Publicidade:

Como desentupir o ouvido: formas seguras de tratamento

A sensação de ouvido entupido causa muito incómodo, razão pela qual  partilhamos consigo como desentupir o ouvido de forma segura.

 
Como desentupir o ouvido: formas seguras de tratamento
6 dicas para se livrar do desconforto

Para saber como desentupir o ouvido de forma segura, deve perceber primeiro qual é a causa na origem do ouvido entupido. O barotrauma otológico, ou ouvido entupido, é qualquer lesão causada por desequilíbrio entre as pressões da atmosfera e da orelha média, e está intimamente relacionado a anatomia do canal auditivo.

Pressão maior do que a que o tímpano consegue compensar entre a atmosfera e a orelha média, causam sintomas como plenitude aural ( ouvido cheio), otalgia ( dor nos ouvidos) e zumbido (1).

A sensação de ouvido entupido pode acontecer também pela impactação do cerúmem,  cera natural que é produzida pelos ouvidos, doenças infecciosas do ouvido, como a otite externa (muito comum na exposição à água)  e por pequenos traumas, causados principalmente pela limpeza excessiva ou muito agressiva dos ouvidos.

Como desentupir o ouvido?


Como desentupir o ouvido

Por norma, engolir ou bocejar resolvem o problema dos ouvidos entupidos, sendo estas as primeiras atitudes a serem tomadas.

Quando se trata de crianças ou bebés é aconselhável oferecer água ou leite, para estimular o reflexo de engolir.

O tratamento do ouvido entupido deve ser essencialmente preventivo. Se estiver constipado, com uma crise de alergia, como, por exemplo, a rinite, é indicado reagendar viagens de avião e/ou evitar as demais situações de alteração de pressão nos ouvidos, como mergulhos.

Cotonetes ou outras técnicas, como pingar líquidos quentes ou que evaporam rapidamente, com a intenção de eliminar a água dos ouvidos, podem ser perigosas. Arrisca-se a gerar uma infeção ou mesmo a perfurar o tímpano.

Como referimos, as medidas mais aconselháveis para desentupir o ouvido são (2):

  • Engolir;
  • Bocejar;
  • Movimentos da mandíbula, como se estivesse a mastigar uma pasta elástica.

Além disso, também pode fazer a Manobra de Valsalva, uma expiração forçada contra os lábios e o nariz fechados, levando ao aumento da pressão na via respiratória e na cavidade torácica.

Ou a Manobra de Frenzel, na qual se fecha a glote e os lábios ao mesmo tempo em que se oclui o nariz e promove-se a contração dos músculos do assoalho da boca e da faringe. O aumento da pressão, durante esta manobra, é apenas no interior da nasofaringe e requer menor aumento de pressão se comparado a Manobra de Valsalva.

Também não é raro o tratamento com medicação, nomeadamente descongestionantes sistémicos como a pseudoefedrina e descongestionantes nasais como a oximetazolina. Pode-se ainda associar anti-histamínicos e sprays aquosos nasais de corticóide, que também são efetivos em melhorar a respiração nasal e consequentemente o ouvido entupido, quando recomendado pelo seu médico.

Como desentupir o ouvido no avião?


Homem a desentupir o ouvido no avião

No avião, a sensação do ouvido entupido ocorre, por norma, durante a descida da aeronave, momento no qual há um aumento da pressão atmosférica, que deve ser igualada com a pressão do ouvido médio.

Se houver falha neste processo, cria-se uma cavidade com pressão negativa, podendo originar sintomas e doenças. Recomenda-se para tentar reduzir os sintomas:

  • Não viajar na posição horizontal, deitado, pois dificulta o correto funcionamento da tuba auditiva;
  • Não dormir durante o pouso do avião e realizar manobras de equalização das pressões ambiental, como Valsalva e Frenzel, durante toda a descida da aeronave são fundamentais para evitar um dano ao ouvido que pode ser irreversível.

