Publicidade:

Como discutir em casal: 9 dicas que vão ajudar a resolver os conflitos

As discussões fazem parte do dia-a-dia das relações amorosas. Importa saber como discutir em casal de forma a não prejudicar a qualidade da relação.

Como discutir em casal: 9 dicas que vão ajudar a resolver os conflitos
Como tornar as discussões mais construtivas?

Tal como qualquer pessoa que está num relacionamento amoroso sabe, os desentendimentos e as pequenas discussões são praticamente inevitáveis. Quando duas pessoas passam grande parte do seu tempo em conjunto é natural que ocasionalmente entrem em desacordo. As discordâncias podem ser maiores ou menores, variando desde a ementa para o jantar até à educação dos filhos, mas o importante é mesmo saber como discutir em casal, para que o amor e a qualidade da relação não saiam beliscados.

O simples facto de existirem discussões não é indicador que exista algum problema real na relação amorosa. Aliás, a troca de ideias entre o casal pode melhorar a relação a dois, desde que aconteça de forma construtiva. Discutir sem nunca abordar abertamente os problemas existentes e as diferenças de opinião, nunca solucionará os conflitos.

Lidar com os conflitos de forma construtiva permite que os elementos do casal obtenham uma maior compreensão acerca de si mesmos e do parceiro e que cheguem mais rapidamente a uma solução que funcione para ambos. Mas como discutir em casal de forma construtiva? Vamos tentar ajudar!

Como discutir em casal: 9 dicas que vão ajudar a resolver os conflitos


como discutir em casal namorados a tentar conversar

Saber como discutir em casal de forma a não prejudicar a qualidade da relação nem sempre é tarefa fácil, contudo, é importante que os casais aprendam a gerir habilmente os conflitos de forma a não os piorar. Estas 9 dicas podem ajudar:

1. Ser direto e honesto

Frequentemente, ao invés de sermos claros acerca daquilo que nos incomoda, tendemos a optar por formas mais indiretas de expressar o descontentamento, sendo evasivos. Outras vezes, optamos por amuar, ficar tristes e isolados, sem tomar medidas concretas que resolvam os problemas existentes.

Expressar de forma indireta e pouco clara as nossas opiniões e os nossos descontentamentos não dão qualquer hipótese ao parceiro de compreender e responder de forma clara ao problema. O nosso parceiro até pode perceber que estamos irritados e descontentes, mas não tem qualquer pista acerca do que pode fazer para resolver o conflito.

2. Falar abertamente acerca dos sentimentos, sem culpar o parceiro

As afirmações que atacam diretamente o parceiro podem ser extremamente prejudiciais para o futuro da relação amorosa. Ao invés da culpabilização e do ataque pessoal, os parceiros em conflito devem optar por descrever os comportamentos que provocam desagrado e expressar livremente aquilo que sentem.

3. Nunca dizer nunca (e sempre talvez também não)

Nos momentos de conflito talvez seja sensato evitar generalizações acerca do comportamento do parceiro. Declarações do tipo “nunca me ajudas em nada” ou “estás sempre agarrado ao telemóvel” podem colocar o parceiro numa postura defensiva, levando-o a enunciar as ocasiões em que tal não aconteceu, amplificando o conflito.

4. Escolher sabiamente as batalhas pelas quais vale a pena lutar

Uma discussão construtiva é aquela que não arrasta vários tópicos de discussão em simultâneo. Quando os casais estão infelizes e o dia-a-dia está repleto de conflitos, acabam por discutir sobre tudo e mais alguma coisa, inclusive sobre os assuntos mais insignificantes.

Uma discussão construtiva é aquela que tenta solucionar um problema de cada vez e que não se transforma numa autêntica sessão de reclamações.

5. Escutar realmente o parceiro

É frustrante perceber que o nosso parceiro não está a prestar atenção àquilo que dizemos e fazemos. É igualmente desanimador quando este nos interrompe constantemente e assume saber sempre aquilo que estamos a pensar, negando a oportunidade de nos expressarmos.

É importante que mesmo no decorrer de uma discussão os casais mostrem que estão atentos ao que o outro diz e que evitem mal-entendidos, confirmando se todas as mensagens foram entendidas por ambos.

6. Adotar uma perspetiva diferente

Para além de escutar atentamente o parceiro importa fazer o esforço de entender o ponto de vista contrário ao nosso. A identificação com os sentimentos do outro ajuda a que as discussões se tornem menos intensas e conflituosas.

7. Não desprezar o parceiro

Comentários de desdém e comportamentos de desprezo e desrespeito tendem a potenciar os conflitos e a degradar a relação amorosa. Pelo contrário, os elementos do casal devem procurar formas saudáveis e eficazes de resolver os problemas.

8. Não se deixar envolver pela negatividade

Por vezes, num conflito conjugal, persiste a vontade de devolver em dobro todo o mal que a outra pessoa no fez, contudo, cumprir este desejo apenas irá piorar o conflito e o mau ambiente conjugal.

9. Saber dizer basta

Por vezes, basta fazer uma pequena pausa para que os ânimos exaltados serenem. Uma boa forma de conseguir levar a cabo uma discussão construtiva passa por fazer um pequeno intervalo para refletir e evitar enveredar por comportamentos mais negativos.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].