Publicidade:

Castrar o cão: benefícios, quando castrar e cuidados a ter

Castrar o cão é, atualmente, uma prática comum devido aos inúmeros benefícios que dela advêm. Por isso, deve conhecer todos os aspetos envolventes, tais como o controlo reprodutivo, as alterações comportamentais, quando castrar, os cuidados a ter e quais as doenças que se previnem e outras que se potenciam com a castração.

 
Castrar o cão: benefícios, quando castrar e cuidados a ter
Saiba quais os prós e contras deste procedimento.

Castrar o cão é algo que cada vez mais faz parte de uma detenção responsável por parte do dono. No entanto, apesar de ser uma técnica já muito praticada, convém conhecer alguns conceitos para tomar uma decisão bem informada.

Em que consiste castrar o cão?


castrar o cao

A castração de um cão consiste na remoção cirúrgica dos testículos (orquiectomia). O procedimento usualmente envolve anestesia geral e é feito através de uma incisão no saco escrotal e posterior extração dos testículos. Através desta intervenção, o cão reduz as hormonas sexuais em circulação, como é o caso da testosterona.

É diferente da vasectomia, uma vez que esta técnica apenas o torna incapaz de reproduzir-se por laquear os tubos por onde passam os espermatozoides, mas a produção das hormonas pelos testículos mantém-se, pelo que não se obtêm os benefícios médicos e comportamentais da castração.

Castrar o cão: os prós desta intervenção


1. Controlo reprodutivo

matilha de caes

A crescente população de animais errantes é um problema considerável a ter em conta.

O seu controlo não passa apenas pela castração das fêmeas; os machos também têm um papel importante nesta questão pois são capazes de se reproduzir durante todo o ano, pelo que conseguirão ser responsáveis por um número elevado de ninhadas anual, além de que estão em permanente procura por cadelas com o cio.

Os proprietários de cães machos deveriam ter essa consciência pois apesar de poderem nunca vir a ser confrontados ou sequer saberem da existência da ninhada, são indiretamente responsáveis por ela.

2. Alterações comportamentais

cao a fazer xixi no jardim

É importante sublinhar que os únicos comportamentos alteráveis com a castração são aqueles que se manifestavam sob a influência das hormonas masculinas.

Comportamentos que derivam da atração pelas cadelas, principalmente em cio (como fugir de casa ou não voltar quando se chama por ele, montá-las) ou que derivam de atitudes de dominância (serem agressivos com outros cães e pessoas, marcarem território com a urina) irão, em princípio, cessar com a castração.

No entanto, quando os cães são castrados tardiamente, há certos comportamentos que já foram adquiridos por eles e que fazem parte da sua maneira de agir, independentemente das hormonas.

Ou seja, há certos comportamentos que melhoram removendo a influência das hormonas mas há outros que dependem do temperamento, da educação e do treino que o cão recebe.

3. Prevenção de determinadas doenças

cao doente

Outra das grandes vantagens de castrar o cão é a prevenção de determinadas doenças.

A hiperplasia benigna da próstata é a doença prostática mais comumente encontrada em cães não castrados com mais de 6 anos de idade devido à estimulação pelos androgénios. Caracteriza-se por dificuldade em defecar, urina por vezes acompanhada de sangue ou de corrimento sanguinolento do prepúcio. A castração é nestes casos o tratamento de eleição, permitindo qua a próstata possa regressar ao seu tamanho original.

No caso do cancro testicular, esta hipótese é também eliminada assim que o cão é castrado.

Os cães criptorquídicos (quando só um ou nenhum dos testículos desceu) devem ser castrados pois há um risco mais elevado destes desenvolverem tumores testiculares. Além disso, esta é uma condição hereditável. pelo que animais com criptorquidismo não devem ser utilizados em reprodução.

Castrar o cão: os contras desta intervenção


cao no veterinario

1. Doenças associadas à castração

Tudo na medicina (inclusive na veterinária) tem os seus prós e os seus contras. Apesar de todos os benefícios acima enumerados, há também certas patologias cuja prevalência é maior em cães castrados.

Em relação ao cancro da próstata, a sua incidência é superior em cães castrados pois, as hormonas deixam de exercer um certo controlo sobre essas células. Os sinais passam por febre e dores, nomeadamente ao urinar, com possível obstrução. Não há nenhum tratamento curativo efetivo para o carcinoma prostático dos cães.

Há também certas condições ortopédicas que são mais prevalentes em cães castrados, principalmente em articulações, que pode estar relacionado com um encerramento deficiente das placas de crescimento dos ossos devido à ausência de certas hormonas sexuais, e que podem vir a manifestar-se no futuro.

2. Excesso de peso

Castrar o cão pode induzir uma ligeira mudança no metabolismo, fazendo com que as suas necessidades energéticas sejam menores do que dantes. Todavia, se forem tidos em conta os cuidados necessários como fornecer-lhes uma dieta apropriada e mantê-los ativos, não haverá motivos para que estes se tornem gordos e preguiçosos.

3. Risco associado à cirurgia

A castração é sempre uma intervenção cirúrgica com anestesia e como tal tem sempre um risco associado. No entanto, o médico veterinário avalia esse risco previamente à cirurgia e realiza todos os procedimentos necessários para que o risco seja o menor possível.

Quando castrar o cão?


cadela e seu filhote

Em relação a este tema existem duas vertentes major. Há quem defenda que deva ser entre os 5 a 10 meses de idade, de modo a conseguir uma menor probabilidade de vir a ter neoplasias, comportamentos sexuais e de dominância.

Por outro lado, há médicos veterinários que preferem castrar o cão apenas quando este já atingiu a maturidade sexual, de modo a permitir o seu total e normal desenvolvimento, ou seja, por volta de um ano de idade.

É importante referir que a idade na qual os cães atingem a maturidade depende enormemente da sua raça e tamanho, sendo que cães de raças grandes demoram mais a desenvolver-se.

Cuidados a ter na castração do cão


cao em fase de tratamento

O médico veterinário que irá castrar o cão irá certamente indicar todos os cuidados a ter antes e depois da cirurgia.

Nos dias após cirurgia, deve providenciar ao seu cão um espaço confortável e resguardado, prevenir que ele corra e salte muito nos 10 dias seguintes e inspecionar a sutura, certificando-se que ele não a lambe, tendo que possivelmente colocar um colar isabelino.

Em suma


A castração de cães é um procedimento comum no qual, no geral, os benefícios superam as suas desvantagens. No entanto, este deve sempre ser discutido com o médico veterinário sobre se se adequa ou não ao seu cão em particular.

Veja também:

Drª Rita Campilho Drª Rita Campilho

Rita Campilho é médica veterinária. Apesar de viver na cidade, sempre teve contacto com animais e desde cedo que percebeu a importância destes como parte integrante do ecossistema. Tornou-se médica veterinária no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto e atualmente trabalha com cavalos, cães e gatos. Também com cães na família, acredita que é através da educação e do conhecimento sobre comportamento e saúde animal que se consegue o melhor para os animais e para quem vive com eles.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].