Na descolagem, partindo da pressão no nível do mar, é necessária uma diminuição de 3 a 5 mmHg ( unidade de medida utilizada para pressões) que equivale a 40 – 60 metros, para que possamos perceber qualquer efeito nos ouvidos.

Nesta ocasião surge a plenitude aural, sensação do ouvido entupido. Se fosse feito um exame aos ouvidos neste momento, se veria a membrana timpânica ligeiramente abaulada. Ao atingir 15 mmHg de diferença, por volta dos 160 metros de altitude, sente-se um estalo no ouvido, o tímpano volta para a posição anterior e a sensação de ouvido cheio desaparece.

Ao descer, ao contrário, a pressão relativa negativa dentro do ouvido médio impede a abertura da tuba auditiva, que só se abrirá com manobras fisiológicas (engolir, bocejar, etc). Estas ações levam ao movimento do músculo tensor do véu palatino, que também pode ser movimentado pela manobra de Valsalva.

As crianças estão mais sujeitas à sensação do ouvido cheio, uma vez que apresentam dificuldades na realização dessas manobras e que a formação completa de sua anatomia dos ouvidos só se dá aos 18 anos de idade.

Como desentupir o ouvido com sensação de água?


Como desentupir o ouvido

A sensação do ouvido entupido é mais frequente no mergulho, durante a descida na água. Neste momento, ocorre compressão da membrana timpânica, altura em que se devem iniciar manobras de descompressão, conduzindo à abertura da tuba auditiva para que a pressão seja igualada.

Mergulhadores que não consigam fazê-lo deverão parar a descida, subir uns metros e voltar a realizá-la a com suavidade, sendo por vezes possível restaurar a função da tuba auditiva, maneira de como desentupir o ouvido.

Caso a pressão não seja igualada, a compressão progressiva conduze a retração, hemorragia e eventual rutura da membrana timpânica. Assim, a prevenção do ouvido entupido, o barotrauma do ouvido médio, passa por:

  • Evitar mergulhar na presença de infeção do trato respiratório superior;
  • Manobras como Valsalva e Frenzel. (3)

Ouvido entupido: principais causas


Além das infeções nos ouvidos, as alterações da pressão  pode ser uma das causas na origem do ouvido entupido. Em muitos casos, ocorre devido a uma dificuldade dos tecidos do corpo na adaptação da mudança de pressão. Esta é uma situação muito frequente em quem anda de avião, faz mergulhos ou vai a lugares com altitudes elevadas.

Sintomas do ouvido entupido


Os sintomas que podem surgir são variados e incluem plenitude aural ou ouvido entupido que acaba por ser o mais comum. Além disso, pode sentir:

  • Dor nos ouvidos de intensidade variável;
  • Zumbido que vai e volta ou constante;
  • Hipoacusia ( diminuição da capacidade auditiva);
  • Vertigem;
  • Enjoos e vómitos.

Algumas destas manifestações desaparecem quando a pressão é restabelecida.

 Veja também:

Fontes

1. SANTOS, M.; Almeida, A.; Lopes, C.; Oliveira, T. (2018). “Saúde Ocupacional aplicada ao Trabalho Hiperbárico”. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional. Volume 6, 1-23. Disponível em http://www.rpso.pt/saude-ocupacional-aplicada-ao-trabalho-hiperbarico/
2. KREBS, J. (2018). “Barotrauma na Aviação”. Disponível em http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/03/880199/barotrauma-otologico-na-aviacao.pdf
3. CORREIA, S. (2017). “Lesões do ouvido em desportos aquáticos”.Universidade de Lisboa. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/33493/1/SandraSTCorreia.pdf

Danielle Paiva Danielle Paiva

Licenciada em Medicina e Farmácia & Bioquímica pelo Centro Universitário de Nilton Lins, Danielle também é Mestre em Engenharia Industrial e Qualidade pela Universidade do Minho. Atualmente é voluntária na Cruz Vermelha onde desenvolve diversas ações de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].