Fístula do dente carniceiro: conheça esta problema que pode afetar o seu cão

A fístula do dente carniceiro é um problema que afeta alguns cães. Saiba mais sobre esta patologia, as suas consequências, como prevenir e como resolver.

Powered by: Vetecare
Fístula do dente carniceiro: conheça esta problema que pode afetar o seu cão
O tártaro e a doença periodontal podem ser a origem do problema

Os dentes carniceiros são assim chamados devido à sua função de rasgar a carne com a qual os carnívoros se alimentam. Uma fístula do dente carniceiro corresponde, então, ao acesso direto entre a raiz desses dentes e o canto inferior do olho, sendo possível observar uma ferida nessa região.

Fístula do dente carniceiro: a dentição do cão


fistula do dente carniceiro denticao do cao

Os cães, como a maioria dos mamíferos, não possuem dentes à nascença. Os dentes de leite vão nascendo até preencher a boca do animal, e posteriormente caem, dando lugar aos dentes definitivos, tal como nas pessoas. Através destes acontecimentos é possível determinar a idade aproximada do cão.

Os dentes de leite surgem aproximadamente a partir do primeiro mês de idade, e a dentição de leite completa-se por volta das 6 semanas. Nessa altura os cães apresentam 28 dentes.

Por volta dos 3 meses mudam a dentição, sendo que aos 7 meses por norma, o cão já tem todos os dentes decíduos. Na idade adulta os cães têm 42 dentes.

Fístula do dente carniceiro: em que consiste?


fistula do dente carniceiro

Denomina-se de dentes carniceiros o quarto pré-molar e o primeiro molar, sendo que o dente mais acometido nesta patologia é o quarto pré-molar.

Estes dentes têm raízes que estão muito profundas, mais para além do que é possível observando a boca do cão.

Por várias razões, quando há lesão de uma dessas raízes, as bactérias infiltram-se na mesma raiz provocando uma infeção, que por norma passa desapercebida numa fase inicial. A infeção vai alastrando formando um abcesso, uma coleção de pus como se fosse um saco.

Posteriormente rebenta formando um acesso direto entre a raiz do dente e o exterior, que por norma será por baixo do olho do cão. A isto se chama uma fístula do dente carniceiro.

Muitas vezes este problema é confundido pelo tutor como um problema dermatológico, de pele, uma ferida ou um problema oftálmico, especialmente em cães de pelo comprido pode ser difícil de notar.

Com o tempo vão sendo libertadas secreções como pus e forma-se uma crosta que aparentemente fecha a ferida à primeira vista, no entanto a fístula persiste e se não for corrigida por levar a compilações graves.

Quais as causas da fístula do dente carniceiro?


fistula do dente carniceiro cao a roer osso duro

A causa do abcesso é sempre devido à proliferação bacteriana que desencadeiam uma infeção. As bactérias, no entanto, podem ter acesso à estrutura radicular (raiz) por variadas causas.

1. Fratura da coroa do dente

A coroa do dente é uma camada dura que faz parte da porção superior do dente, com função de proteção. Quando ocorre uma fratura desta proteção o dente fica exposto originando um acesso direto à sua raiz que também fica exposta.

Muitas vezes ocorre em cães que têm o hábito de roer objetos como ossos.

2. Doença Periodontal

A doença periodontal é causada pela placa bacteriana. Com o dia-a-dia e a alimentação, formam-se bactérias na boca que se aglomeram e são responsáveis por esta doença. Estas bactérias alojam-se no sulco gengival entre o dente e a gengiva, causando infeção e inflamação.

Assim, ao ocorrer destruição da gengiva e da ligação desta com o próprio dente, podem alojar-se as bactérias nesse local formando um abcesso que consequentemente evolui para uma fístula.

3. Microtraumatismos repetidos

Roer objetos duros pode fazer com que ocorra trauma na raiz do dente. Se estas lesões forem consecutivas pode ocorrer inflamação e necrose da raiz, infeção e abcesso.

Sinais de fístula do dente carniceiro


fistula do dente carniceiro cao no sofa a dormir

O sinal mais comum que o cão manifesta é dor, pois trata-se de um processo muito doloroso. É importante perceber pequenos sinais de dor no cão, uma vez que a sua manifestação é diferente do que nas pessoas.

Quando um cão tem dor devido a um abcesso ou fístula do dente carniceiro pode:

  • Coçar a boca;
  • Gemer;
  • Isolar-se;
  • Deixar de comer.

Uma vez que a raíz do dente carniceiro se localiza mesmo por debaixo de cada olho do cão, quando começa a haver infeção e abcesso é possível observar nesse local um inchaço. Posteriormente o inchaço pode rebentar formando um “buraco” com crostas e escorrências.

Diagnóstico e tratamento de fístula do dente carniceiro


fistula do dente carniceiro medica a ver dentes de cao

O diagnóstico é simples e é realizado pelo médico veterinário através da observação durante o exame físico. Podem ser necessário exames complementares como radiografias para verificar como estão as raízes.

Antes de qualquer procedimento o médico veterinário irá indicar um tratamento com antibiótico devido à infeção bacteriana presente na raiz do dente. Pode também prescrever analgésicos, uma vez que se trata de um processo doloroso.

Para resolução do problema é necessário realizar cirurgicamente a extração do dente carniceiro afetado e as suas raízes, sob anestesia geral, procedimento realizado pelo médico veterinário.

Depois da extração dentária continuará a fazer antibiótico e anti-inflamatório durante o tempo que foi prescrito, e tanto a ferida na gengiva do local onde se extraiu o dente, como a ferida da fístula irão cicatrizar totalmente.

Este tipo de cirurgia pode ter um custo atenuado se tiver um plano de saúde para o seu animal. Na Vetecare, por apenas 13€ por mês tem acesso a uma Rede de profissionais para realizar todas as cirurgias, consultas e tratamentos que o seu patudo necessite a um preço reduzido.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.