Publicidade:

Falta de Ferro na Gravidez: Como prevenir e ultrapassar?

A falta de ferro na gravidez e a anemia são muito comuns nas grávidas. Leia o nosso artigo e descubra como prevenir e ultrapassar este problema.

 
Falta de Ferro na Gravidez: Como prevenir e ultrapassar?
A gravidez faz aumentar as necessidades em ferro e de transporte de oxigénio aos tecidos.

A falta de ferro na gravidez dá origem, na maioria dos casos, ao problema médico mais frequente na mulher grávida: a anemia. Não quer dizer que seja o mais importante, mas é o mais frequente.

A anemia toca numa função vital: o transporte de oxigénio aos tecidos do corpo.

Daí a necessidade de dar ao problema a importância que este realmente tem, muito especialmente, na gravidez.

O que é a anemia?


anemia e falta de ferro na gravidez

É uma situação que resulta de uma diminuição do número e do tamanho dos glóbulos vermelhos ou numa diminuição da concentração de hemoglobina no sangue para um valor abaixo da referência para a idade e para o sexo.

As principais causas são nutricionais, ou seja, por falta de aporte, na maioria dos casos, de ferro. De facto, estima-se que 95% dos casos de anemia na gravidez sejam por deficiência de ferro.

A função deste mineral é formar parte da hemoglobina, uma proteína dos glóbulos vermelhos encarregue de transportar o oxigénio pelo sangue até aos distintos tecidos da mãe e do bebé, pelo que é fundamental para um bom desenvolvimento fetal e um correto estado de saúde materno durante a gravidez.

Valores de referência para a grávida

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o valor que define a existência de anemia, é um valor de hemoglobina inferior a 12 g/dl.

Na gravidez, estes valores são diferentes. No segundo trimestre da gravidez, é aceitável que a mulher grávida tenha um valor de 10,5 g/dl, enquanto no primeiro e terceiro trimestres o valor deverá rondar os 11 g/dl.

Anemia : Como se manifesta?


queda de cabelo e falta de ferro na gravidez

O sintoma mais comum é o cansaço. No entanto, como a gravidez, por si só, mascara muito esta sintomatologia, as pessoas atribuem a fadiga à gravidez e descuram a possibilidade de anemia.

Além do cansaço pode haver um conjunto de sintomas muito vasto:

  • Palidez;
  • Queda de cabelo;
  • Alterações da pele;
  • Fragilidade das unhas;
  • Uma má resposta ao esforço, a taquicardia ou a falta de ar podem ser sintomas de anemia por falta de ferro na gravidez.

É um conjunto muito vasto de sintomas, que nem sempre tem de existir na totalidade, nem em todas as grávidas.

Falta de ferro na gravidez: Que consequências?


A anemia na gravidez está associada a um risco aumentado de doenças maternas e fetais, sobretudo quando a hemoglobina está abaixo dos 10,5 g/dl.

No caso da mãe, pode ocorrer insuficiência cardíaca, hemorragia pós-parto, entre outros problemas. Um útero num contexto de anemia, por falta de ferro, pode ter pequenas fragilidades nas fibrilas musculares e dificuldade em contrair-se.

Pode também haver uma pré-disposição para a infecção, atraso na recuperação pós-cesariana, e algum risco de acidentes embólicos.

Para o bebé, há um aumento do risco de atraso de crescimento intra-uterino, de baixo peso ao nascer, de prematuridade e um risco de morte fetal no útero três vezes superior.

Futuramente, poderá haver ainda comprometimento no desenvolvimento cognitivo e de aptidões mentais.

Falta de ferro na gravidez: Prevenção e Correção


1. Alimentação

carnes vermelhas e falta de ferro na gravidez

A gravidez gera por norma um balanço negativo de ferro, principalmente a partir do segundo trimestre, visto que há um crescimento significativo do feto e da placenta, e é preciso aumentar a massa eritrocitária da mãe.

Como tal, a mulher deve preparar-se do ponto de vista do equilíbrio nutricional para gravidez, ou seja, deve verificar se já existe uma anemia prévia e corrigi-la, assim como acautelar que foram repostos os depósitos de ferro do organismo, algo que pode demorar meses.

Relativamente à prevenção, a única maneira de prevenir a anemia é assegurar uma dieta rica em ferro.

A dose diária recomendada de ferro duplica durante a gravidez e passa aproximadamente de 18 miligramas para 27 miligramas por dia (particularmente no terceiro trimestre).

Nesse sentido, o primeiro cuidado para diminuir a probabilidade de sofrer de falta de ferro na gravidez e de anemia é ter uma alimentação equilibrada, que concilie o ferro de origem vegetal (ferro não heme) com o ferro de origem animal (ferro heme).

Fontes de ferro

O Ferro heme, é aquele que é encontrado na carne, principalmente carne vermelha e vísceras, e no peixe, como o marisco, e é facilmente absorvido pelo organismo (cerca de 25%).

Já o Ferro não-heme, é encontrado em cereais integrais ou enriquecidos, leguminosas, frutas, vegetais de folha verde e produtos lácteos, sendo muito menos absorvido (apenas 1 a 5%).

Interação do ferro com outros nutrientes e alimentos

Além de uma dieta rica em ferro, aumente também a ingestão de alimentos ricos em vitamina C, visto que esta vitamina aumenta a absorção do ferro pelo organismo.

Por esta razão é aconselhável ingerir alimentos como citrinos (kiwis, laranjas, limão), tomate, morangos entre outros aquando da ingestão de alimentos ricos em ferro.

Contrariamente, o café, o chá, a gema de ovo e o leite e derivados diminuem a absorção de ferro, pelo que, em caso de anemia, deverá reduzir o seu consumo e evitar conciliar a ingestão destes alimentos com a ingestão de alimentos ricos em ferro.

2. Suplementação

suplementação de ferro e falta de ferro na gravidez

No entanto, e como é muito difícil só por via alimentar conseguir colmatar este aumento das necessidades que a gravidez gera, a suplementação farmacológica, sobretudo a partir do segundo trimestre, é por norma a forma mais comum de correção da falta de ferro na gravidez.

Esta suplementação com ferro deve ser feita por via oral, de forma regular, diária, e na dose indicada, para que a gravidez decorra de forma saudável.

Como alguns suplementos de ferro podem produzir obstipação ou náuseas, recomenda-se que aumente a ingestão de água e coma mais fibra (a fibra está presente em cereais integrais, frutas e hortícolas).

Importa ainda salientar que os suplementos multivitamínicos, por norma, não têm a quantidade de ferro necessária. Como tal, o suplemento deverá ser especificamente de ferro.

Nota


Apesar de tudo o que foi referido neste artigo, não hesite em falar com o seu médico e consultar um nutricionista para obter um plano alimentar adequado à sua situação.

Veja também:

Nutricionista Rita Lima Nutricionista Rita Lima

Rita Lima é nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto em 2016 e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade. É membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].