Publicidade:

Sabe como programar a reprodução da cadela?

Programar a reprodução da cadela exige conhecimento acerca do seu ciclo reprodutivo. Se gostaria que a sua cadela fosse mãe, este artigo é para si.

 
Sabe como programar a reprodução da cadela?
Gostaria que a sua cadela tivesse cachorrinhos?

A cadela apenas ovula uma vez em cada ciclo, e é nessa fase em que se torna fértil e pode engravidar. Assim, se deseja que a sua cadela tenha cachorrinhos, deve informar-se o melhor possível acerca do seu ciclo reprodutivo, suas caraterísticas sexuais, comportamentos de cada fase do ciclo, e contar sempre com o auxílio do seu médico veterinário. Só assim é possível programar a reprodução da cadela com sucesso e segurança.

Programar a reprodução da cadela: o que é o cio?


como programar a reprodução da cadela

Para programar a reprodução da cadela, é importante compreender o que é o cio. O cio é o nome popular das duas primeiras fases do ciclo reprodutivo da cadela (estro e proestro), que dura geralmente entre 15 a 18 dias, em que a cadela passa por várias alterações hormonais que levam a que ocorram alterações físicas – como edema da vulva, corrimento sanguinolento e recetividade aos machos.

É também durante esta fase de cio que as cadelas podem ficar prenhas se copularem com o macho. Todavia, não é durante todo este período, mas sim um curto e específico, o que leva a que seja tão difícil programar a reprodução da cadela.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, apenas as fêmeas têm o cio. Os machos, sentem-se atraídos pelos odores libertados pelas cadelas que estão em cio, podendo levar a comportamentos sexuais como agressividade e marcação de território.

Programar a reprodução da cadela? Quando surge o primeiro cio?


como programar a reprodução da cadela

O primeiro cio é variável de cadela para cadela, tal como acontece nas mulheres. No entanto, é possível que as cadelas de porte mais pequeno tenham o seu primeiro cio entre os 6 e os 12 meses e as cadelas de maior parte um pouco mais tarde, entre os 8 a 24 meses.

Pode acontecer, que as cadelas jovens, quando têm o seu primeiro cio este seja “silencioso”. Isto é, não ocorram grandes sinais de cio, incluindo o sangramento, e portanto, pode passar desapercebido aos tutores, que pensam que a sua cadela ainda não teve o cio.

O cio das cadelas ocorre, aproximadamente 1 a 2 vezes por ano, sendo que a média é que o ciclo seja a cada 6 meses. No entanto, se pretende programar a reprodução da cadela, saiba que é desaconselhado que a sua cadela tenha uma ninhada logo no primeiro cio.

Isto deve-se à imaturidade do organismo, apesar de já ter o cio. O organismo ainda não está totalmente preparado para ter crias, assim é aconselhável que aguarde 1 a 2 cios até que a cadela se reproduza, para evitar complicações físicas para a mãe e bebés e também para evitar que a cadela não aceite os cachorros.

O mesmo também se aplica a cadelas mais velhas, que a partir de uma certa idade não devem ser reproduzidas, pois o risco de complicações é maior. As cadelas, ao contrário das mulheres, não entram na menopausa, e portanto, a partir de uma certa idade é necessário ter muito cuidado para evitar que a cadela não fique prenha.

Os métodos contracetivos utilizados em cadelas apresentam graves riscos para a sua saúde, portanto o melhor será aconselhar-se com o seu médico veterinário acerca da esterilização.

Como programar a reprodução da cadela? Planear a gestação


como programar a reprodução da cadela

Antes de colocar a sua cadela com um macho, se pretende que tenha cachorros, deve levá-la a uma consulta com o seu médico veterinário. É aconselhável verificar que a cadela está bem de saúde e podem ser necessário alguns exames para despiste de algumas doenças.

É necessário também verificar se as vacinações e desparasitações estão em dia e, caso não estejam, assegurar que ficam em ordem antes da cadela engravidar, para garantir que a gestação vai correr da melhor forma.

O médico veterinário é também a melhor pessoa para fazer o planeamento e seguimento da gestação da cadela.

Para verificar qual a melhor altura para acasalar o médico veterinário pode recorrer a esfregaços vaginais e análises sanguíneas. Para confirmar e acompanhar a gestação podem ser feitos exames ao sangue e ecografias.

Como programar a reprodução da cadela? Melhor altura para acasalar


como programar a reprodução da cadela

Para programar a reprodução da cadela, deve, em conjunto com o seu médico veterinário, planear se a gestação vai ocorrer por acasalamento, monta natural, ou inseminação artificial.

Monta natural

Este é o método mais natural, para fazer com que a sua cadela fique gestante, colocando uma fêmea e um macho no mesmo espaço, em determinada altura do seu período fértil.

A partir do momento em que há aceitação do macho pela fêmea, que pode ser depois de ocorrer sangramento, deve deixá-los cruzar a cada dois dias, até terminar o período de aceitação. Desta forma as garantias de que a cadela vai ficar prenha são maiores.

Inseminação artificial

A inseminação artificial deve ser realizada pelo médico veterinário, com umas palhinhas próprias para o efeito. Nestes casos, como o acesso ao esperma é mais limitado, é aconselhável que o médico veterinário faça citologias vaginais a partir do quinto dia do cio, e análises ao sangue para doseamento de progesterona.

A melhor altura para a inseminação artificial é determinada pelo comportamento da cadela (aceitação do macho) juntamente com os valores de progesterona e citologia vaginal.

Desta forma, é possível determinar o período de ovulação e fazer a inseminação na altura correta, maximizando as chances da cadela engravidar.

Veja também:

Fontes

ScienceDirect. Reproductive cycles of the domestic bitch. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21055888

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].