Publicidade:

Calendário de vacinação dos gatos: saiba quais as vacinas que o seu gato precisa

O calendário de vacinação dos gatos inclui várias vacinas que ajudam o seu melhor amigo a ficar protegido. Saiba mais sobre a vacinação e proteja-os.

Calendário de vacinação dos gatos: saiba quais as vacinas que o seu gato precisa
Saiba quais as vacinas que deve dar ao seu felino.

O calendário de vacinação dos gatos deve ser cumprido à risca mesmo que o seu gato seja apenas de interior. Há doenças que podem afetar os gatos mesmo sem eles saírem de casa, pois há vírus que podem ser transmitidos através das nossas roupas, mãos mal higienizadas e até pelo ar.

Calendário de vacinação dos gatos: Vacina Trivalente


calendario de vacinacao dos gatos vacina trivalente

A vacina trivalente é assim chamada porque tem valência contra três das doenças infeciosas mais comuns nos gatos: Panleucopénia Felina, Rinotraqueíte Infeciosa Felina e Calicivirose Felina.

Esta vacina deve ser administrada aos 2 meses de idade e requer um reforço a cada 4 semanas até às 16 semanas de idade. Antes dos 2 meses de idade não se deve iniciar o calendário de vacinação dos gatos, uma vez que nessa altura ainda estão a fazer o desmame e os anticorpos presentes no leite materno podem neutralizar a vacina.

Se o gato iniciar a vacinação em idade adulta deverá fazer um reforço 4 semanas após a primeira vacina.

A partir do primeiro ano de vacinação a administração da vacina passa a ser anual.

Panleucopenia Felina

A Panleucopenia é causada por um vírus do tipo parvovírus (FPV) e afeta todos os felinos, guaxinins e martas. Os sinais clínicos caraterizam-se por anorexia, vómitos, diarreia que pode ser sanguinolenta, anemia severa e morte.

É uma doença com alta taxa de morbilidade e mortalidade, o prognóstico é mau, sendo que quanto mais novo é o animal menor a probabilidade de sobreviver.

O parvovírus transmite-se por via orofecal. Os gatos doentes excretam elevadas quantidades do vírus nas fezes. A transmissão pode também ocorrer por contacto indireto através de “veículos” que podem ser o calçado ou vestuário. Desta forma, gatos que não têm acesso ao exterior também se encontram em risco de contágio.

É possível haver também transmissão via uterina, ou seja, de mãe para os seus filhos. No entanto, neste caso os gatos apresentam uma sintomatologia diferente, na sua maioria sinais neurológicos.

O tratamento é de suporte direcionado para os sinais clínicos, com soro, antibióticos, pode também ser necessário uma transfusão de sangue em casos mais severos.

Rinotraqueíte Infeciosa Felina

Esta doença é altamente contagiosa e afeta o aparelho respiratório do felinos. É causada pelo herpesvírus felino tipo 1 (HVF-1). Isoladamente ou em conjunto com outros agentes provocam a chamada “coriza”, constipação dos gatos.

Afeta geralmente as regiões oculares, nasais e oral, causando conjuntivites severas, espirros, letargia, anorexia, úlceras, pneumonia, descargas nasais e oculares. Por norma, os gatos mais afetados têm o seu sistema imune fraco ou pouco desenvolvido, como por exemplo gatos mais jovens ou com doenças concomitantes.

O tratamento consiste na administração de antivíricos e antibióticos, devido às infeções bacterianas secundárias. O seu médico veterinário pode também prescrever colírios e nebulizações se for necessário. Em casos mais graves o animal poderá necessitar de ficar hospitalizado e levar soro.

Calicivirose

Esta doença é causada por um calicivírus que causa infeções em gatos, com sintomas muito semelhantes à rinotraqueíte infeciosa felina.

O calicivírus para além de provocar lesões na superfície ocular e pulmões, pode também provocar alterações na cavidade oral e aparelho digestivo. Estirpes mais virulentas deste vírus podem provocar claudicação (mancar), artrite (inflamação das articulações), alopécia (perda de pelo), úlceras cutâneas e edemas nos membros.

Os gatos afetados por este vírus podem desenvolver infeções crónicas e ficarem portadores da doença. Assim, em situações de stress, o vírus pode ser reativado e aparecerem novamente sinais da doença.

É um vírus altamente contagioso e por norma difunde-se mais facilmente por grupos grandes de gatos que vivem juntos através de contacto direto.

