Publicidade:

Como evitar calos no cotovelo do cão?

Já viu calos no cotovelo do cão? Sabe o que são? Por que aparecem e como evitar? Então saiba tudo sobre este problema e como prevenir que apareça.

 
Como evitar calos no cotovelo do cão?
Cuidado com o piso onde o seu cão dorme

Os calos no cotovelo do cão, também conhecidos por “escaras de decúbito” ou hiperqueratose, são uma situação comum, especialmente em cães de raças grandes e idosos. Esta situação pode causar grande preocupação aos tutores, no entanto é uma situação sem gravidade e que pode, na maioria das vezes, ser prevenida.

O que são calos no cotovelo do cão?


calos nos cotovelos dos cães

Os calos, como o próprio nome indica, são um endurecimento da pele numa determinada zona afetada. A pele nessa zona vai aparentar estar mais espessada, engrossada, escurecida e vai haver falha de pelo, alopécia.

Nos cães, as zonas mais frequentemente afetadas são os cotovelos e em alguns casos os joelhos. O aparecimento da pele com este aspeto pode causar grande preocupação nos tutores, no entanto, esta é uma situação normal, e não é sinal de nenhuma doença grave. No entanto, em alguns casos pode trazer complicações.

Como se formam os calos no cotovelo do cão?


Os calos no cotovelo do cão formam-se, especialmente em zonas mais sensíveis, onde existe menos gordura, e o contacto entre o chão e o osso é apenas suportado pela pele do animal. A pele, dessa forma, vai sofrer uma agressão, e de forma a compensar vai tornar-se mais espessa, concentrando mais queratina do que o normal, conferindo então o aspeto de “calo”.

As zonas mais afetadas, são portanto os cotovelos e também os joelhos, pois são as zonas mais sensíveis no corpo do cão que sofrem mais com esse atrito, pois quando o cão está sentado ou deitado acaba por exercer maior pressão nessas zonas.

Calos no cotovelo do cão: todos os cães podem sofrer deste problema?


calos nos cotovelos dos cães

Qualquer cão pode sofrer com esta situação, no entanto, é mais comum a hiperqueratose afetar cães mais velhos ou de maior porte. Também existem outras condições que podem influenciar o aparecimento de calor no cotovelo do cão.

Idade

Cães mais velhos tendem a passar mais tempo deitados e, portanto ocorre maior atrito entre a pele e o piso onde estão.

Raça

Cães de raça de maior porte têm maior probabilidade de sofrer de calos no cotovelo, devido ao peso que acaba por pressionar ainda mais estas zonas de atrito.

Peso

Mesmo cães de porte menor, podem desenvolver este problema, especialmente se forem obesos. Quanto mais peso o animal tiver maior pressão vai ocorrer entre o chão e a pele do animal, levando a que haja maior atrito, e portanto se formem calos.

calos nos cotovelos dos cães

Tipo de piso onde o cão vive

O piso onde o cão vive é um dos principais fatores que contribuem para o desenvolvimento de calos no cotovelo do cão.

Se a superfície de contacto for áspera como piso de cimento ou pedra o atrito e erosão na pele vão ser maiores e consequentemente a formação de calo vai ocorrer mais facilmente. Também ao deitarem-se e ao levantaram-se neste tipo de piso ocorre maior fricção, levando à perda de pelo naquele local, e a pele começa a engrossar para compensar o impacto. Isto é mais frequente ocorrer em cães que vivem no exterior ou em canis.

Por outro lado, se o cão estiver sempre em piso menos agressivo, com cobertores, almofadas, camas, tijoleira, superfícies não erosivas, é menos provável que ocorra formação de hiperqueratose.

Calos no cotovelo do cão: complicações


Os calos no cotovelo do cão, por si só não são uma situação grave, no entanto, podem ocorrer complicações como piodermite (infeção bacteriana profunda da zona), ferida, ulceração e em alguns casos mais graves pode ganhar larvas na zona da ferida.

Os calos também acabam por dificultar o movimento dos cães e o afetam o seu bem-estar, uma vez que se torna mais complicado conseguirem arranjar uma posição confortável para estarem deitados.

Tratamento


calos nos cotovelos dos cães

Se o calo se apresentar seco, sem feridas ou secreções o tratamento baseia-se na hidratação da pele com soluções emolientes, cremosas ou oleosas especificas para calos. Existem também substancias naturais que podem ser utilizadas para melhorar a hidratação, como o óleo de coco. No entanto, fale com o seu médico veterinário antes de aplicar qualquer produto na pele do seu cão.

Caso o calo apresente ferida, ulceração, secreção, sangue ou pus deve levar o animal de imediato ao médico veterinário. Neste caso o médico veterinário irá prescrever medicação como antibiótico, anti-inflamatórios e analgésicos e proceder à desinfeção da ferida. Em alguns casos mais graves pode ser necessário recorrer a cirurgia.

Calos no cotovelo do cão: prevenção


A melhor forma de prevenir a formação de calos no cão é assegurar que o local onde passa mais tempo tem um piso confortável e macio, ou proporcionar-lhe pelo menos um local com mantas, um colchão de ginástica/pilates ou camas próprias para que possa deitar-se nesse espaço. Cães que vivem em canis, deve-se optar por um piso de cerâmica ou borracha.

Uma vez que o peso também é um fator que contribui para o desenvolvimento deste problema, deve também ter cuidado com a alimentação do seu cão e controlar o seu peso para que não desenvolva obesidade.

Animais idosos ou com problemas de mobilidade devem estar deitados sob uma superfície macia e devem ser virados a cada 2 horas.

Veja também:

Fontes

Heinrich, N. A. McKeever Dermatology Clinics. Disponível em: https://mckeevervetderm.com/wp-content/uploads/sites/543/2017/02/callus-2.1.17.pdf

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].