes surtos são mais comuns em locais onde haja uma grande concentração de cães e que estes estejam em contacto próximo, como é o caso, por exemplo, dos canis, hóteis caninos e parques.

A transmissão do vírus dá-se pelas secreções respiratórias (tosse, espirros, ladrar), objetos contaminados (gamelas de água, trelas) e nas mãos e roupas de pessoas que tenham estado em contacto com animais afetados.

Sinais clínicos

cao cansado

O período de incubação (tempo que decorre desde que o animal é infetado pelo vírus até ao início dos sinais clínicos) é de 2 a 4 dias, altura em que a excreção do vírus é elevada. É importante referir que cerca de 20% dos cães infetados pelo vírus da influenza não vão manifestar sinais , no entanto irão excreta-lo e serão fontes de infeção para outros.

Os restantes 80% desenvolvem uma infeção respiratória ligeira, com tosse seca seguida de esgar que persiste entre 1 a 3 semanas e pode ser facilmente confundida com a da Tosse de canil. Outros dos sinais presentes são descarga ocular e nasal, espirros, febre, apatia e falta de apetite.

Em casos mais graves pode haver febre alta (+ de 40ºC) com o desenvolvimento de pneumonias e infeções bacterianas secundárias, levando a que cerca de 10% dos animais afetados não resista.

Diagnóstico

analise ao sangue

A gripe canina não pode apenas ser diagnosticada através dos sinais clínicos, uma vez que estes são bastante semelhantes aos de outras doenças.

Não existe nenhum teste rápido específico para a gripe canina, no entanto, em animais que estão doentes há menos de 3 dias pode-se obter amostras dos fluídos nasais ou da faringe e procurar pela presença do vírus.

Em cães que apresentam sinais há mais de uma semana, pode-se pesquisar por anticorpos no sangue. Este teste terá de ser repetido após o cão melhorar para confirmar a regressão da infeção.

No caso de haver alterações pulmonares, uma radiografia ao tórax poderá ser realizada.

Tratamento

medica veterinaria com cao

É necessária a opinião médico veterinária sobre qual a opção terapêutica a seguir. O tratamento para a gripe canina, assim como para a maioria das infeções virais, é essencialmente de suporte, ou seja, serve apenas para combater as consequências da infeção e impedir que evoluam enquanto que o sistema imunitário do próprio combate o vírus.

Não existe tratamento específico para a gripe canina, mas sim para as suas complicações. Cães que tenham pneumonia ou uma infeção bacteriana secundária poderão necessitar de antibióticos, anti-inflamatórios e soro.

Uma boa nutrição e maneio também ajudam a tornar a resposta imunitária mais eficaz.

Controlo e prevenção da Gripe canina


limpeza de canil

As práticas de rotina para evitar a infeção, principalmente em locais que alojem grupos de cães, passam por uma boa higiene das instalações e por separar aqueles animais que pareçam estar afetados.

O vírus da influenza canina persiste no ambiente por 1 a 2 dias, mas é facilmente eliminado através dos desinfetantes comuns.

A vacinação contra a gripe canina existe, no entanto a sua administração varia consoante a avaliação do risco do cão se vir a infetar ou não.

Siga as recomendações do seu médico veterinário.

Veja também:

Drª Rita Campilho Drª Rita Campilho

Rita Campilho é médica veterinária. Apesar de viver na cidade, sempre teve contacto com animais e desde cedo que percebeu a importância destes como parte integrante do ecossistema. Tornou-se médica veterinária no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto e atualmente trabalha com cavalos, cães e gatos. Também com cães na família, acredita que é através da educação e do conhecimento sobre comportamento e saúde animal que se consegue o melhor para os animais e para quem vive com eles.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].