Calendário de vacinação dos gatos: FeLV (Vírus da Leucemia Felina)


calendario de vacinacao dos gatos Felv

O vírus da leucemia felina é um retrovírus que afeta apenas os felinos.

É uma doença que acomete maioritariamente a gatos de rua, sendo desta forma muito importante vacinar gatos que tenham acesso ao exterior e possam estar em contacto com estes gatos.

A transmissão ocorre através de contacto sexual, mordeduras, saliva, lambeduras, partilha de bebedouros, comedouros e caixas de areia.

Muitos gatos apresentam-se assintomáticos (sem sintomas), no entanto, podem já estar a excretar o vírus e contagiar outros gatos. Este vírus provoca uma baixa das defesas, sendo que os gatos afetados ficam mais suscetíveis a infeções. Podem provocar também anemias, linfomas, gengivites, estomatites, infeções respiratórias, da pele e otites recorrentes.

Tratamento para FeLV

O FeLV não tem tratamento, no entanto a partir do momento em que o gato é diagnosticado, devem ser tomadas algumas precauções no sentido de evitar que esteja exposto a agentes infeciosos, aumentar a sua imunidade e esperança de vida.

Antes da administração da vacina o gato deve ser testado através do sangue, pois só deverá ser vacinado caso teste negativo.

A vacinação pode iniciar-se a partir das 8 semanas de idade e deve ser dado um reforço passado 4 semanas. Caso inicie a vacinação em idade adulta, o protocolo vacinal é igual. A partir do primeiro ano de vacinação é apenas necessário um reforço anual.

Esta vacina tem algumas contra-indicações, sendo possível os animais vacinados regularmente desenvolverem um sarcoma no local da injeção. Desta forma, é necessário avaliar a exposição do gato ao risco de infeção para decidir se deverá ou não iniciar esta vacinação.

Consulte o seu médico veterinário, pois este é o único profissional habilitado para o aconselhar relativamente ao calendário de vacinação.

Calendário de vacinação dos gatos: FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina)


calendario de vacinacao dos gatos FIV

O vírus da imunodeficiência felina é uma doença imunossupressora em gatos, causada por um vírus análogo ao da SIDA em humanos. No entanto, este vírus específico de espécie, só se transmite entre felinos e não há transmissão a humanos ou outras espécies.

Esta doença causa uma baixa das defesas nos gatos, levando a que fiquem mais suscetíveis a infeções. A transmissão apenas ocorre através do sangue e contacto sexual.

Não há tratamento para esta doença, mas aconselha-se a que sejam tomadas algumas medidas de forma a prevenir que, se o seu gato tiver FIV, evitar que esteja exposto a agentes infeciosos. Por exemplo, esterilizar, vacinar, desparasitar com regularidade e não lhe permitir o aceso ao exterior, são alguns cuidados a ter com estes gatos.

A vacina não está disponível em Portugal.

Calendário de vacinação dos gatos: Raiva


calendario de vacinacao dos gatos vacina da raiva

A raiva é um vírus que afeta todos os mamíferos incluindo o Homem. É uma doença grave, causa distúrbios neurológicos e outros sintomas que podem causar a morte.

Transmite-se, normalmente, através de mordeduras de um animal infetado.

Atualmente a raiva está erradicada do nosso país há muitos anos, sendo Portugal considerado um país livre da doença.

A vacinação da raiva não é obrigatória em gatos, em Portugal ao contrário dos cães. No entanto, se pretende viajar com o seu gato para outro país, a vacina passa a ser obrigatória, assim como a identificação eletrónica (microchip) e passaporte.

Apesar de não ser obrigatória, a vacinação para esta doença, em gatos, pode ser iniciada a partir dos 3 meses de idade. Dependendo das marcas será necessário um reforço entre 1 a 3 anos após a primeira dose da vacina.

Em conclusão…


A forma mais eficaz de prevenir que o seu gato fique doente é através da vacinação. A vacina trivalente deve ser iniciada logo quando o seu gato fizer as 8 semanas e programar, então, nessa altura o calendário de vacinação dos gatos com o seu médico veterinário de forma a cumprir rigorosamente o plano de vacinação.

A administração das outras vacinas deve ser avaliada em conjunto com o seu médico veterinário, de forma a compreender a necessidade e importância destas para o seu gato.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].