Publicidade:

9 dicas para cuidar do cão em idade avançada

Cuidar do cão em idade avançada requer alguns esforços extra para aumentar a sua qualidade e esperança de vida. Saiba o que pode fazer no dia-a-dia.

9 dicas para cuidar do cão em idade avançada
Um cão sénior requer cuidados especiais

Um cão sénior necessita de certos cuidados para garantir que está confortável. Para cuidar do cão em idade avançada deve ter em conta os problemas de saúde que advêm com a idade e as limitações do animal nessa etapa da vida.

9 dicas para cuidar do cão em idade avançada


1. Arranje um local adequado para o cão dormir

cuidar do cao em idade avancada cao na cama

Com a idade é normal que o seu cão desenvolva problemas nas articulações e ossos que levem a que tenha dores nessas zonas, que podem piorar em determinadas alturas.

De forma a manter o cão o mais confortável possível, deve proporcionar-lhe um almofadado para o cão descansar. Tenha também em atenção o local onde coloca a cama do cão, pois o animal pode ter dificuldade em subir. Os cães séniores necessitam de dormir mais tempo e repousar mais, por isso mesmo opte por colocar a cama num local calmo e tranquilo.

Mantenha sempre a cama limpa e higiénica. O cão em idade avançada pode começar a ter dificuldade em aguentar a urina e as fezes, e pode acontecer um acidente, como caírem umas pingas de urina.

2. Altere a dieta do cão

Para cuidar do cão em idade avançada deve ter em conta a sua alimentação. Durante toda a sua vida o cão deve comer uma dieta equilibrada e balanceada, adequada à sua idade e problemas de saúde que existirem. O cão sénior, deve também alimentar-se com uma ração adequada para cães séniores.

Este alimento, para além de satisfazer as necessidades nutricionais do seu cão, é também pensada para um balanço energético apropriado a cães idosos. Isto porque, com o passar da idade, o metabolismo tende a ser mais lento, e os animais têm tendência para ter menor atividade, o que pode levar a um aumento de peso.

Também contém alguns nutrientes em quantidades necessárias para um cão sénior, como por exemplo um aumento de ómegas que auxiliam em problemas articulares e também em problemas cognitivos.

É possível que o cão em idade avançada tenha problemas de dentição e da boca, como no caso da doença periodontal que é bastante frequente em cães com mais de 7 anos de idade. Nesta situação, o seu cão pode não conseguir alimentar-se com rações e é necessário providenciar uma alimentação mista ou com base em alimento húmido.

3. Leve o cão regularmente ao médico veterinário

cuidar do cao em idade avancada veterinario a observar cao

Para cuidar do cão em idade avançada deve fazer check-ups regulares com o seu cão e exames como análises ao sangue e urina de forma a detetar algum problema numa fase inicial.

Um cão em idade avançada precisa de mais acompanhamento médico do que um cão adulto.

4. Brinque com o cão

Apesar da sua idade, um cão gosta sempre de brincar, a não ser que algo de errado se passe. Cuidar do cão em idade avançada requer adequar algumas das suas necessidades do dia-a-dia, de forma a que este as consiga executar, assim, deve adequar os brinquedos a utilizar, a intensidade da brincadeira e o tempo que passa a brincar com o cão de forma a não o cansar nem o magoar. No entanto, deve continuar sempre a brincar com o seu cão.

Opte por brinquedos interativos que o estimulem mentalmente. Tal como nas pessoas, também existem doenças mentais que afetam os cães, semelhantes ao alzheimer, que se designa por síndrome de disfunção cognitiva. Estimular o cérebro do seu cão a trabalhar pode ajudar a prevenir esses problemas.

5. Cuidado com os passeios

cuidar do cao em idade avancada dono a passear com cao

Um cão em idade avançada deve continuar a fazer os seus passeios, no entanto deve encurtar o seu percurso e também a duração, para que não prejudique as articulações do cão, provocando dor, nem o leve à exaustão.

Deve também levar sempre o cão de trela, em especial cães idosos, pois com o avançar da idade podem começar a desenvolver problemas de visão e auditivos, podendo magoarem-se se estiverem sozinhos e não forem controlados.

6. Cuide da sua higiene oral

A grande maioria dos cães sofre de acumulação de placa bacteriana e tártaro que pode levar a doença periodontal, sendo que os cães com mais de 7 anos são os mais afetados.

Tome algumas medidas como a escovagem dos dentes do cão de forma a prevenir a acumulação de placa.

7. Proteja-o de temperaturas extremas

cuidar do cao em idade avancada cao com manta

Os cães seniores são mais sensíveis à variação de temperatura, podendo ficar doentes constipados ou desenvolver uma pneumonia, devido a estas derivações de temperatura.

São também mais sensíveis ao frio e ao calor, portanto mantenha-os quentes em tempo de frio.

8. Cuide do pelo do cão

Com a idade o aspeto do pelo pode sofrer alterações, ocorrer maior perda de pelo e ficar com um aspeto mais baço. Com o tempo o animal pode começar a deixar de controlas a urina e as fezes e pode acabar por ficar sujo fazendo acumulações de sujidade no pelo, que contribui para a falta de higiene.

Escove-o diariamente, e pode optar também por passar-lhe no pelo toalhitas ou champô seco. É aconselhável mantê-lo rapado nas zonas das coxas e perianal ao que se chama uma tosquia higiénica.

Se o pelo do seu cão for muito longo, pelo menos no verão, opte por uma tosquia em todo o corpo.

9. Passe tempo de qualidade com ele

cuidar do cao em idade avancada dona a brincar com cao

Se o seu cão estiver velhinho aproveite todos os momentos com o seu melhor amigo. Mime-o, brinque com ele, passeie com ele.

Com a idade os cães tendem a ficar mais frágeis e preferem mais o carinho dos seus tutores para se sentirem seguros. Lembre-se que cuidar do cão em idade avançada também é dar-lhe amor.

Veja também:

Fonte

1. Laflamme, D.P. (2015). Nutrition for aging cats and dogs and the importance of body condition. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15833567

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].