Publicidade:

Dor de barriga: 8 principais causas e tratamentos

A dor de barriga pode ter várias causas, desde infeção alimentar até ao stress. A localização e os sintomas associados ajudam a identificar o tipo de dor.

 
Dor de barriga: 8 principais causas e tratamentos
Dor de barriga, uma das queixas mais frequentes no consultório médico

A dor de barriga é uma queixa frequente entre homens e mulheres que procuram atendimento médico. Entre as crianças, é a segunda maior queixa, ficando apenas atrás da febre. A maior parte das dores de barriga passa por ela mesma ou com o uso de medicação para dor. Já uma pequena percentagem dos pacientes apresenta risco de morte ou necessita de tratamento cirúrgico. (1).

Alguns sinais de alerta devem ser levados em consideração para identificar e excluir doenças graves, como a dissecção aguda de aorta e também afeções com perspetiva de abordagem cirúrgica de natureza inflamatória, como a apendicite perfurativa . A dor que não passa ao uso de medicação deve sempre ser investigada, razão pela qual o doente deve buscar atendimento médico o mais rápido possível.

A localização e tipo de dor de barriga


dor de barriga

Há quatro localizações e tipos de dor de barriga, que podem definir a sua origem (1):

  • Visceral verdadeira: quando a dor se situa próximo à localização anatómica do órgão afetado. Exemplo: gastrite (dor de barriga na parte alta do abdomen), acometimento do esófago (dor no meio do peito), dor no fígado (hipocôndrio direito), cólica renal, cistite (hipogástrio), entre outros;
  • Dor referida: aquela que é definida como sensação dolorosa superficial e tendo a sua origem em estrutura distante do local acometido, como ocorre com a dor periumbilical ( ao redor do umbigo), na apendicite;
  • Comprometimento do peritonio, onde a estrutura que envolve todas as vísceras abdominais também está em sofrimento;
  • Irritação do diafragma, o músculo que auxilia na respiração, e fica abaixo dos pulmões, também está comprometido.

 

Causas da dor de barriga


Embora a localização da dor abdominal guie a avaliação inicial, alguns sintomas e sinais associados são preditivos, isto é, acompanham sempre  certas causas de dor abdominal e auxiliam a identificar o tipo de dor de barriga (12):

1. Gastrite

Uma pessoa com gastrite queixa-se de dor de barriga ligeira, na parte alta do abdómen e sofre de indigestão.

A gastrite surge pela inflamação do revestimento mucoso do estômago, gerado pelo aumento da produção do suco gástrico ou pelo rompimento da mucosa, na presença da Helicobacter pylori.

A gastrite pode ocorrer , de forma mais frequente, pelo stress, pela presença da bactéria Helicobacter pylori e secundária ao uso de medicamentos. O tratamento para essa dor de barriga vai desde mudanças de hábitos de vida, redução ou substituição de medicamentos.

dor de barriga

2. Indigestão

Uma pessoa com indigestão normalmente tem azia, dor de barriga aguda ou ardor na parte inferior do peito. A dor é gerada pelo aumento da produção do suco gástrico e pelo refluxo gástrico. O tratamento para essa dor de barriga é comer pequenas quantidades de alimentos de cada vez e pode ser aliviada pela toma de um antiácido.

3. Excesso de gases intestinais

Os gases intestinais são uma queixa frequente quando de fala na dor de barriga. Aparecem com dor em pontada e podem surgir acompanhados por uma obstipação, quando se tem um problema intestinal, como a intolerância à lactose, assim como quando se comem muitos alimentos que fermentam no estômago, como feijão e outros grãos e refrigerantes.

O tratamento para essa dor de barriga passa por tomar um remédio para gases e reduzir o consumos desses alimentos.

dor de barriga

4. Gastroenterite

Na gastroenterite, também chamada de infeção alimentar, há habitualmente febre a preceder ou desde o início do quadro, anorexia, náusea ou vómitos e dor de barriga. O abdómen pode apresentar-se com distensão ligeira a moderada. As dejeções são líquidas e abundantes e podem vir acompanhadas de muco e/ou sangue.

No tratamento da gastroenterite pode ser necessária a toma de antibióticos, repositores da flora intestinal e hidratação abundante.

5. Apendicite Aguda

Na apendicite aguda, além da dor de barriga, normalmente ao pé da barriga no lado direto ou ao redor do umbigo. Pode haver anorexia (perda de apetite) e vómitos. O diagnóstico é clínico, dado após a avaliação do médico. O tratamento da apendicite é cirúrgico, caso não seja tratada, pode levar à morte.

dor de barriga

6. Obstipação intestinal

A obstipação é uma causa relativamente frequente de dor de barriga (aguda e crónica). A dificuldade de defecar, aliada ou não a episódios de diarreia, caracterizam a obstipação.

O tratamento para a obstipação é uma dieta rica em fibras e a ingestão de água. Pode ser necessário o uso de laxantes ou intervenção cirúrgica, para os casos mais graves.

7. Enfarte agudo do miocárdio

O Enfarte Agudo do Miocárdio (EAM), vulgarmente conhecido por ataque cardíaco, é uma emergência médica em que cada minuto conta porque há o risco de o coração parar.

Além dos sintomas clássicos, dor apertada no peito com uma sensação de esmagamento e que não acalma quando a vítima se põe em repouso, irradiação da dor para o braço, pescoço, mandíbula ou costas, dificuldade em respirar e pele pálida, acinzentada, pegajosa ou suadas, o doente pode apresentar desconforto abdominal, dor de barriga, náuseas e vómitos.

O tratamento para o EAM deve ser o mais breve possível. Por isso, no caso de sentir qualquer um desses sintomas deve ligar imediatamente o 112.

A realização de exames médicos de rotina, os hábitos de vida saudáveis, a prática de desporto de forma regular, evitar o tabaco e a vida sedentária, são algumas das formas de prevenção eficazes e acessíveis a todos os cidadãos.

dor de barriga

8. Doenças ginecológicas

Problemas no útero e ovários, como inflamações uterinas e pélvicas, endometriose, quistos e miomas, são uma das principais causas do surgimento de dor de barriga em mulheres. A menstruação também é responsável por muitas queixas.

Em muitos casos, um analgésico pode ser utilizado e trazer melhoras. Caso a dor persista por mais de dois dias, deve procurar o médico ginecologista.

Veja também:

Fontes

1. ZAKKA, T. (2013). Revista Dor Vol 14. “Dor visceral abdominal: aspectos clínicos”. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132013000400015
2. Serviço nacional de saúde. 2019. Disponível em https://www.inem.pt/2017/05/29/enfarte-agudo-do-miocardio/

Danielle Paiva Danielle Paiva

Licenciada em Medicina e Farmácia & Bioquímica pelo Centro Universitário de Nilton Lins, Danielle também é Mestre em Engenharia Industrial e Qualidade pela Universidade do Minho. Atualmente é voluntária na Cruz Vermelha onde desenvolve diversas ações de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].