Demência vascular: fique a conhecer os fatores de risco associados

A demência vascular corresponde ao declínio nas habilidades de raciocínio causadas por condições que bloqueiam ou reduzem o fluxo sanguíneo para o cérebro.

Demência vascular: fique a conhecer os fatores de risco associados
A demência vascular provoca privação das células cerebrais de oxigénio e nutrientes vitais.

A Demência Vascular é, a seguir à Doença de Alzheimer, a segunda forma mais comum de Demência.

“Demência” é o nome dado a problemas com habilidades mentais causados por mudanças graduais e danos no cérebro. É uma condição rara em pessoas com menos de 65 anos.

A demência vascular, especificamente, tende a piorar com o tempo, embora por vezes seja possível retardá-la. Corresponde à perda da função mental devido à destruição do tecido cerebral, por fornecimento de sangue reduzido ou bloqueado. A demência é, frequentemente, consequência de um ou mais acidentes vasculares cerebrais.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DEMÊNCIA VASCULAR?


demencia vascular

Os sintomas podem variar muito, dependendo da gravidade do dano dos vasos sanguíneos e da parte do cérebro afetada. A perda de memória pode ou não ser um sintoma significativo, dependendo das áreas específicas do cérebro onde o fluxo sanguíneo é reduzido.

Os sintomas de demência vascular podem ser mais evidentes quando ocorrem logo após um derrame grave. Mudanças repentinas após o AVC no pensamento e na perceção podem incluir:

  • Confusão;
  • Desorientação;
  • Problema em articular ou entender discursos;
  • Perda de visão.

Essas alterações podem ocorrer ao mesmo tempo que sintomas mais conhecidos de AVC físico, como dor de cabeça súbita, dificuldade para andar ou dormência ou paralisia num dos lados do rosto ou do corpo.

Múltiplos pequenos acidentes vasculares cerebrais ou outras condições que afetam os vasos sanguíneos e as fibras nervosas no interior do cérebro, podem causar mudanças de pensamento mais graduais à medida que o dano se acumula, sem muitas vezes nos apercebermos.

Os primeiros sinais comuns de doença generalizada de pequenos vasos podem surgir lenta e gradualmente e incluem planeamento e julgamento prejudicados; rir e chorar descontroladamente; capacidade decrescente de prestar atenção; função prejudicada em situações sociais; e dificuldade em encontrar as palavras certas.

QUAIS OS FATORES DE RISCO DA DEMÊNCIA VASCULAR?


tensao arterial elevada

Uma série de acidentes vasculares cerebrais podem resultar na demência vascular. Esses acidentes vasculares cerebrais são mais comuns entre os homens e geralmente começam depois dos 70 anos.

Outros fatores de risco para a demência vascular incluem:

  • Ter a pressão arterial alta;
  • Ter diabetes;
  • Ter aterosclerose;
  • Ter fibrilação atrial, um tipo de ritmo cardíaco irregular;
  • Ter altos níveis de gorduras (lipídios), incluindo o colesterol;
  • Fumar (atualmente ou no passado);
  • Ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC).

 

COMO É QUE A DEMÊNCIA VASCULAR É DIAGNOSTICADA?


ressonancia magnetica

A Demência Vascular é habitualmente diagnosticada através de um exame neurológico e técnicas de imagiologia cerebral como a tomografia computorizada (TC) ou a ressonância magnética (RM).

No entanto, tal como no caso da Doença de Alzheimer, o diagnóstico definitivo de Demência Vascular só pode ser realizado, após a morte, através de um exame ao cérebro. A Demência Vascular pode ser muito difícil de distinguir de outras formas de Demência.

É POSSÍVEL TRATAR A DEMÊNCIA VASCULAR?


medico e paciente

Não há um tratamento específico para a demência vascular. Embora não exista nenhum medicamento aprovado especificamente para o tratamento da demência vascular, há evidências que alguns medicamentos aprovados para tratar a doença de Alzheimer também podem oferecer um benefício modesto em pessoas diagnosticadas com demência vascular.

Controlar os fatores de risco que podem diminuir a probabilidade de danos adicionais nos vasos sanguíneos do cérebro. Esta é uma importante estratégia de tratamento. Há, de facto, evidências substanciais de que o tratamento dos fatores de risco pode melhorar os resultados e ajudar a adiar ou evitar um declínio ainda maior.

Tal como outros tipos de demência, a demência vascular encurta o tempo de vida. Alguns dados sugerem que aqueles que desenvolvem demência após um acidente vascular cerebral sobrevivem em média três anos.

No entanto, tal como acontece com outros sintomas do AVC, as alterações cognitivas podem, por vezes, melhorar durante a recuperação e reabilitação da fase aguda de um AVC, à medida que o cérebro gera novos vasos sanguíneos e as células cerebrais fora da região danificada assumem novos papéis.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

Cofidis