Golpe de calor nos animais: o que fazer em caso de emergência

Um golpe de calor nos animais pode ser fatal, pelo que deve ser tratado como uma emergência. Saiba identificar os sinais e o que deve fazer nesta situação.

Powered by: Vetecare
Golpe de calor nos animais: o que fazer em caso de emergência
A temperatura corporal dos animais é entre 38º a 39ºC

O golpe de calor nos animais é uma das causas de morte mais frequentes de morte na altura de calor, principalmente no verão.

Algumas raças são mais predispostas ao desenvolvimento deste quadro clínico agudo, no entanto todos os animais são suscetíveis de desenvolver esta situação, de acordo com as condições às quais são sujeitos.

O que é um golpe de calor nos animais?


golpe de calor nos animais cao a arfar

O golpe de calor carateriza-se por uma subida de temperatura corporal do animal acima dos 40ºC, considerando a sua temperatura normal entre 38 e 39ºC com variações de 0,5ºC, sem existência de febre, ou seja, apenas por aquecimento físico.

Por que acontece o golpe de calor nos animais?

Os animais não transpiram como os humanos, então arrefecem a sua superfície corporal através da respiração e evaporação da humidade, daí que seja comum ouvir os cães a “arfar” quando está muito calor. Isto significa que o cão está com calor e, sentindo-se quente, tenta arrefecer a sua superfície corporal dessa forma.

Caso a temperatura corporal dos animais sofra um aumento repentino, não vão conseguir dissipar todo o calor de uma forma rápida e eficiente, e a sua temperatura corporal começa a subir, provocando um golpe de calor nos animais.

Animais mais sensíveis ao golpe de calor nos animais


 golpe de calor nos animais pug a passar no jardim

O golpe de calor nos animais pode acontecer em cães e gatos de qualquer idade, tamanho e raça, no entanto, algumas caraterísticas tornam os animais mais propensos a desenvolver este problema se estiverem expostos a condições de calor.

1. Animais geriátricos

Os animais acima dos 8 anos de idade são um dos grupos mais sensíveis ao desenvolvimento de um golpe de calor, tal como acontece com as pessoas, uma vez que podem existir problemas na sua regulação corporal, ou esta regulação pode acontecer de uma forma mais lenta.

2. Animais muito jovens

Animais com menos de 12 semanas ainda não têm o seu organismo totalmente desenvolvido e são mais sensíveis a variações de temperatura, tanto frio como o calor, uma vez que o seu organismo ainda não está adaptado a responder de uma forma tao eficiente.

3. Animais com problemas cardiorrespiratórios

Animais com problemas cardíacos ou respiratórios não conseguem ter uma eficiência respiratória igual aos outros animais saudáveis, o que é necessário para conseguir regular a sua temperatura corporal em alturas de maior calor. Assim, são mais suscetíveis ao desenvolvimento de golpe de calor por não conseguirem dissipar o calor com eficácia.

4. Obesos

Animais obesos são mais propensos a desenvolver golpe de calor pois o seu mecanismo de regulação térmica está alterado por aumento da quantidade de gordura, não sendo possível que o organismo seja tão eficiente a baixar a temperatura. Também, animais obesos, têm menor quantidade de água no organismo.

5. Raças braquicéfalas

Raças braquicéfalos, ou seja, com o focinho achatado, como os pug, os buldogue e os persa, têm grande probabilidade de desenvolver golpes de calor, daí que seja extremamente importante redobrar os cuidados com estes animais.

Sinais de golpe de calor nos animais


Os sinais mais comuns de golpe de calor nos animais são os seguintes:

  • Temperatura corporal superior a 40ºC;
  • Respiração ofegante, acelerada (taquipneia) e ruidosa;
  • Dificuldade em respirar (dispneia);
  • Fraqueza muscular;
  • Prostração;
  • Pele quente;
  • Batimento cardíaco acelerado (taquicardia);
  • Salivação excessiva;
  • Diarreia;
  • Vómito;
  • Descoordenação motora;
  • Perda de consciência;
  • Tremores;
  • Convulsões;
  • Coma;
  • Morte.

 

O que fazer em caso de golpe de calor nos animais?


 golpe de calor nos animais cao a ser examinado por veterinaria

Um golpe de calor nos animais é uma emergência e, portanto, deve ser tratado como tal, de imediato. Como tal, deve levar o seu animal de imediato ao médico veterinário, assegurando-se que entretanto toma algumas medidas que visam reduzir a temperatura corporal do seu animal.

Enquanto não chega à clínica com o seu animal, deve molhar todo o seu corpo com água fria, sem nunca utilizar água gelada ou gelo, podendo provocar um choque térmico. Pode também molhar toalhas e colocar sob o seu corpo para conseguir abranger uma área maior de superfície corporal.

Molhe todo o corpo do cão, mas incida especialmente nas zonas glabras, onde a absorção é maior, como por exemplo nas coxas e axilas.

Se possível ligue o ar condicionado ou ventoinhas de forma a manter o ar o mais fresco possível. Se o animal estiver consciente pode oferecer-lhe água, mas sem nunca o forçar a beber. Nunca force água, especialmente se o animal está inconsciente sob risco de provocar uma pneumonia por aspiração, que pode provocar ainda mais o seu quadro clínico.

Um golpe de calor nos animais pode provocar sequelas graves nos seus órgãos internos, como o rim e o fígado, daí que seja importante uma avaliação médico veterinária, ainda que pareça que o animal ficou bem.

Um plano de saúde adequado pode ser uma ajuda para poupar o máximo possível nestas situações. A Vetecare dispõe de um plano de saúde de animal a partir de 13€ por mês para 2 animais de companhia, que inclui diversos descontos em serviços veterinários em Hospitais, clinicas e consultórios por todo o país, nas mais variadas especialidades e exames.

Conheça as condições do plano de saúde Vetecare >>

Como evitar um golpe de calor nos animais?


 golpe de calor nos animais dono a dar agua a cao

Uma vez que o golpe de calor nos animais acontece devido a uma exposição exagerada ao calor, especialmente em animais em grupos de risco, deve evitar ao máximo expor o seu animal ao calor.

Em alturas de calor cumpra sempre as seguintes indicações:

  • Deixe sempre água fresca à disposição do animal;
  • Nunca deixe os animais em áreas quentes fechados, especialmente no interior do carro, ainda que seja com os vidros abertos;
  • Quando viaja faça várias pausas para o animal descansar;
  • Não force o cão a praticar exercício físico em horas de calor;
  • Prefira passear com o cão de manhã e à noite, ou seja, períodos de menor calor;
  • Nunca deixe o cão preso ao sol, sem uma sombra;
  • Se o seu cão pertence a um grupo de risco, tenha ainda mais cuidado com o calor, pois temperaturas até não muito elevadas podem levar a um golpe de calor nos animais.

 

Veja também:

Fonte

1. International Journal of Current Microbiology and Applied Sciences. (2019). Management of Heat Stroke in Dogs. Disponível em:
https://ijcmas.com/8-5-2019/P.%20Abinaya,%20et%20al.pdf

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.