Publicidade:

Grupo 4 - Baixotes

Os baixotes ou salsicha, como são conhecidos em Portugal, são designações para o Teckel, em inglês, e Dachshund em Alemão, de onde é originária a raça.

Grupo 4 - Baixotes
O grupo 4 tem apenas uma raça reconhecida.

Os Baixotes são oriundos da Alemanha e o nome originário da raça é Dachshund, ou seja, traduzido à letra, cão texugo. Deve-se ao facto de que nos seus primórdios estes cães terem sido desenvolvidos para a caça de texugos.

Este grupo 4 tem apenas uma raça registada, apesar da raça ter várias designações consoante a região .

Baixotes  – Grupos FCI


A cinofilia define-se como forte interesse, paixão, entusiasmo por cães. A Federação Cinológica Internacional (FCI), atualmente com sede na Bélgica é responsável por classificar e agrupar as diversas raças de cães de acordo com a sua função, caraterísticas morfológicas ou função.

Atualmente existem 10 grupo de raças, sendo que o grupo 4 é constituído por apenas uma: os baixotes. Esta raça é uma raça peculiar que merece particular destaque devido à sua morfologia e aptidão para caçar no solo ou por debaixo dele.

Raças de cães baixotes


Baixotes Dachshund

O grupo 4, baixotes, é constituído por uma raça que é caraterizada pelos seguintes nomes:

 

Baixotes – Características


Baixotes salsicha a correr

Os baixotes são cães de caça, portanto herdaram várias caraterísticas da personalidade deste tipo de cães, como grande resistência e bravura. São animais muito curiosos acerca do mundo que os rodeia.

História

Os baixotes tiveram origem na Alemanha na idade média e eram utilizados para a caça de texugos.

No entanto, há indícios da raça ser ainda mais antiga, uma vez que o antigo Egipto há desenhos, nas paredes dos templos, de cães com corpos longos e patas curtas, fazendo lembrar os baixotes. Alguns modelos de pedra que se assemelham a esta raça foram também encontrados no México, Grécia, Perú e China em tempos mais remotos.

A importância desta raça de caça é grande. Até que a FCI (Federação Cinológica Internacional), responsável pelo agrupamento de raças, reservou um grupo em que apenas está incluída esta raça.

Função

Eram utilizados essencialmente como cães de caça ao texugo e raposa, e também como companheiros leais dos caçadores.

A sua fisionomia com pernas curtas, permitia-lhes a entrada nas tocas e a sua função era expulsa-lar a caça.

Atualmente os baixotes são essencialmente utilizados como cães de companhia, sendo muito rara a sua utilização como cães de trabalho.

Tipos

Apesar do grupo dos baixotes incluir apenas uma raça, existem 3 variedades. Dentro de cada uma podem ser agrupados em cães de pêlo raso, pêlo liso e pêlo cerdoso.

  • Standard;
  • Miniatura;
  • Kaninchen.

Temperamento

Os baixotes são cães com muita energia, tal como qualquer cão de caça. São curiosos, destemidos, valentes e muito inteligentes. São cães extremamente extrovertidos, alegres e carinhosos. São muito amigáveis com pessoas, especialmente crianças.

Por outro lado, são cães muito teimosos, por isso é importante estabelecer regras e treino desde uma idade precoce.

Apesar de serem cães muito enérgicos, devido ao seu tamanho, dão-se bem em apartamentos, desde que sejam exercitados.

Exercício

Para evitar que os baixotes desenvolvam um comportamento ansioso é necessário fazer exercício com eles todos os dias.

O exercício diário não tem que ser propriamente exaustivo, nem é necessário andar a correr vigorosamente com o seu cão. É sim, preciso uma boa caminhada ao ar livre.

Estas caminhadas não devem ser confundidas com os passeios higiénicos, em que se passeia o cão para estes fazer as suas necessidades fisiológicas na rua. Estes passeios higiénicos podem ser curtos apenas durante o tempo suficiente para o seu cão fazer o que tem a fazer na rua.

As caminhadas, por outro lado, devem ser de duração mínima de meia hora, e são passeios para o seu cão desfrutar do ar livre, explorar o meio que o rodeia e desgastar a sua energia. É importante permitir ao seu cão, durante as caminhadas, farejar, pois é desta forma que vai treinando o seu faro.

O exercício deve ser sempre moderado pois os baixotes são cães pequenos. É preciso interpretar quando o seu cão chegar ao seu limite para não causar demasiado esforço e o levar à exaustão.

Para além de ser benéfico para a sua saúde mental, o exercício ligeiro como caminhadas, podem ser também benéficos para a sua saúde física, actuando como preventivo no desenvolvimento de várias doenças típicas dos baixotes.

Entretenimento

Para além das caminhadas, para evitar que o seu cão desenvolva problemas comportamentais de ansiedade deve fazer brincadeiras com ele em casa, seja no interior ou exterior.

Todos os baixotes independentemente da idade adoram brincar. Adoram escavar buracos e esconder as suas coisas, portanto não se admire se chegar a casa e tiver uma nova decoração no seu jardim.

Treino

Os baixotes são um pouco teimosos, portanto é essencial começar o treino desde cedo, correndo o risco de desenvolver alguns problemas comportamentais e de não ser um cão obediente.

É importante que no seu período de socialização estejam em contacto com outros animais e crianças, pois como o seu instinto é ainda de caçador, se não estiver habituado a este tipo de contacto poderá haver problemas no futuro.

Conclusão…


Os baixotes são cães independentes e corajosos que eram utilizados para a caça, por esta razão têm ainda alguns instintos de caçadores.

É importante desde cedo socializar o seu cão e treiná-lo de forma a diminuir os seus instintos de caça.

Se tem um baixote ou pensa ter um, deve ter consciência que apesar de ser um cão que se habitua a estar num local pouco espaçoso, como por exemplo um apartamento, é crucial fazer atividade física com eles, de forma a prevenir o aparecimento de problemas físicos, típicos da raça, e comportamentais.


Conheça mais raças de cães:

Todas as raças de cães

Todas as
raças de cães

Raças de cães pequenos

Raças de
cães pequenos

Raças de cães médios

Raças de
cães médios

Raças de cães grandes

Raças de
cães grandes

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].