3 Doenças transmitidas por carraças: saiba como proteger-se a si e ao seu melhor amigo

Com a chegada do calor surgem também os casos de doenças transmitidas por carraças. Conheça estas patologias e saiba como proteger o seu melhor amigo.

Powered by: Vetecare
3 Doenças transmitidas por carraças: saiba como proteger-se a si e ao seu melhor amigo
As carraças podem ser fonte de doenças graves em animais e pessoas

As carraças são um dos parasitas externos mais frequentes em cães e gatos, podendo também afetar pessoas. É necessário tomar algumas precauções para as evitar, pois existem várias doenças transmitidas por carraças que podem colocar em risco a vida dos nossos patudos e também a nossa.

O que são carraças e qual o seu ciclo de vida?


doencas transmitidas por carracas carraca no cao

As carraças são parasitas externos hematófagos, ou seja, que se alimentam do sangue dos hospedeiros. São grandes o suficiente para serem observados à vista desarmada e encontram-se muitas vezes agarradas à pele dos animais, especialmente nas orelhas e axilas.

Podem parasitar todos os animais de sangue quente, incluindo o Homem. Existem várias espécies de carraças no mundo, sendo em Portugal as mais frequentes as seguintes:

  • Ixodes ricinus;
  • Dermacentor reticulatus;
  • Rhipicephalus sanguineus.

O seu ciclo de vida é trifásico, ou seja, apresenta três diferentes evoluções de vida: larva, ninfa, adulto. A maior parte do seu ciclo de vida é no exterior e não no hospedeiro, sendo que só na fase adulta a carraça se encontra no hospedeiro.

3 Doenças transmitidas por carraças


doencas transmitidas por carracas cao no veterinario

1. Babesiose

A Babesiose, também conhecida por Piroplasmose, é causada por um protozoário denominado Babesia. Este parasita os glóbulos vermelhos do sangue do hospedeiro destruindo-os, causando anemias severas e perda de sangue.

É uma doença bastante frequente em cães e surge pouco em pessoas, no entanto é uma doença que também pode afetar pessoas.

A infeção ocorre quando uma carraça se alimenta num hospedeiro infetado e posteriormente se alimenta de um outro, contaminando esse hospedeiro saudável.

Os sintomas são variáveis sendo que podem até ser assintomáticos, ou seja, não manifestar qualquer sintoma. Os mais comuns, transversais a todas as espécies são:

  • Febre;
  • Anorexia;
  • Anemia;
  • Icterícia (mucosas amareladas);
  • Urina escura;
  • Fadiga;
  • Insuficiência renal;
  • Alterações na coagulação;
  • Dores musculares (mialgia);
  • Dor articular;
  • Alterações neurológicas.

O diagnóstico baseia-se em análises ao sangue e urina para confirmar a anemia e outros valores presentes no hemograma que possam estar alterados. Também é possível fazer uma análise ao sangue específica de forma a verificar se a babesia está presente.

O tratamento baseia-se na administração de medicamentos específicos para a babesiose que serão prescritos pelo seu médico veterinário, após a confirmação da doença. Caso o animal tenha desenvolvido problemas severos, é necessário trata-los também em simultâneo, como por exemplo, no caso de uma anemia severa o animal poderá necessitar de uma transfusão sanguínea.

2. Doença de Lyme

Doença de Lyme ou borreliose é causada por uma bactéria que é transmitida através da mordedura de carraças, aos animais e ao Homem.

No entanto, é necessário que as carraças fiquem agarradas à pele no hospedeiro pelo menos 36 horas para que ocorra infeção.

O sintoma mais característico é o aparecimento de uma mancha avermelhada na pele, no local da mordedura da carraça, designada por eritema migrante, entre outros:

  • Febre;
  • Mialgia;
  • Dores nas articulações;
  • Perda de peso progressivo;
  • Linfoadenopatia (aumento dos linfonodos);
  • Poliartrite (inflamação das articulações);
  • Insuficiência renal;
  • Anemia;
  • Meningite.

Para diagnosticar esta patologia recorre-se às análises laboratoriais, mais uma vez, de forma a detetar alterações e detetar a presença da bactérias no sangue.

O tratamento baseia-se na administração de antibióticos e terapia sintomática de acordo com os sintomas que o animal desenvolve.

3. Ehrlichiose

A Ehrlichiose e uma das doenças transmitidas por carraças que pode afetar várias espécies, nomeadamente cães, cavalos, gatos e humanos.

A carraça infeta-se alimentando-se com glóbulos brancos presentes na corrente sanguínea do animal infetado. Depois quando se alimenta de outro animal inocula a infeção.

Os sinais são variados e dependem da fase da infeção em que se encontra, no entanto os sintomas mais comuns são:

  • Febre;
  • Perda de peso;
  • Apatia;
  • Anorexia;
  • Linfoadenopatia;
  • Hematúria (sangue na urina);
  • Melena (sangue nas fezes);
  • Poliartrite e claudicação (mancar);
  • Convulsões;
  • Ataxia (descoordenação motora).

O diagnóstico baseia-se nos sinais clínicos, historia do animal, análises à urina e sanguíneas. O tratamento consiste na administração de antibióticos específicos.

Em qualquer uma destas situações, é fundamental consultar o médico veterinário para o melhor tratamento. No entanto, a prevenção é a chave e o Plano de Saúde Vetecare pode ajudar a poupar. Conheça as condições.

Prevenção das doenças transmitidas por carraças


doencas transmitidas por carracas desparasitacao externa

A prevenção da infeção de doenças transmitidas por carraças baseia-se no uso de desparasitantes externos repelentes. Atualmente existem inúmeras marcas de produtos com efeito repelente, de forma a evitar a infestação por carraças nos nossos animais de companhia.

Especialmente em alturas de maior calor, a infestação por carraças é um problema muito frequente, portanto deve sempre aconselhar-se com o seu médico veterinário acerca do produto mais adequado para o seu cão ou gato e qual o intervalo de tempo em que é eficaz.

Com o Plano de Saúde Vetecare Platinium pode poupar em tratamentos, consultas e desparasitantes. Por apenas 13€ por mês, tem acesso a uma vasta rede de profissionais e lojas especializadas que o podem auxiliar no tratamento do seu amigo de quatro patas.

É importante inspecionar o seu animal com regularidade, especialmente em zonas difíceis de observar, como as orelhas, pois as carraças podem-se fixar nessas zonas e passar despercebidas.

Uma boa higiene e limpeza da casa e jardim também são indicados na prevenção contra o aparecimento de infestações por carraças.

As doenças transmitidas por carraças podem ser graves para os nossos melhores amigos de 4 patas, mas também para nós, portanto deve ter todos os cuidados para evitar o aparecimento destes parasitas.

Saiba como eliminar carraças aqui >>

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.