Publicidade:

Como ensinar o cão a dar a pata: os melhores métodos para o conseguir

Ensinar o cão a dar a pata é uma tarefa que estimula o cão e o ajuda a criar laços com os donos. Convém, apesar de ser simples, que já saiba cumprir a ordem de se sentar. É uma aprendizagem que faz parte do desenvolvimento de um cão bem-educado e que facilita a relação deste com os donos e com o meio onde se enquadra.

 
Como ensinar o cão a dar a pata: os melhores métodos para o conseguir
Saiba como ensinar este truque ao seu cão

Ensinar o cão a dar a pata é um truque engraçado e que tem muito sucesso entre os mais novos. Ao contrário de outros, como sentar e deitar, ensinar um cão a dar a pata não tem nenhuma utilidade em específico mas faz parte de um treino de obediência e é sempre uma forma de estimular o cão e de fortalecer os laços deste com a família.

O ideal é começar desde cedo com o treino doméstico. Este deve ser divertido para ambos e a forma mais eficaz de o fazer é em sessões curtas mas frequentes.

Ensinar o cão a dar a pata: idade e ambiente adequado


ensinar o cao a dar a pata

Sendo cachorro, com 3-4 meses já começa a responder ao nome dele e pode começar com treino básico, exercícios simples e cumprir certas ordens.

Caso se trate de um cão mais velho, este pode já conhecer alguns comandos. No entanto, também pode acontecer ele vir cheio de maus hábitos ou então não conseguir responder àquilo que lhe é pedido. Se assim for, comece por proceder como se de um cachorro se tratasse.

Entende-se por ambiente adequado para ensinar o cão a dar a pata, como um espaço onde haja poucas distrações, com o qual ele esteja familiarizado. Este é facilmente conseguido numa divisão da casa confortável e onde, naquele momento, saiba que não vão andar a passar pessoas nem elementos que o possam de alguma forma distrair.

Ensinar o cão a dar a pata: métodos


recompensar o cao

Existem diversos métodos de treino, no entanto o mais atual e com melhores resultados a nível doméstico é o do condicionamento operante com reforço positivo. Ou seja, recompensando o comportamento desejado leva a um fortalecimento desse mesmo comportamento, e torna-o mais provável de ocorrer no futuro.

O objeto desse reforço são coisas que o cão naturalmente aprecia, tais como comida, água, interação social e jogos.

Há também os chamados reforços secundários, que são estímulos que inicialmente não eram recompensadores, mas que se tornaram associados aos reforços acima mencionados. São esses reforços secundários o olfato, a visão e a audição (onde assenta o método do click, por exemplo).

Reforços

Como reforço pode utilizar petiscos. Uma vez que vai dar bastantes, convém que sejam pequenos e pouco calóricos. É essencial verificar sempre se é uma comida não tóxica para os cães: nunca dê chocolate, uvas e cebolas, entre outros.

Para evitar o desinteresse do cão pela recompensa, tenha consigo diferentes variedades de petiscos de forma a tornar o treino mais estimulante pela curiosidade de qual será a próxima guloseima.

Método do clicker

O método do clicker envolve o uso de um botão que premindo emite um som (“click”), som esse que está associado a uma recompensa. Mais à frente, o cão já não necessita da recompensa primária, bastando-lhe ouvir o click como sinal de que realizou o comportamento desejado.

É um método bastante eficaz mas que exige um pouco mais de envolvimento e também aprendizagem por parte do proprietário.

Ensinar o cão a dar a pata: como proceder


conseguir ensinar o cao a dar a pata

Todo este procedimento apenas (ou mais facilmente) é possível se o cão já souber sentar-se.

  1. Ordene que o cão se sente;
  2. Mostre o petisco ao cão e depois encerre-o na sua mão para que este não fique visível;
  3. Mantenha a mão do petisco afastada do chão mas perto da pata dele;
  4. Aguarde que ele faça algum movimento com a pata na direção do petisco. Quando ele mexer a pata, nem que seja por estar a trocar de peso de uma pata para a outra, elogie-o e abra a mão para que ele coma a guloseima. Faça-o serenamente com festinhas e com o termo que costuma utilizar quando ele faz algo corretamente, como “muito bem” ou “lindo” . Use a mão que está livre para pegar na pata levantada de forma a reforçar a ação;
  5. Aos poucos, ele irá ficar aliciado a levantar a pata para reclamar o petisco. Quando ele estiver efetivamente a fazer o movimento propositadamente, abra a mão para que ele possa comer e diga de uma forma clara e incisiva “Dá a pata”, ou qualquer que seja a ordem verbal que pretende usar. Convém que seja curta e simples. Posteriormente elogie-o;
  6. Pratique cerca de 5 minutos e depois deixe-o ir embora, repetindo mais tarde para evitar que se aborreça.

 

Notas


Depois de ele já ter compreendido o que lhe pede, pode progressivamente ordenar-lhe que dê a pata sem a recompensa da guloseima, apenas com o elogio. Ao fim de algum tempo ele irá executar a ordem sem esperar pela recompensa.

Seja paciente e evite muita conversa durante o treino: cinja-se ao estritamente necessário de forma a não o confundir com diferentes sons e pedidos.

Pode adicionar à ordem verbal “Dá a pata” um gesto constante e simples para ser também associado à ordem.

Se ele demorar mais em compreender o que pede, não desespere nem lhe ralhe, pois isso poderá ter um efeito contraproducente e criar-lhe uma aversão ao momento do treino.

Veja também:

Drª Rita Campilho Drª Rita Campilho

Rita Campilho é médica veterinária. Apesar de viver na cidade, sempre teve contacto com animais e desde cedo que percebeu a importância destes como parte integrante do ecossistema. Tornou-se médica veterinária no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto e atualmente trabalha com cavalos, cães e gatos. Também com cães na família, acredita que é através da educação e do conhecimento sobre comportamento e saúde animal que se consegue o melhor para os animais e para quem vive com eles.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].