Publicidade:

Dar banho a gatos será mesmo necessário?

Quem ouve falar em dar banhos a gatos associa de imediato a uma tarefa impossível. Mas será mesmo necessário dar banho a este animal de estimação?

Dar banho a gatos será mesmo necessário?
Os gatos fazem a sua higiene diária lambendo-se

Dar banho a gatos pode ser necessário em determinadas situações, no entanto o ideal é evitar ao máximo fazê-lo por variadas razões.

Os gatos são animais extremamente limpos e higiénicos que utilizam a sua língua, com caraterísticas particulares, para darem banho a si próprios. A partir das 4 semanas de idade começam a limpar-se sozinhos, no entanto, até essa idade, é um instinto natural na mãe lavar os seus gatinhos.

Os gatos lavam-se lambendo diretamente as zonas do corpo onde chegam como o dorso e as coxas e onde não conseguem chegar, por razões anatómicas, colocam saliva na pata e depois com movimentos circulares ascendentes conseguem então lavar as zonas pretendidas.

Quando o gato realiza a sua própria higiene também mantém o seu cheiro natural, evitando que os outros animais que coabitam com ele e estão habituados ao seu cheiro, o ataquem.

Dar banho a gatos faz mal?


dar banho a gato gato a lavar o pelo

Um mito popular é que não se pode dar banho a gatos, no entanto isso não passa de apenas um mito. A maioria dos gatos, especialmente se não for habituado desde pequeno, tem medo de água, e uma vez que os gatos são animais muito ansiosos e stressados, entram facilmente em pânico em situações estranhas.

Se um gato entra em pânico pode ter duas reações: paralisar ou atacar. Quando o gato paralisa, ainda que esteja em stress, o tutor vai conseguir dar-lhe banho. Se o gato se assustar ao ponto de atacar, pode ser uma tarefa impossível e perigosa tanto para o gato como para os tutores.

De qualquer forma, apesar do banho em si não prejudicar o gato, é necessário ter em conta alguns fatores que podem condicionar a saúde e bem-estar do gato.

Stress

O stress tem uma influência muito grande na saúde e bem-estar dos felinos, uma vez que estes são animais muito suscetíveis a este tipo de situação. O stress pode causar diversas patologias, incluindo situações de saúde graves que podem por em risco a vida do gato, por isso é necessário evitar os fatores de stress na vida do gato.

O ideal, para evitar ao máximo o stress na vida do animal, é habituá-lo desde pequenas as várias coisas, que no futuro podem causar medo, como por exemplo a água e o banho em si.

Habitue o seu gato a tomar banho e a estar em contacto com a água desde pequeno, dessa forma, quando for adulto, e for necessário dar banho ao gato, esta vai parecer uma situação normal.

De forma a acalmar o gato, também pode fazer uso das feromonas felinas sintéticas, colocando sobre si e os objetos no local onde lhe vai dar banho sob a forma de spray uns minutos antes.

Temperatura da água

A temperatura da água é também um fator importante a ter em conta, pois se a temperatura da água não estiver ideal para o seu gato, ele não vai gostar do banho.

O ideal é a uma água morna mesmo em tempo quente, uma vez que a água demasiado fria pode causar problemas constipações e água demasiado quente pode provocar queimaduras e problemas dermatológicos.

Champô

Utilizar um champô adequado também é crucial para que os banhos não causem problemas de saúde ao gato. É necessário que utilize um champô adequado para gatos uma vez que o pH da pele difere entre espécies.

Um champô com qualidade irá fazer com que a pelagem do seu gato fique sedosa e brilhante.

Com que frequência deve dar banho a gatos?


Os gatos, por serem animais bastante higiénicos e lavarem a sua pelagem, não necessitam de banhos frequentes, e demasiados banhos podem causar problemas dermatológicos por retirarem a camada gordurosa protetora da pele do gato.

Opte por dar banho a gatos apenas quando for essencial, pelo gato se ter sujado. Gatos que apenas têm acesso ao interior da casa podem ficar toda uma vida sem tomar banho e viverem perfeitamente saudáveis.

Gatos que têm acesso ao exterior têm maior probabilidade de se sujarem e de necessitarem de banho, no entanto a frequência não deve exceder um banho a cada dois meses.

Alternativas a dar banho a gatos


dar banho a gatos limpar o gato com toalhitas

Nem todos os gatos permitem que lhes seja dado banho, no entanto se for mesmo necessário pode optar por outras formas de limpar o gato.

Banho com sedação

Se o seu gato necessitar mesmo de um banho e ficar muito ansioso, pode ser necessário que o médico veterinário realize uma ligeira sedação. Nesta situação o banho deve ser dado na clínica veterinária, pois o animal necessita de estar vigiado durante o período em que está sedado.

É importante falar com o seu médico veterinário acerca dos riscos associados à sedação, pois dependendo da idade do animal e problemas de saúde associados, a sedação pode não ser adequada.

Toalhitas

As toalhitas podem ser uma boa alternativa para retirar a sujidade do pelo do gato, complementando depois com uma escovagem. Existem toalhitas próprias para gatos, mas a maioria das toalhitas vendidas para bebés podem ser utilizadas sem risco.

No entanto, informe-se sempre com o seu médico veterinário sobre limpar o seu gato com toalhitas antes de o fazer.

Champô seco

Os champôs a seco ajudam a retirar a sujidade do gato sem ser necessário enxaguar. Existem sob a forma de espuma, que deve espalhar sobre o gato e massajar e posteriormente escovar e a espuma é removida.

Veja também:

Fonte

1. Chadwin, R.M. et al. (2017). Effect of a synthetic feline facial pheromone product on stress scores and incidence of upper respiratory tract infection in shelter cats. Disponível em:
https://avmajournals.avma.org/doi/abs/10.2460/javma.240.5.570

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].