Publicidade:

Porque é que os cães comem fezes? 5 Razões aparentes e como evitar este problema

Quando os cães comem fezes estão a exprimir um comportamento que não é nada agradável para os donos. No entanto, há diferentes razões que podem estar a motivar este ato, desde médicas a comportamentais, e deve compreendê-las para poder tratar ou evitar esta situação. Informe-se e cuide do seu melhor amigo.

 
Porque é que os cães comem fezes? 5 Razões aparentes e como evitar este problema
Saiba o porquê e evite este comportamento

Quando os cães comem fezes, os donos ficam bastante incomodados pois além de ser algo desagradável, muitas vezes não compreendem o porquê do cão o estar a fazê-lo, nem sabem como o evitar.

O termo científico para este ato é coprofagia, que significa o consumo ou a ingestão de fezes. Em certas espécies este consumo faz parte do comportamento normal e diário, como por exemplo nos coelhos, de modo a tornar mais eficiente o seu processo digestivo.

Coprofagia nos cães


caes comem fezes e coprofagia

A coprofagia nos cães é um comportamento comum e por vezes normal para a maioria de entre eles. Os cães comem fezes tanto de outras espécies (gatos por exemplo), como de outros cães ou mesmo as suas próprias.

Apesar de haver várias teorias sobre o porquê de isto ocorrer, a causa exata deste comportamento ainda é desconhecida, no entanto há algumas razões sugeridas.

Porque é que os cães comem fezes?


cao com medo de ser repreendido

1. Carências nutritivas

Os cães podem ser coprofágicos para reequilibrarem a sua fauna intestinal ou para ingerir alguns nutrientes que estejam em falta na sua alimentação.

Dietas com baixa digestibilidade, má-nutrição ou doenças que diminuem a absorção de nutrientes (parasitas intestinais, deficiências enzimáticas) podem levar a uma necessidade de ingestão de fezes, principalmente se estas possuírem uma elevada quantidade de alimento não digerido, tornando-se assim mais ricas.

Patologias que provoquem um aumento anormal do apetite como a diabetes, a doença de Cushing ou o tratamento com certos fármacos também podem conduzir a este comportamento.

2. Comportamento materno

O comportamento materno normal inclui o consumo de fezes e urina dos seus cachorros recém-nascidos: desta forma estimulam-nos a realizarem as suas necessidades e mantêm-nos limpos. Se este instinto se mantiver à medida que os cachorros vão crescendo, estes podem começar a observar e a imitar a mãe.

3. Reforço positivo

Como parte do comportamento exploratório, muitos cachorros e cães comem fezes após terem explorado e cheirarem o meio que os rodeia de forma a satisfazer a sua curiosidade.

Como esta coprofagia pode, naturalmente, atrair a atenção dos donos quando estão por perto, este comportamento pode vir a ser involuntariamente reforçado, e desta forma o cão usa-o como forma de chamar as atenções.

4. Medo da reprimenda

Outra vertente é a do medo. Quando, por algum motivo, o cão faz as necessidades em casa e já foi previamente ralhado e punido por causa disso, muitas vezes a sua reação vai ser ingerir as fezes de modo a encobrir o sucedido.

5. Atração pelo sabor

Por estranho que pareça, há certas fezes que atraem a curiosidade e o paladar dos cães. Um dos exemplos é a atração quase universal que os cães parecem ter por fezes de gato. Estas têm atributos apelativos (odor, textura, sabor) pois os gatos são estritamente carnívoros, pelo que digerem pouco os carboidratos. Como tal, na perspetiva do cão as fezes do gato têm ainda bastante aproveitamento nutritivo.

Como tratar / evitar a coprofagia?


Cao no veterinario

Uma vez que a causa exata da coprofagia não está esclarecida, o tratamento pode ser difícil e requer paciência por parte do dono.

A primeira abordagem será sempre consultar um médico veterinário pois a causa pode ser médica e nesse caso é necessário investigar e intervir. Convém também cumprir o plano de desparasitação interna.

Após terem sido descartadas as possíveis patologias e na situação da causa ser aparentemente comportamental, o seu médico veterinário irá aconselhar quais as ações a tomar mais indicadas para o caso do seu cão em específico.

Há certas medidas que podem ajudar:

  1. Detetar o porquê das carências nutricionais e adaptar a dieta às suas necessidades;
  2. Adicionar produtos comercialmente disponíveis à ração de forma a diminuir a palatabilidade das fezes – aconselhe-se no veterinário;
  3. Remover imediatamente as fezes após o cão as ter feito;
  4. Passear o cão com trela em locais onde haja mais animais a fazer as necessidades;
  5. Adicionar produtos que saibam mal como sabor de maçã amarga ou piri-piri nas fezes para criar uma associação desagradável quando ele as for lamber;
  6. Não repreender quando o cão ingerir fezes. Por difícil que seja, esta é uma forma de não recompensar o comportamento dele com a sua atenção;
  7. Reforçar positivamente quando ele não ingerir fezes, oferecendo-lhe imediatamente uma recompensa;
  8. Se conseguir com que o cão crie uma boa associação com o açaime, pode passeá-lo açaimado quando pretender soltá-lo de forma a garantir que não ingere nada. Mas antes crie a associação entre o açaime e recompensas para evitar situações de stress.

 

Cães comem fezes: risco para a saúde


lavar as maos

Tanto para os donos como para eles, quando os cães comem fezes há um maior risco de se infetarem com certas doenças que são transmissíveis pela via fecal-oral.

É recomendável que se proteja lavando sempre as mãos depois de lidar com o cão e com a limpeza do seu espaço.

Veja também:

Drª Rita Campilho Drª Rita Campilho

Rita Campilho é médica veterinária. Apesar de viver na cidade, sempre teve contacto com animais e desde cedo que percebeu a importância destes como parte integrante do ecossistema. Tornou-se médica veterinária no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto e atualmente trabalha com cavalos, cães e gatos. Também com cães na família, acredita que é através da educação e do conhecimento sobre comportamento e saúde animal que se consegue o melhor para os animais e para quem vive com eles.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].