Conheça o plano de desparasitação interna do seu animal

A desparasitação interna faz parte dos cuidados profiláticos a ter com o seu animal, de forma a evitar problemas na saúde do seu patudo e na sua.

Powered by: Vetecare
Conheça o plano de desparasitação interna do seu animal
Os parasitas internos podem causar problemas graves

Quando nos referimos a desparasitação estamos a abranger tanto a desparasitação externa contra parasitas externos, como pulgas, carraças e mosquitos, como desparasitação interna, contra os endoparasitas, parasitas intestinais.

Tanto os parasitas externos como os internos são um perigo para a saúde pública, considerados uma zoonose, ou seja, transmissíveis entre as pessoas e os animais. Dessa forma, torna-se essencial que a desparasitação faça parte do plano de prevenção, na saúde dos nossos animais.

Tipos de parasitas existentes


desparasitacao interna giardia

A desparasitação interna refere-se aos endoparasitas, parasitas que vivem no interior do hospedeiro. Estes parasitas podem afetar o coração, pulmão e mais frequentemente o aparelho digestivo.

1. Ténias

Parasitas intestinais que se detetam facilmente e a sua forma assemelha-se a grãos de arroz. Por norma, para haver uma infeção por ténia é necessário que haja ingestão de um hospedeiro intermediário, como roedores, ruminantes ou pulgas.

Nos gatos é frequente que a infeção ocorra através da ingestão de pulgas presentes no pelo durante a sua higiene diária.

2. Angiostrongylus vasorum (verme do pulmão)

Este parasita pode causar uma doença denominada de angioestrongilose, parasitando o pulmão dos seus hospedeiros.

3. Tricurídeos

Mais frequente em cães e a transmissão ocorre pela ingestão de ovos que são extremamente resistentes a vários fatores e permanecem no ambiente.

4. Ascarídeos

É um dos parasitas internos mais conhecidos e mais frequente em cachorros e gatinhos. Tem a forma de “massa” e é conhecido como “lombriga”.

5. Ancilostomídeos

Estes parasitas encontram-se no intestino delgado dos animais, alimentando-se do seu sangue.

6. Coccídias

São parasitas pequenos invisíveis a olho nu, que parasitam o intestino delgado, provocam destruição das paredes e podem surgir diarreias sanguinolentas.

7. Giardia

A giardia provoca gastroenterites em pessoas e animais e é de fácil disseminação em ambientes contaminados.

8. Dirofilaria

Também conhecida por verme do coração, provoca a dirofilariose, uma doença que é transmissível por um mosquito.

Plano de desparasitação interna


desparatisatacao cao e gato

Tal como as vacinas, a desparasitação também deve fazer do programa de saúde do seu animal devido à sua importância em termos profiláticos.

As desparasitações devem começar a ser feitas logo antes de os bebés nascerem, através da desparasitação da mãe e devem ser realizadas num médico veterinário. Com o plano de saúde Vetecare, desde 13€ por mês para 1 ou 2 animais de companhia pode ter acesso a uma vasta rede de profissionais que podem ajudá-lo nesta tarefa.

1. Cadela ou gata grávida

Devem ser desparasitadas entre o 40 e 50º dia de gestação. No entanto, é necessário ter cuidado com o tipo de desparasitante que utiliza pois, nem todos são adequados a fêmeas gestantes e podem prejudicar os fetos.

Se a sua cadela ou gata estão gestantes, devem ser seguidas pelo médico veterinário durante toda a gravidez, e a desparasitação faz parte do plano e ser-lhe-à indicada por este profissional.

2. 15 dias de idade

Aos 15 dias os gatinhos e cachorros já abriram ou começaram a abrir os olhos e devem iniciar o seu plano de desparasitação. Juntamente com a mãe devem fazer uma toma de desparasitante.

O desparasitante deve ser adequado ao peso e idade dos gatinhos e cachorros. Uma dose demasiado grande pode coloca em risco a sua vida. O mais adequado é levá-los a uma consulta para serem pesados e desparasitados pelo médico veterinário.

Relativamente à mãe que os amamenta deve ter sido em conta, novamente, o tipo de desparasitante que é administrado, pois este medicamento é excretado no leite.

Os bebés necessitam de repetir a desparasitação quinzenalmente até aos 3 meses de idade.

3. Dos 3 até aos 6 meses

Durante este período, os cachorros e gatinhos devem ser desparasitados internamente de mês a mês. Devem ser pesados todas as vezes antes da administração do medicamento, pois esta é a fase em que ocorre maior crescimento, e consequentemente maiores diferenças de peso.

4. Idade adulta (a partir dos 6 meses)

A partir dos 6 meses os cachorros e gatinhos devem passar a ser desparasitados quatro vezes por ano, ou seja, a cada três meses.

Em situações especiais de cães de salvamento, polícia, terapia, casas com crianças ou pessoas com imunossupressão, pode haver necessidade da desparasitação interna continuar a ser realizada mensalmente.

Ainda que o seu animal não saia de casa, há probabilidade de se infetar pois os próprios tutores podem trazer ovos de parasitas no calçado que permanecem no ambiente e podem ser ingeridos pelos animais causando infeção.

Também pode ocorrer transmissão pela ingestão de pulgas contaminadas, dessa forma é importante fazer novamente a desparasitação interna se houver uma infestação por pulgas.

Tipos de desparasitantes internos


desparasitacao interna veterinaria a colocar pipeta

Existem vários tipos de desparasitantes internos. O melhor método de profilaxia para o seu animal deve ser sempre discutido com o médico veterinário.

Com o plano de saúde para animais de companhia Vetecare pode ter descontos em medicamentos, produtos, consultas de medicina preventiva e muito mais, que o vão ajudar a poupar.

Informe-se, também, sobre qual o produto mais adequado para o seu cão ou gato, e nunca utilize produtos de cães em gatos ou ao vice-versa, sob o risco de ocorrer intoxicação grave.

1. Xarope e pastas

Estas fórmulas são, por norma, mais utilizadas para gatinhos e cachorros pois é necessário uma menor quantidade e conseguem ser mais precisos relativamente à quantidade necessária por peso.

2. Comprimidos

Existem comprimidos com diferentes princípios ativos, comprimidos divisíveis, palatáveis e várias outras apresentações.

Os comprimidos podem ser administrados diretamente na boca do seu animal ou então misturado na comida.

3. Pipetas spot-on

Por norma as pipetas spot-on que são utilizadas para a desparasitação interna têm o efeito 2 em 1, ou seja, fazem em simultânea desparasitação interna e externa. Podem ser uma boa alternativa especialmente para gatos que não toleram a administração de comprimidos.

4. Injetáveis

Menos usuais para realizar a desparasitação interna de cães e gatos, no entanto podem ser administrados apenas pelo médico ou enfermeiro veterinário, não sendo possível ser administrado em casa pelos tutores ao contrário dos outros métodos.

Veja também:

Fonte

1. Worm Control in Dogs and Cats – ESSCAP Guideline, 2017. Disponível em:
https://esccap.org/uploads/docs/0x0o7jda_ESCCAP_Guideline_01_Third_Edition_July_2017.pdf

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.