FODMAP: os responsáveis por problemas gastrointestinais

FODMAP é uma denominação originária da Austrália. Relaciona-se com a presença de determinados hidratos de carbono nos alimentos que provocam distúrbios gastrointestinais.

FODMAP: os responsáveis por problemas gastrointestinais
Descubra o que são e por que têm efeitos negativos.

Desconhecidos da maioria das pessoas, os alimentos FODMAP’s podem estar relacionados com alguns dos problemas intestinais mais comuns.

Os alimentos e a dieta FODMAP tiveram origem na Austrália no ano de 1999 com o objetivo de tratar problemas relacionados com a Síndrome do Intestino Irritável (SII), mas só agora parecem começar a ter uma maior notoriedade noutras partes do mundo.

O que são FODMAP’s?


FODMAP e leguminosas

De uma forma simples, FODMAP é um acrónimo para Fermentable Oligosaccharides Disaccharides  Monosaccharides and Polyols, traduzindo para a nossa língua significa que são alimentos que possuem oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis.

  • Oligossacarídeos: encontrados em alimentos como o trigo, o centeio, a cebola, o alho e leguminosas.
  • Dissacarídeos: encontradas em produtos lácteos como leite, queijos e iogurtes.
  • Monossacarídeos: encontrados no mel, fruta, xaropes de milho, entre outros.
  • Polióis: encontrados em algumas frutas e vegetais e usados como edulcorantes artificiais.
  • Fermentáveis/Fermentação: processo através do qual as bactérias intestinais fermentam os hidratos de carbono não digeridos para produzir gases.

Esta família de hidratos de carbono de cadeia curta mal absorvidos no intestino aumenta a carga osmótica no intestino delgado. Isso significa que a água será atraída para o intestino e isso pode causar diarreia. Após a passagem para o cólon, as FODMAPS são rapidamente fermentadas por bactérias, criando gás.

Os FODMAP são encontrados naturalmente em muitos alimentos e alguns aditivos alimentares.

Alimentos com baixo teor de FODMAP (alimentos a ingerir sem restrição)


mirtilos num cesto

Estes são os alimentos com baixo teor em FODMAP’s que pode consumir:

  • Legumes: alface, cebolinho, pepino, funcho, beringela, brócolos e espinafres.
  • Frutas: Mirtilos, framboesas, morangos, abacaxi, uvas e kiwis.
  • Carnes: Frango, carne, peru, carnes processadas (fiambre, paio, mortadela, etc) e cordeiro.
  • Peixe: Caranguejo, lagosta, salmão, atum e camarão.
  • Gorduras: Óleos, sementes, manteiga, amendoim e nozes.
  • Amidos, cereais e grãos: batatas, pão sem glúten, quinoa, arroz integral, tortilhas e pipoca.

 

Alimentos com alto teor de FODMAP (alimentos a não ingerir ou ingerir com restrição)


dentes de alho

Estes são os alimentos com alto teor em FODMAP’s que não deve consumir:

  • Legumes: Alho, aspargos, cebolas, cogumelos, feijão preto, chalotas e cebolas.
  • Frutas: Amoras, melancias, ameixas, pêssegos, tâmaras e abacates.
  • Carnes: Salsichas, carnes panadas, carnes servidas com molhos à base de alho ou cebola.
  • Peixe: peixe panado, peixe servido com molho à base de alho ou cebola.
  • Gorduras: Amêndoas, castanha de caju, pistachios, abacate.
  • Amidos, cereais e grãos: feijão, lentilhas, trigo e pão à base de glúten, centeio, bolos de pastelaria e massa.

 

Como funciona a dieta FODMAP?


dieta restritiva

A dieta FODMAP limita os alimentos que possuem FOPMAP’s e que demonstram agravar os sintomas intestinais e causar sintomas de SII, tais como inchaço intestinal, gases e dor abdominal.

A dieta começa com um período de 2 a 6 semanas de alta restrição e depois transita para uma dieta mais relaxada, onde os alimentos vão sendo gradualmente reintroduzidos na alimentação.

Apesar de aqui estar presente a palavra “dieta”, a mesma apenas se relaciona com uma abordagem que se destina à eliminação de determinados alimentos, não se destina à perda de peso.

O sucesso da restrição de FODMAP’s e um acompanhamento alimentar/nutricional individualizado provou ser um tratamento promissor para reduzir os sintomas gastrointestinais, em indivíduos com SII ou não, como é o caso de atletas de alta competição.

FODMAP e exercício físico


exercicio fisico e dieta

Curiosamente, os sintomas da SII são muito semelhantes aos sintomas gastrointestinais que os atletas experienciam durante ou após o exercício. Esses sintomas incluem inchaço, diarreia, flatulência e dor abdominal.

As mais recentes evidências sugerem que o uso de uma dieta com poucos alimentos possuidores de FODMAP’s ou de uma restrição total de FODMAP’s pode ser benéfico para reduzir os sintomas em atletas que lutam com este tipo de problemas gastrointestinais associados ao exercício.

É possível que os FODMAP’s ingeridos antes ou depois da prática de exercício físico vigoroso possam piorar os sintomas de GI. Apesar desta ser uma área de pesquisa muito recente e os mecanismos específicos do atleta ainda não são bem entendidos, esta dieta pode ser uma ferramenta promissora para os atletas que lutam com os sintomas gastrointestinais.

Nota importante…


Uma abordagem feita nos alimentos com FODMAP pode ser uma ferramenta promissora para o tratamento de sintomas gastrointestinais. Contudo, recomenda-se sempre a supervisão de um nutricionista ou um profissional de saúde com experiência na área para que a implementação da dieta tenha o sucesso desejado.

É importante dizer que os atletas com problemas gastrointestinais não exigem necessariamente uma dieta baixa em FODMAP’s e se o fizerem sem supervisão, podem causar outro tipo de problemas. Ainda assim, pode ser um caminho para reduzir os sintomas em certos indivíduos.

Veja também: