Dormir a sesta: vantagens, desvantagens e a forma correta de o fazer

Em Portugal, o hábito de dormir a sesta não está muito enraizado, mas a verdade é que, quando feito da forma correta, pode trazer benefícios. Saiba quais!

Dormir a sesta: vantagens, desvantagens e a forma correta de o fazer
Os distúrbios do sono afetam cerca de 40% da população mundial.

Já todos ouvimos dizer que dormir a sesta durante o dia atrapalha o padrão de sono, prejudica o sono noturno e pode ser prejudicial à saúde. No entanto, muitas pessoas têm o hábito de dormir a sesta e referem que o descanso a meio do dia lhes traz benefícios. Será?

Há evidências que atestam que figuras geniais da nossa história, nas mais diversas áreas, não abdicavam de dormir a sesta. São exemplos disso: Edison; Einstein; Winston Churchill; Napoleão Bonaparte; e os presidentes Kennedy, Roosevelt e Reagan. A ser verdade, como é que dormir a sesta pode ser, ao mesmo tempo, uma coisa má e ter efeitos tão positivos?

Vantagens de dormir a sesta


dormir a sesta e paz e alegria

As sestas, desde que usadas com sabedoria, podem ter vários benefícios para a nossa saúde:

1. Ao nível da energia

  • Dormir a sesta pode fornecer um aumento de energia, particularmente útil nos períodos de grande sobrecarga de trabalho, em que os recursos cognitivos são exigidos por longos períodos de tempo;
  • O equilíbrio é a palavra de ordem. Uma sesta demasiado curta ou demasiado longa pode ser contraproducente e pode fazer com que acorde com mais sono do que tinha antes de se deitar.

2. Ao nível do stress:

  • O nosso cérebro faz um grande trabalho ao nível do processamento emocional enquanto dormimos, daí que, muitas vezes, as coisas pareçam sempre melhores quando acordamos de manhã;
  • Quando tudo ao nosso redor nos parece demasiado avassalador, tirar uma sesta pode ajudar.

3. Ao nível da criatividade:

  • Uma sesta longa o suficiente, que permita completar um ciclo de sono REM, permite que o cérebro forme novas conexões e pode ajudar a superar um obstáculo criativo.

4. Ao nível do humor:

  • Quando se sente menos cansado, mais inspirado e menos ansioso, certamente sente um impulso ao nível do humor, o que não só é bom para si como também para todos que o rodeiam.

Desvantagens de dormir a sesta


sonolencia

Se dormir a sesta tem tantas vantagens, qual é afinal o problema de fazer uma pequena pausa ao longo do dia? Como tudo, se dormir a sesta não for feito da forma correta pode causar mais problemas que benefícios.

Para algumas pessoas, dormir a sesta pode ser muito prejudicial, já que estão tão habituadas à rotina diária que sempre fizeram. Nestes casos, dormir a sesta pode prejudicar o ritmo circadiano (período de um dia no qual se completam as atividades do ciclo biológico), alterar o sono noturno e até o apetite.

Mais ainda, dormir a sesta na hora errada, ou tirar uma sesta com uma duração demasiado curta ou demasiado longa, pode causar sonolência excessiva e falta de energia para enfrentar o resto do dia.

Como otimizar a sesta?


dormir a sesta

Se quer aproveitar todas as vantagens de dormir a sesta e evitar os possíveis malefícios, siga estes passos simples:

  1. Evite dormir a sesta se sofre de insónias: até que tenha o seu padrão de sono regularizado é preferível que não durma a sesta, por mais cansado que possa estar;
  2. Garanta que a sesta tem a duração adequada: 20 a 30 minutos de sesta já garantem um rápido aumento de energia e há especialistas que avançam que uma sesta com esta duração antes das 15h é o ideal para enganar o corpo e manter-se desperto depois dessa hora;
  3. Garanta que dorme a sesta todos os dias, à mesma hora: tirar a sesta em horários díspares pode confundir o seu ritmo circadiano. Pelo contrário, dormir a sesta sempre à mesma hora irá trazer mais benefícios;
  4. A sesta não deve acontecer no período que antecede o sono noturno: 6 horas antes da hora de deitar não deve fazer nenhuma sesta.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!