Enfarte pulmonar: o que é e como pode ser evitado

O enfarte pulmonar apesar de não apresentar números preocupantes em Portugal, é um problema grave e devemos estar informados de como o podemos prevenir.

 
Enfarte pulmonar: o que é e como pode ser evitado
O inimigo dos nossos pulmões, saiba tudo sobre ele.

O enfarte pulmonar, também conhecido como embolia pulmonar ou trombose pulmonar, ocorre quando há necrose, ou morte celular, do tecido pulmonar devido à falta de circulação sanguínea.

O que se verifica, é que um coágulo entope um vaso sanguíneo do pulmão fazendo com que o sangue não passe e, assim, pode causar a morte progressiva do tecido afetado. Esta interrupção provocada pelo coágulo resulta numa dor muito intensa e consequente falta de ar. O coágulo, em 95% das vezes, não tem origem nos pulmões, mas sim nos membros inferiores. No entanto, quando se liberta e entra na corrente sanguínea é habitual que se desloque para os pulmões, sendo nesta fase que pode surgir este problema.

Devido ás dificuldades respiratórias e às possíveis lesões nos pulmões, os órgãos de todo o organismo podem ser afetados uma vez que a quantidade de oxigénio no sangue diminui, não chegando em quantidade suficiente a estes.

De salientar que isto acontece quando há um único coágulo num vaso sanguíneo, piorando a situação drasticamente quando existem vários coágulos ou quando o enfarte se prolonga por muito tempo.

Como ocorre o enfarte pulmonar?


enfarte pulmonar como ocorre

Os pulmões têm duas fontes de irrigação, são elas as artérias pulmonares e as artérias brônquicas. Acontece que quando estamos na presença de um coágulo na corrente sanguínea, apenas uma das artérias vai ficar impossibilitada de transportar o sangue, continuando a outra, o seu funcionamento normal. Por isso mesmo, nem sempre ocorre um enfarte, uma vez que a integridade do tecido pulmonar é mantida pelas artérias não obstruídas que continuam a enviar sangue suficiente para a zona afetada impedindo assim a morte do tecido.

Quando isto ocorre, dizemos que houve uma isquemia e o nome dado a este problema é um trombo-embolismo pulmonar. No entanto, quando há obstrução dos grandes vasos ou devido a outros fatores tais como a insuficiência cardíaca ou doença pulmonar, o volume de sangue fornecido não é suficiente, não conseguindo evitar a morte do tecido, ocorrendo então um enfarte pulmonar, correspondendo a 10% do total de casos.

Quanto maior a dificuldade respiratória, menores quantidades de oxigénio circulam no sangue, podendo mesmo afetar todos os órgãos do nosso corpo, que necessitam de uma boa oxigenação para exercer as suas funções corretamente.

Quais os sintomas que caraterizam o enfarte pulmonar?


Enfarte pulmonar dor toracica aguda

Os sintomas de uma embolia pulmonar ou de um enfarte pulmonar começam por ser os mesmos:

  • Dor torácica aguda, especialmente durante a respiração profunda;
  • Tosse com expetoração e sanguinolenta;
  • Falta de ar;
  • Respiração e frequência cardíaca muito acelerada;
  • Náuseas;
  • Convulsões ou mesmo morte;
  • Cianose, cor de pele azulada, em pessoas com oclusão de um ou mais dos grandes vasos pulmonares.

No entanto, o enfarte tem uma evolução pior e mais grave uma vez que quando ocorre, pressupõe a existência de outros problemas que provocam uma condição clínica mais desfavorável, levando à transformação do enfarte pulmonar.

Causas para o enfarte pulmonar


Enfarte pulmonar enfarte do miocardio

Uma vez que o enfarte pulmonar é causado pela presença de um coágulo de sangue numa artéria que se desloca até aos pulmões, é importante perceber porque é que esse coágulo existe.

Existem diversos fatores que aumentam a predisposição para a coagulação do sangue nas veias, tais como:

  • Cirurgias ou procedimentos médicos invasivos (quanto mais extensos e demorados, maior a predisposição);
  • Repouso prolongado devido a internamento hospitalar ou apenas inatividade;
  • Enfarte cerebral ou enfarte do miocárdio;
  • Obesidade;
  • Fratura da bacia ou da perna;
  • Aumento da tendência coagulante do sangue;
  • Idade superior a 40 anos;
  • História de enfarte prévio;
  • História familiar de problemas semelhantes.

Sendo estas as causas mais comuns neste tipo de enfarte, é também possível que sejam provocados por problemas mais raros tais como bolhas de ar em casos de pneumotórax ou na presença de fragmentos que possam obstruir as artérias. É por isso importante ser seguido por uma equipa médica, para assim decidirem qual o tratamento mais adequado tendo como base a causa deste.

Mas como se pode tratar este problema?


Enfarte pulmonar paciente no hospital

Antes de perceber como se pode tratar este problema, devemos perceber como é que o médico diagnostica um enfarte pulmonar.

A caraterística mais importante nestes casos é a necrose isquémica de tecido pulmonar nas áreas da hemorragia, que pode afetar alvéolos, brônquios ou os próprios vasos sanguíneos. No entanto, o prognóstico depende exclusivamente da gravidade de todos os fatores envolvidos. Também outros exames complementares são indispensáveis, como por exemplo um eletrocardiograma, radiografias ao tórax ou análises laboratoriais específicas.

Quando o médico consegue concluir o diagnóstico, chega a hora de pensar no tratamento. Este engloba dois aspetos fundamentais: suporte cardiovascular e ventilatório agudo bem como o próprio tratamento definitivo.

O primeiro, não deixa de ser um tratamento sintomático que passa por ventilação e medidas de suporte cardiovascular.

Já o segundo, começa por ser feito com administração de oxigénio e analgésico e continua com a administração de anticoagulantes por via sistémica, em primeiro lugar, e por via oral, de seguida.

O anticoagulante predileto é a heparina, que evita o aumento do volume dos coágulos sanguíneos prevenindo assim a formação de novos coágulos. Por último, administra-se varfarina, um potente anticoagulante que necessita de mais tempo de ação.

A duração deste tratamento para o enfarte pulmonar, depende do doente e da sua resposta, e por isso é importante que sejam feitas análises periodicamente.

Veja também:

Farmacêutica Rita Teixeira Farmacêutica Rita Teixeira

Licenciada em Estudos Básicos de Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e a terminar o mestrado em Ciências Farmacêuticas na mesma Universidade. É apaixonada pela escrita, por viagens e pela organização de eventos de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].